Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Contingências de reforço não geram robôs... - JC Todorov

Enviado por Gilberto Godoy
contingencias-de-reforco-nao-geram-robos-------jc-todorov

   Título completo: Contingências de reforço não geram robôs: múltiplas influências garantem variabilidade.

   A cultura na qual a pessoa nasce se compõe de todas as variáveis que a afetam e que são controladas por outras pessoas, escreveu Skinner em “Ciência e Comportamento Humano”. A cultura, nesse sentido, é enormemente complexa e extraordinariamente poderosa. Mas não gera robôs. Além de cada pessoa ser geneticamente única, a variabilidade é garantida por múltiplas contingências em diversas situações, muitas vezes em conflito. Skinner cita o exemplo da criança que é filha de imigrantes e que convive com regras diferentes em casa e no grupo de amigos. As várias agências de controle, como família, escola, governo, por exemplo, cada uma delas controlada por diferentes variáveis, podem estar em conflito – e frequentemente estão. As relações condicionais ensinadas pelo grupo religioso que frequenta podem estar em conflito com as contingências em vigor na escola. E estas podem ser menos exigentes que as que vigoram no trabalho.


   Mas então o que significa dizer que a natureza humana é a mesma no mundo todo? A posição behaviorista explicitada por Skinner afirma que os processos comportamentais são os mesmos, ainda que as práticas culturais variem. As variáveis independentes são as mesmas, o que varia são as contingências sociais que prevalecem nas várias culturas. O capítulo 27 de “Ciência e Comportamento Humano” é dedicado ao tema Cultura e Controle, mostrando como diferentes ambientes, diferentes heranças genéticas, diferentes conjuntos de relações condicionais, levam ao desenvolvimento de cada pessoa como um indivíduo único.

     Fonte: blog do João Claúdio Todorov - http://jctodorov.blogspot.com.br/

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •      Marcus Bentes de Carvalho Neto, Universidade Federal do Pará

       Há diversas práticas culturais envolvidas no que se convencionou chamar de “Psicologia Comportamental” ou simplesmente de “Behaviorismo”. O presente trabalho desenvolve o argumento de Tourinho (1999), em favor de uma classificação onde a Análise do Comportamento seria a área mais... (continua)


  •     Nilza Micheletto e Tereza M.A. Pires Sério, Pontifícia Universidade Católica de SP.
       Uma antiga e bastante difundida crítica ao behaviorismo radical de Skinner refere-se à concepção de homem que estaria implícita nesta perspectiva. Parece ser primordialmente com esta crítica que Skinner se preocupa em About Behaviorism (1974/1976) e as diversas...    (continua)


  •    É muito frequente o questionamento sobre autoconhecimento. O que é, como se faz para aumentar o nosso potencial de nos conhecermos melhor, entre outras coisas. O texto a seguir, de Débora Dias, ajuda bastante a compreensão do tema.   (Continua)


  •    “Todo comportamento, acredito, é modelado por contingências. Atendemos a conselhos e seguimos regras por causa das conseqüências reforçadoras que se seguiram quando assim agimos no passado. Mas o comportamento indicado pelo conselho ou pelas regras tem outras conseqüências.   (continua)


  •    Em 2004 uma equipe de médicos de Taiwan informou sobre o caso de uma mulher de 41 anos que atingia o orgasmo a cada vez que escovava os dentes. Nenhuma outra atividade ou variante, como escovar sem pasta ou tocar os dentes com a mão, disparava o efeito. Os médicos descobriram que a causa estava em...   (continua)


  •    Existem muitas coisas erradas com o mundo hoje, mas elas não perturbam a todos. Superpopulação, esgotamento e poluição do meio ambiente, e até mesmo a possibilidade de uma guerra nuclear são freqüentemente desconsiderados como se forem assuntos para um futuro razoavelmente distante. Pobreza, doença e violência são problemas atuais, mas não para todos.   (continua)


  •    A história do comportamento humano, se considerarmos o início com a origem da vida na terra, é possivelmente superada em amplitude apenas pela história do universo. Assim como o astrônomo e o cosmologista, o historiador trabalha apenas com a reconstrução do que pode ter acontecido, ao invés de revisar os fatos registrados.   (continua)


  •    Muita gente ensinou… Muita gente aprendeu… que as sessões de terapia têm uma lógica. Como uma história que tem começo, se desenvolve e avança para um desfecho. Dentro dessa perspectiva, o terapeuta deve conduzir o enredo, dar-lhe coerência e significado e manter o curso encadeado da vida...   (continua)


Copyright 2011-2018
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília