Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Contingências de reforço não geram robôs... - JC Todorov

Enviado por Gilberto Godoy
contingencias-de-reforco-nao-geram-robos-------jc-todorov

   Título completo: Contingências de reforço não geram robôs: múltiplas influências garantem variabilidade.

   A cultura na qual a pessoa nasce se compõe de todas as variáveis que a afetam e que são controladas por outras pessoas, escreveu Skinner em “Ciência e Comportamento Humano”. A cultura, nesse sentido, é enormemente complexa e extraordinariamente poderosa. Mas não gera robôs. Além de cada pessoa ser geneticamente única, a variabilidade é garantida por múltiplas contingências em diversas situações, muitas vezes em conflito. Skinner cita o exemplo da criança que é filha de imigrantes e que convive com regras diferentes em casa e no grupo de amigos. As várias agências de controle, como família, escola, governo, por exemplo, cada uma delas controlada por diferentes variáveis, podem estar em conflito – e frequentemente estão. As relações condicionais ensinadas pelo grupo religioso que frequenta podem estar em conflito com as contingências em vigor na escola. E estas podem ser menos exigentes que as que vigoram no trabalho.


   Mas então o que significa dizer que a natureza humana é a mesma no mundo todo? A posição behaviorista explicitada por Skinner afirma que os processos comportamentais são os mesmos, ainda que as práticas culturais variem. As variáveis independentes são as mesmas, o que varia são as contingências sociais que prevalecem nas várias culturas. O capítulo 27 de “Ciência e Comportamento Humano” é dedicado ao tema Cultura e Controle, mostrando como diferentes ambientes, diferentes heranças genéticas, diferentes conjuntos de relações condicionais, levam ao desenvolvimento de cada pessoa como um indivíduo único.

     Fonte: blog do João Claúdio Todorov - http://jctodorov.blogspot.com.br/

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Uma entrevista não-publicada concedida por B. F. Skinner a Emilio Ribes-Iñesta em 25 de janeiro de 1990 com B. F. Skinner. Tradução: Emilio Ribes-Iñesta. 1) Por que você escolheu o modelo reflexo – radicalmente modificado – para formular a taxonomia e a metodologia fundamentais para o desenvolvimento de uma teoria sobre o comportamento?  Skinner: Eu fiquei interessado em reflexos após...    (continua)


  •      O conceito de macrocontingência foi proposto por Maria E. Malott e Sigrid S. Glenn para tratar de assuntos que envolvem comportamentos individuais que se tornam um problema social dependendo no número de pessoas que se comportam. Uma pessoa fumando pode passar despercebida em uma atividade pública, mas quando muitas fumam ao mesmo tempo o ar fica irrespirável.   (continua)


  •    Não é incomum que eu ouça de amigos e colegas reclamando de falta de tempo, ou sobre como eles gostariam de ter tempo para fazer outra coisa. Eu passei por uma situação similar a essa a alguns anos atrás quando estava me formando. Os meus professores passavam listas e mais listas bibliográficas, e em maioria eram sobre tópicos que não me interessavam.   (continua)


  •    Esta é uma lista de 50 documentários e vídeos de Psicologia, online e gratuitos disponíveis na internet, com um pequeno resumo de cada um deles. São documentários que tratam temas importantes da psicologia com alguns dos principais autores e teorias. Vale a pena conferir.   (continua)


  •      São tantas as possibilidades da sexualidade humana e as dúvidas, que resolvemos reproduzir um glossário importante para entender melhor o universo Trans, organizado pelo Correio Braziliense, com a ajuda da psicóloga Isabel Amora do Hospital Universitário de Brasília, HUB.   (continua)


  •    Na mensagem de natal dirigida a cardeais e bispos o Papa surpreendeu e fez críticas sem precedentes ao comportamento dos membros da Cúria. Inspirados pela crítica do Papa Francisco à Cúria Romana, aqui vão conselhos dirigidos apenas aos behavioristas amigos da internet (para não dizerem que me meti a Papa do behaviorismo):   (continua)


  •    A distinção entre reforçadores naturais e arbitrários é problemática em Análise do Comportamento e não há conformidade nos uso desses conceitos dentre os analistas do comportamento. Goldiamond, Ferster, Kohlenberg, Tsai entre outros defendem o uso de reforçadores naturais em detrimento dos arbitrários no contexto aplicado pelos...   (continua)


  •    Terapia comportamental pode ajudar pessoas em momentos especiais em que estão sentindo necessidade de solucionar problemas ou questões pessoais, e tem a necessidade de ajuda profissional efetiva.  Geralmente procuram o profissional por meio de indicações de amigos, colegas ou parentes. A procura na internet hoje também é muito comum.   (continua)


Copyright 2011-2018
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília