Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Momento dramático na Ópera de Roma

Enviado por Gilberto Godoy

   No dia 12 de março de 2011, a Itália festejava os 150 anos da sua unificação, ocasião em que a Ópera de Roma apresentou a ópera  Nabuco de Verdi, símbolo da unificação do país, que invoca a escravidão dos Judeus na Babilónia, uma obra não só musical mas, também, política à época em que a Itália estava sujeita ao império dos Habsburgos (1840).

   Sylvio Berlusconi assistia, pessoalmente, à  apresentação, que era dirigida pelo maestro Ricardo  Mutti. Antes da apresentação o prefeito de Roma, Gianni  Alemanno - ex-ministro do governo Berlusconi, discursou, protestando contra os  cortes nas verbas da cultura, o que contribuiu para politizar o  evento. 

   Como Mutti  declararia à TIME, houve, logo de início, uma ovação incomum, clima que se transformou numa atmosfera de tensão quando se iniciaram os acordes do coral «Va  pensiero» o famoso hino contra a dominação.

   Há situações que não se podem descrever, mas  apenas sentir; o silêncio absoluto do público, na expectativa do hino; clima que se transforma em fervor aos primeiros acordes do mesmo; a reação visceral do  público quando o coro entoa - 'Ó minha pátria, tão bela e  perdida'.

    Ao terminar o hino os aplausos da platéia  interrompem a ópera e o público manifestou-se com gritos de «bis», « viva  Itália», «viva Verdi». Das galerias são lançados papéis com mensagens  políticas.  

   Não sendo usual bisar durante uma ópera, e  embora Mutti já o tenha feito uma vez em 1986, no teatro La Scala de Milão, o  maestro hesitou pois, como ele depois disse: «não cabia um simples bis; havia de ter um propósito particular».

   Dado que o público já havia revelado o seu  sentimento patriótico, o maestro voltou-se no púlpito e encarou o público e o  próprio Berlusconi.
Fazendo-se silêncio, pronunciou-se da seguinte forma, e reagindo a um grito de «longa vida à Itália», disse  RICCARDO MUTTI:

   «........Sim, longa vida à Itália mas ... [aplausos]. Já não tenho 30 anos e já vivi a minha vida, mas como um italiano que percorreu o mundo, tenho muita mágoa do que se passa no meu país. Portanto aquiesço ao vosso pedido de bis para o Va Pensiero. Isto não se deve apenas à alegria patriótica que senti em todos, mas porque nesta noite, enquanto eu dirigia o coro que cantava 'Ó meu pais, belo e perdido', eu pensava que, a continuarmos assim, mataremos a cultura sobre a qual assenta a história  da Itália. Neste caso, a nossa pátria, será verdadeiramente 'bela e perdida.
(aplausos retumbantes, incluindo os dos artistas em palco)

   Reina aqui um 'clima italiano'; eu, Mutti, falei para surdos durante longos anos, gostaria agora.... nós deveríamos dar sentido à este canto; como estamos em nossa casa, o teatro da capital, e com um coro que cantou magnificamente, e que é magnificamente acompanhado, se for de vosso agrado, proponho que todos se juntem a nós para  cantarmos juntos.... "A tempo"...» Foi assim que Mutti convidou o público a cantar  o Coro dos Escravos.

   O público levantou-se. Toda a ópera de Roma se levantou... O coro também se levantou. Foi um momento magnífico na ópera! Vê-se, também, o pranto  dos artistas. Aquela noite não foi apenas uma apresentação do  Nabuco mas, sobretudo, uma declaração do teatro da capital dirigida aos  políticos. Momento sublime! Vale a pena assistir.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Gioconda Gordon - Gazeta Mercantil
       O título do livro do sociólogo polonês Zigmunt Bauman é sugestivo e, sobretudo, apropriado para um sentimento que não se submete docilmente a definições. Professor emérito de sociologia nas Universidades de Varsóvia e de Leeds, na Inglaterra...   (continua)


  •    Investigador norte-americano criou mapa animado que sintetiza manifestações de todo o mundo ao longo de mais de três décadas. Calcanhar de Aquiles: só reúne protestos noticiados. O Brasil, um dos colossos da geografia mundial, é um dos países mais...   (continua)


  •    Os brasileiros, em geral, acham que o mundo todo presta, menos o Brasil. Realmente parece que é um vício falar mal do Brasil. Todo lugar tem seus pontos positivos e negativos, mas no exterior eles maximizam os positivos, enquanto no Brasil se maximizam os negativos.   (continua)


  •    Um retrato da sociedade atual. A Psicologia do consumo está aí, quase no mundo todo, como um 'elemento central do estilo de vida.'  É preciso estar atendo e forte! Afinal, "status é você comprar uma coisa que você não quer, com dinheiro que você não tem, pra mostrar pra quem você nem gosta, uma aparência que você não é."   (veja o vídeo)


  •    José Datrino, nasceu na cidade de Cafelândia, São Paulo. Teve uma infância árdua trabalhando com a terra e com animais. Para ajudar a família, puxava carroça vendendo lenha nas proximidades. Desde cedo aprendeu a amar, respeitar e agradecer à natureza...   (continua)


  •    Existe coisa mais melancólica do que uma mesa de quatro pessoas, num restaurante, em que três estão dedilhando seus smartphones e uma está falando sozinha?   (continua)


  •       Rodolpho Motta Lima via blog Luis Nassif Online
       O conceito de Aldeia Global, criado na década de 60 por McLuhan, fundamentou, desde então , uma nova visão do mundo, cada vez mais reafirmada, nos tempos de hoje, a partir das...   (continua)


  •    As redes sociais são a próxima fronteira das ciências sociais. Essa nova disciplina (ciências sociais aplicadas às redes sociais) já tem um nome: física social. O termo "física social" data do Iluminismo do século 18 e era um projeto de uma ciência do humano à semelhança da...   (continua)


Copyright 2011-2018
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília