Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Amar - Carlos Drummond de Andrade, por Marília Pêra

Enviado por Gilberto Godoy

   Uma homenagem a Marília Pêra, uma mulher que fez a diferença!

"Que pode uma criatura senão,
entre criaturas, amar?
amar e esquecer, amar e malamar,
amar, desamar, amar?
sempre, e até de olhos vidrados, amar?
Que pode, pergunto, o ser amoroso,
sozinho, em rotação universal, senão
rodar também, e amar?
amar o que o mar traz à praia,
o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha,
é sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?
Amar solenemente as palmas do deserto,
o que é entrega ou adoração expectante,
e amar o inóspito, o áspero,
um vaso sem flor, um chão de ferro,
e o peito inerte, e a rua vista em sonho,
e uma ave de rapina.
Este o nosso destino: amor sem conta,
distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas,
doação ilimitada a uma completa ingratidão,
e na concha vazia do amor à procura medrosa,
paciente, de mais e mais amor.
Amar a nossa falta mesma de amor,
e na secura nossa, amar a água implícita,
e o beijo tácito, e a sede infinita."

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Publicamos ontem os 20 melhores poemas do século XX de acordo com este blog. Neste post os 80 poemas restantes para a lista dos 100 melhores do século XX.
      21º Jubileu, de Vladímir Maiakóvski (1893-1930) – Nascido na Geórgia, Maiakóvski foi um entusiasta da Revolução Russa, enfrentando o desafio de...  (contnua)


  •    São muitas as listas e a controvérsia é grande quanto aos melhores poemas do século XX. Este blog fica com a listagem a seguir:
      1º Tabacaria, de Fernando Pessoa (1888-1935), sob o heterônimo de Álvaro de Campos – O poeta português é autor da mais original criação poética deste século...  (continua)


  • “Somos diferentes, tu e eu.
    Tens forma e graça e a sabedoria de só saber crescer até dar pé.
    Eu não sei onde quero chegar e só sirvo para uma coisa que não sei qual é!
    És de outra pipa e eu de um cripto.
    Tu, lipa
    Eu, calipto.
    (continua)


  • Tira-me o pão, se quiseres, 
    tira-me o ar, mas 
    não me tires o teu riso.
    (continua)


  • "Sete anos de pastor Jacob servia
    Labão, pai de Raquel, serrana bela;
    Mas não servia ao pai, servia a ela,
    E a ela só por prémio pretendia.
    (continua)


  • "Quem passou pela vida em branca nuvem
    E em plácido repouso adormeceu;
    Quem não sentiu o frio da desgraça..." (continua)


  •    Mário Quintana nos explica o que são os poemas. Os poemas [Esconderijos do tempo, 1980]. Coisa linda! O vídeo é uma trecho do programa Papo Literário, da TV Ceará. A narração é de Lana Soraya.


  •      Alma de rouxinol, alma da gente…
       Florbela Espanca e sua poesia profunda: Alma perdida [Livro de Mágoas, 1919]. A narração é de Miguel Falabella.


  • Eis que morrestes – agora já não bate
    O vosso coração cujo bater
    Dava ritmo e esperança ao meu viver
    Agora estais perdidos para mim
    - O olhar não atravessa esta distância – 
    Nem irei procurar-vos pois não sou...
    (continua)


  • "Se a treva fui, por pouco fui feliz.
    Se acorrentou-me o corpo, eu o quis.
    Se Deus foi a doença, fui a saúde.
    Se Deus foi o meu bem, fiz o que pude...
    (continua)


  •    O dia 31 de outubro, data em que Carlos Drummond de Andrade completaria mais um ano, o Instituto Moreira Salles propõe a criação do “Dia D”, dedicado ao poeta. Assim como o Bloomsday, que comemora em 16 de junho a vida e obra de James Joyce na Irlanda, este  seria dedicado a Drummond.   (continua)


  •    Segundo poema da série “Poemas musicados”, Circuladô de Fulô é um dos 15 textos que compõem Galáxias, de Haroldo de Campos. Foi o resultado de uma viagem que fez por várias cidades do Nordeste na volta de uns tempos na Europa. É o seu olhar sobre as…   (continua)


Copyright 2011-2018
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília