Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

A Política e o Direito - Theófilo Silva

Enviado por Gilberto Godoy
a-politica-e-o-direito---theofilo-silva

   A comunidade jurídica já percebeu que, em um país desavergonhado como o Brasil, o
Direito e as Leis estão subordinados à política. Que um político do interior da medieval
Alagoas pode revogar uma decisão do Supremo Tribunal Federal. De que parte do
senado brasileiro, alguns governadores e parlamentares podem reverter condenações e
paralisar qualquer lei e sentença que lhes seja desfavorável. Observemos que os
senadores do MDB, processados e condenados, Valdir Raupp, Ivo Cassol, que
pertencem ao baixíssimo clero do Senado, não tiveram suas sentenças aplicadas, e que,
graças a contorcionismos jurídico-políticos continuam livres, leves e soltos...e, pior,
candidatíssimos às eleições deste ano. Sem citar os caciques do partido, Eunício, Renan,
Jáder, Lobão, todos entupidos de processos pesadíssimos que tramitam há dezenas de
anos e que não avançam. Assim, a lei não é igual para todos.

   As indicações dos membros do Superior Tribunal de Justiça – STJ e do Supremo
Tribunal Federal – STF são feitas pelo Presidente da República, ou seja, a indicação é
política. Os indicados devem ter “reputação ilibada e notório saber jurídico”. Temos
ainda o Quinto Constitucional, em que 20% dos membros de Tribunais regionais
também ocorrem por indicação política. E dessa forma, sentenças as mais estapafúrdias
acontecem. Portanto, concluímos que existe uma relação simbiótica entre o político e o
judiciário.

   Dito tudo isso, vamos constatar que, dentro desse quadro existe uma enorme
ambiguidade envolvendo os dois poderes. Senão, vejamos. Os presidentes da República,
o trágico Collor de Mello e Dilma Roussef, eleitos com muitos milhões de votos, foram
afastados da Presidência, por intermédio de um processo de Impeachment, realizado
pelo poder legislativo, Câmara e Senado, e presidido pelo Presidente do Supremo
Tribunal Federal! Tudo bem, o processo de Impeachment é previsto pela Constituição,
mas é um processo político, e dolorosíssimo para a nação. Por que é que digo que há
ambiguidade nessa submissão do judiciário à política? Pelo simples fato de que você
tira do cargo um Presidente eleito pelo voto popular de cinquenta e três milhões de
cidadãos, e não consegue retirar um ministro do Supremo Tribunal Federal do cargo!
Não é ambíguo e assustador isso? Não é estranho, para usar a linguagem de um deles,
do primo do Collor, Marco A. Mello, que costuma dizer que “vivemos tempos
estranhos”. Estranho por culpa dele! É ou não é ambíguo, escandalosamente estranho!
Basta ver as várias denúncias contra alguns ministros do STF, e a quantidade de pedidos
de impeachment de alguns deles protocolados no Senado Federal que, sequer são
discutidos! Vão para a lata do lixo! Um ministro do STF no Brasil é intocável, um Deus
acima do bem e do mal. Alguns ministros do Supremo comportam-se como se não
devessem prestar contas a ninguém, a ninguém mesmo. E não prestam mesmo! O
Senado simplesmente fecha os olhos para as acusações.

   Está claro que parte do STF e do Senado agem de comum acordo, numa troca de
favores, tipo assim: “Eu não os investigo e vocês não nos prendem”. Horrível, altamente
destrutivo isso! A coisa ficou mais forte ainda depois da votação da chamada PEC da
Bengala, em que o Senado aumentou de 70 anos para 75 anos, a idade de aposentadoria
dos ministros do STF, que gerou efeito cascata para a magistratura em geral e para
outras categorias do serviço público. Estranho, muito estranho isso!!

   Na verdade, toda essa história é um pacto silencioso para que o Brasil permaneça “O
país do futuro”, um futuro que nunca chega. O título que merecemos é o de País Mais
Injusto do Mundo, em que um grupo de pouco mais de mil pessoas controlam a vida de
mais de 210 milhões de pessoas. “A prostituta Amarela”, o dinheiro de que fala
Shakespeare em Tímon de Atenas está por trás de toda essa desgraça! Porque essa
prostituta “Vai dar lugar aos ladrões, fazendo-os sentar no meio dos senadores (e dos
juízes) com títulos, genuflexões e elogios...”. O Brasil que se lasque! O que mais
podemos dizer!?

     Autor: Theófilo Silva é escritor Shekespereano e analista político

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Ela entrou, deitou-se no divã e disse: "Acho que estou ficando louca". Eu fiquei em silêncio aguardando que ela me revelasse os sinais da sua loucura. "Um dos meus prazeres é cozinhar. Vou para a cozinha, corto as cebolas, os tomates, os pimentões , é uma alegria! Entretanto...   "   (continua)


  •    Sou, com frequencia, chamado a fazer palestras para turmas de formandos. Orgulha-me poder orientar jovens em seus primeiros passos profissionais. Há uma palestra que alguns podem conhecer já pela web, mas queria compartilhar seus fundamentos com os leitores da coluna.   (continua)


  •     Texto de Marina Colasanti na voz de Juca de Oliveira.
       "Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia. A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E porque não tem vista, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas.   (continua)


  •    “E no meio dessa confusão alguém partiu sem se despedir; foi triste. Se houvesse uma despedida talvez fosse mais triste, talvez tenha sido melhor assim, uma separação como às vezes acontece em um baile de carnaval, uma pessoa se perde da outra, procura-a...   (continua)


  •    Você está feliz com o que você ganha? Ou você está feliz, porque você ganha mais do que seu vizinho? Pesquisadores da Universidade de Warwick e Cardiff, ambas da Grã-Bretanha, descobriram que o dinheiro só traz felicidade se ao mesmo tempo...   (continua)


  •    A lista de mortos da gente vai aumentando com o tempo. Quando eu era pequena não tinha noção desse morre e nasce. Mesmo porque ninguém meu morria. Tudo tinha um quê tão definido de eternidade, tudo durava tanto e a vida não faltava; a vida era pontual como...   (continua)


  •    O cinismo nasceu idealista, otimista mesmo. Na Grécia Antiga, o cinismo começou como corrente filosófica que pregava que o propósito da vida era viver na virtude, de acordo com a natureza. Seus praticantes eram chamados de cínicos. Os cínicos gregos...   (continua)


  •    Você já parou para pensar no autoengano? Todos nós estamos familiarizados, de uma forma ou de outra, com as mentiras. Alguns são mais corajosos e admitem que são capazes de mentir, outros não admitem essa fraqueza.   (continua)


Copyright 2011-2018
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília