Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

A Política e o Direito - Theófilo Silva

Enviado por Gilberto Godoy
a-politica-e-o-direito---theofilo-silva

   A comunidade jurídica já percebeu que, em um país desavergonhado como o Brasil, o
Direito e as Leis estão subordinados à política. Que um político do interior da medieval
Alagoas pode revogar uma decisão do Supremo Tribunal Federal. De que parte do
senado brasileiro, alguns governadores e parlamentares podem reverter condenações e
paralisar qualquer lei e sentença que lhes seja desfavorável. Observemos que os
senadores do MDB, processados e condenados, Valdir Raupp, Ivo Cassol, que
pertencem ao baixíssimo clero do Senado, não tiveram suas sentenças aplicadas, e que,
graças a contorcionismos jurídico-políticos continuam livres, leves e soltos...e, pior,
candidatíssimos às eleições deste ano. Sem citar os caciques do partido, Eunício, Renan,
Jáder, Lobão, todos entupidos de processos pesadíssimos que tramitam há dezenas de
anos e que não avançam. Assim, a lei não é igual para todos.

   As indicações dos membros do Superior Tribunal de Justiça – STJ e do Supremo
Tribunal Federal – STF são feitas pelo Presidente da República, ou seja, a indicação é
política. Os indicados devem ter “reputação ilibada e notório saber jurídico”. Temos
ainda o Quinto Constitucional, em que 20% dos membros de Tribunais regionais
também ocorrem por indicação política. E dessa forma, sentenças as mais estapafúrdias
acontecem. Portanto, concluímos que existe uma relação simbiótica entre o político e o
judiciário.

   Dito tudo isso, vamos constatar que, dentro desse quadro existe uma enorme
ambiguidade envolvendo os dois poderes. Senão, vejamos. Os presidentes da República,
o trágico Collor de Mello e Dilma Roussef, eleitos com muitos milhões de votos, foram
afastados da Presidência, por intermédio de um processo de Impeachment, realizado
pelo poder legislativo, Câmara e Senado, e presidido pelo Presidente do Supremo
Tribunal Federal! Tudo bem, o processo de Impeachment é previsto pela Constituição,
mas é um processo político, e dolorosíssimo para a nação. Por que é que digo que há
ambiguidade nessa submissão do judiciário à política? Pelo simples fato de que você
tira do cargo um Presidente eleito pelo voto popular de cinquenta e três milhões de
cidadãos, e não consegue retirar um ministro do Supremo Tribunal Federal do cargo!
Não é ambíguo e assustador isso? Não é estranho, para usar a linguagem de um deles,
do primo do Collor, Marco A. Mello, que costuma dizer que “vivemos tempos
estranhos”. Estranho por culpa dele! É ou não é ambíguo, escandalosamente estranho!
Basta ver as várias denúncias contra alguns ministros do STF, e a quantidade de pedidos
de impeachment de alguns deles protocolados no Senado Federal que, sequer são
discutidos! Vão para a lata do lixo! Um ministro do STF no Brasil é intocável, um Deus
acima do bem e do mal. Alguns ministros do Supremo comportam-se como se não
devessem prestar contas a ninguém, a ninguém mesmo. E não prestam mesmo! O
Senado simplesmente fecha os olhos para as acusações.

   Está claro que parte do STF e do Senado agem de comum acordo, numa troca de
favores, tipo assim: “Eu não os investigo e vocês não nos prendem”. Horrível, altamente
destrutivo isso! A coisa ficou mais forte ainda depois da votação da chamada PEC da
Bengala, em que o Senado aumentou de 70 anos para 75 anos, a idade de aposentadoria
dos ministros do STF, que gerou efeito cascata para a magistratura em geral e para
outras categorias do serviço público. Estranho, muito estranho isso!!

   Na verdade, toda essa história é um pacto silencioso para que o Brasil permaneça “O
país do futuro”, um futuro que nunca chega. O título que merecemos é o de País Mais
Injusto do Mundo, em que um grupo de pouco mais de mil pessoas controlam a vida de
mais de 210 milhões de pessoas. “A prostituta Amarela”, o dinheiro de que fala
Shakespeare em Tímon de Atenas está por trás de toda essa desgraça! Porque essa
prostituta “Vai dar lugar aos ladrões, fazendo-os sentar no meio dos senadores (e dos
juízes) com títulos, genuflexões e elogios...”. O Brasil que se lasque! O que mais
podemos dizer!?

     Autor: Theófilo Silva é escritor Shekespereano e analista político

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •        "Acontece que o Conde Matarazzo estava passeando pelo parque. O Conde Matarazzo é um Conde muito velho, que tem muitas fábricas. Tem também muitas honras. Uma delas consiste em uma preciosa medalhinha de ouro que o Conde exibia à lapela, amarrada a uma fitinha. Era uma condecoração (sem trocadilho).   (continua)


  •    Existem coisas que nunca esquecemos, os cheiros é uma delas. Inúmeras vezes nos deparamos com um cheiro e ele nos remete a lembranças remotas ou não. No início de 2010 li “Os Cheiros” escrito por Danuza Leão, tirei a página da revista e sempre voltava a lê-lo.   (continua)


  •    O título parece complicado, mas não é. Metáforas são figuras de linguagem que substituem uma coisa por outra. São indispensáveis na expressão da vida. Por exemplo: o coração, que é um órgão do corpo humano passível de cirurgia, palpitação e substituição, é uma metáfora do amor...   (continua)


  •    Uma mulher espalhou uma fofoca sobre uma certa pessoa que ela não conhecia bem, mas a invejava. Alguns dias depois, o bairro inteiro sabia a história. A pessoa que foi alvo da fofoca ficou indignada e muito ofendida. Mais tarde, a mulher que espalhou o boato descobriu que era...   (continua).


  •    Endureçamos a bondade, amigos. Ela também é bondosa, a cutilada que faz saltar a roedura e os bichos: também é bondosa a chama nas selvas incendiadas para que os arados bondosos fendam a terra. Endureçamos a nossa bondade, amigos. Já não há pusilânime de...   (continua)


  •    Assisti a uma reportagem no programa Fantástico, da TV Globo, que além de ter me emocionado bastante, mostrou uma experiência insólita, rara e belíssima. Um garoto de oito anos, de uma cidade dos Estados Unidos, ganhou um prêmio em sua escola, de mil dólares. Poderia ter...   (continua)


  •    Mexo em textos antigos, e encontro um que me dá sentimentos dúbios, uma espécie de alegria melancólica, como se fosse um reencontro fugaz com uma pessoa querida. Você quer segurá-la, mas ela tem que partir. O tema era papai, e mamãe ainda vivia. Engraçado como...   (continua)


  •    Que se passa para nós no domínio musical? Devemos em primeiro lugar aprender a ouvir um motivo, uma ária, de uma maneira geral, a percebê-lo, a distingui-lo, a limitá-lo e isolá-lo na sua vida própria; devemos em seguida fazer um esforço de boa vontade —   (continua)
     


Copyright 2011-2018
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília