Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O Eterno Shakespeare - Theófilo Silva

Enviado por Gilberto Godoy
o-eterno-shakespeare---theofilo-silva


     Saiu mais uma biografia de Shakespeare, ela vem juntar-se as milhares de obras, livros e teses escritas sobre ele e seu teatro, todos os anos, em praticamente todos os idiomas e lugares da terra onde se lê e escreve. Não sabemos precisar quantas biografias de Shakespeare já foram escritas, tantos são os que se dedicam a especular sobre como foi a vida do maior dos dramaturgos.

     Seus apaixonados leitores, quase devotos, mergulham no passado para tentar desvendar a época em que o Bardo viveu e, descobrir, como foi possível, alguém criar mais de mil e duzentos personagens, utilizar um vocabulário de mais de vinte e uma mil palavras – das quais, mais de duas mil são de sua inteira criação – e desafiar o tempo, “a evolução do mundo”, com suas peças, em cartaz em todos os teatros e cinemas do mundo.

     Entre as milhares de obras escritas sobre ele em 2011, não estou exagerando – em 2011 as três melhores que li, foram: “1599 Um Ano na Vida de William Shakespeare”, de James Shapiro: “As Guerras de Shakespeare”, por Ron Rosembaum, e uma biografia, por Stephen Greenblat.

     Shakespeare fez questão de apagar seus rastros, não deixando muitas pistas sobre sua vida pessoal. Mas, mesmo que saibamos pouco sobre ele, é ainda o mais documentado escritor entre seus contemporâneos. Isso acabou fazendo que alguns tolos e excêntricos duvidassem de sua existência. Mas esse grupo de pessoas é o mesmo que acredita que Hitler fugiu para a Argentina e que o homem não foi à lua.

     Desses três livros, talvez o melhor deles seja o de James Shapiro. Em sua obsessão por desvendar o gênio do Bardo, Shapiro fez uma trabalho de enorme fôlego. Ele passou dez anos lendo todos os livros publicados na Inglaterra em 1599, que chegaram até nós, com o objetivo de encontrar marcas de Shakespeare. Acrescentou muito pouco, mas se trata de um livro instigante. Já, Greemblat é “tão doente” que chegou ao ponto de reescrever uma peça perdida (Cardênio), sobre a qual nada sabemos.

     O livro “As Guerras de Shakespeare” não tem nada a ver com batalhas nem guerras. É sobre as brigas de egos entre os estudiosos do genial inglês espalhados pelo mundo. O livro envolve editores e pesquisadores, que discutem, até mesmo, uma única letra impressa erradamente por algum tipógrafo que imprimiu suas peças. Já o livro de Stephen Greenblat – o famoso criador da escola do “new historicism”, uma espécie de revolução na crítica literária – é uma biografia, que procura contar as lacunas na vida do Bardo a partir dos costumes e acontecimentos da época.

     Foi Sherlock Holmes - Conan Doyle, claro – que disse: “Eu passo a minha vida tentando escapar das coisas banais e corriqueiras”. Gosto dessa frase, acho que ela se encaixa com o pensamento inquieto do “homem de mil almas”. Shakespeare é o contraponto a mesmice, vulgaridade e a mediocridade. Sua profundidade nos faz orgulhosos de sermos seres humanos. Ele nos torna sublimes.

     Dentre os muitos elogios feitos a ele por gênios de várias áreas do conhecimento, em todas as épocas, cito a de Ralph Waldo Emerson, ensaísta americano: ”É possível para um homem muito inteligente se aninhar na cabeça de Platão e pensar de lá. Mas ninguém pode fazer o mesmo com Shakespeare”. Como se tivessem parodiando Emerson, muitos homens de gênio ao longo do tempo – assim fizeram Bismarck, Freud, Victor Hugo... – procuraram, e ainda procuram entrar em sua cabeça e descobrir como esse homem misterioso pensava. Como se conhecer sua mente lhes desse a capacidade de revelar os segredos da alma humana. Já que nenhum outro homem descreveu tão bem o ser humano quanto ele.

     No próximo ano acrescentarei – já escrevi A Paíxão Segundo Shakespeare em 2009 – mais um tijolo (meu livro Shakespeare Indignado), a esse enorme muro que é a biblioteca de Shakespeare. Esse muro é, para mim, uma espécie de consolo, de refúgio – como é a Bíblia, vilipendiada e distorcida por espertalhões, para muitos – contra as injustiças e as mentiras que somos obrigados a engolir todos os dias.
Shakespeare é meu antídoto contra a pobreza moral, intelectual e espiritual que rodeia todos nós.

     Theófilo Silva é articulista colaborador da Rádio do Moreno

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Ela entrou, deitou-se no divã e disse: "Acho que estou ficando louca". Eu fiquei em silêncio aguardando que ela me revelasse os sinais da sua loucura. "Um dos meus prazeres é cozinhar. Vou para a cozinha, corto as cebolas, os tomates, os pimentões , é uma alegria! Entretanto...   "   (continua)


  •    Sou, com frequencia, chamado a fazer palestras para turmas de formandos. Orgulha-me poder orientar jovens em seus primeiros passos profissionais. Há uma palestra que alguns podem conhecer já pela web, mas queria compartilhar seus fundamentos com os leitores da coluna.   (continua)


  •     Texto de Marina Colasanti na voz de Juca de Oliveira.
       "Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia. A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E porque não tem vista, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas.   (continua)


  •    “E no meio dessa confusão alguém partiu sem se despedir; foi triste. Se houvesse uma despedida talvez fosse mais triste, talvez tenha sido melhor assim, uma separação como às vezes acontece em um baile de carnaval, uma pessoa se perde da outra, procura-a...   (continua)


  •    Você está feliz com o que você ganha? Ou você está feliz, porque você ganha mais do que seu vizinho? Pesquisadores da Universidade de Warwick e Cardiff, ambas da Grã-Bretanha, descobriram que o dinheiro só traz felicidade se ao mesmo tempo...   (continua)


  •    A lista de mortos da gente vai aumentando com o tempo. Quando eu era pequena não tinha noção desse morre e nasce. Mesmo porque ninguém meu morria. Tudo tinha um quê tão definido de eternidade, tudo durava tanto e a vida não faltava; a vida era pontual como...   (continua)


  •    O cinismo nasceu idealista, otimista mesmo. Na Grécia Antiga, o cinismo começou como corrente filosófica que pregava que o propósito da vida era viver na virtude, de acordo com a natureza. Seus praticantes eram chamados de cínicos. Os cínicos gregos...   (continua)


  •    Você já parou para pensar no autoengano? Todos nós estamos familiarizados, de uma forma ou de outra, com as mentiras. Alguns são mais corajosos e admitem que são capazes de mentir, outros não admitem essa fraqueza.   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília