Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O Teatro Mágico: longe da crítica, perto do público

Enviado por Gilberto Godoy

     O Teatro Mágico (TM) é um grupo musical brasileiro formado em 2003 na cidade de Osasco, São Paulo, criado por Fernando Anitelli. O TM é um projeto que reúne elementos do circo, do teatro, da poesia, da música, da literatura, da política e do cancioneiro popular tornando possível a junção de diferentes segmentos artísticos numa mesma apresentação.

     O Teatro Mágico foi criado por Fernando Anitelli, ator, músico e compositor das canções do show. A equipe que o acompanha, foi formada em dezembro de 2003 por amigos e artistas que acreditaram no projeto. Trabalha sem apoio de gravadoras ou campanhas midiáticas, alegando-se independentes. Já participaram de eventos patrocinados pelo poder público, como o Governo Federal e a Prefeitura de São Paulo.
 
     Possui três álbuns de estúdio: Entrada para Raros, O Segundo Ato e A Sociedade do Espetáculo.
 
     A filosofia da trupe passa por construir sua participação na formação e diretriz do movimento Músicas Para Baixar(MPB) - comprometido com a defesa do livre compartilhamento de arquivos musicais via internet e flexibilização do direito autoral, que conta com adesão de artistas e músicos preocupados com a questão da censura na web.
 
     Inspiradas nas obras de Hermann Hesse, escritor alemão ganhador do Prêmio Nobel de Literatura que apresentou o conceito de teatro mágico em seu livro O Lobo da Estepe, as composições tratam dos personagens que as pessoas precisam assumir nas diversas situações do cotidiano. As canções vão sendo intercaladas pelo traçado tecnológico de ruídos telefônicos, sinais de rádio e mensagens de voz. Os integrantes da trupe se apresentam maquiados e vestidos de palhaço, que trazem a ideia do "personagem interno" escondido em cada um de nós.
 
     Apesar de envolver várias expressões artísticas, a linguagem musical e cênica é popular e acessível para todo tipo de público, independente de idade e classe social.
 
     Embalando todas as canções, destacam-se: violões, violino, guitarra, baixo, percussão, flauta, DJs, gaita, xilofone, bateria, bandolim e sonoplastia. São 10 músicos e 3 artistas circenses, e algumas participações esporádicas como a da percussionista Simone Soul (Funk Como Le Gusta) e de alguns músicos do grupo pernambucano Cordel do Fogo Encantado, que também participaram da gravação do CD.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •     Um teatro diferente, criativo e performático. Theater Heilbronn: Willi Dorner - corpos em espaços urbanos. 


  •         Uma trupe que valoriza a poesia cantada. Assim é o Teatro Mágico, pouco divulgado pela mídia de massa. Letras com nexo marcam o trabalho deste ótimo grupo.

    "No nosso livro a nossa história é faz de conta, ou é faz acontecer!"



  •       Além de ser uma linda 'obra de arte do teatro', também é um exercício de conscientização social. Belíssima! 


  •    "Nabucco" é uma ópera em quatro atos do grande Giuseppe Verdi, com libreto de Temistocle Solera, escrita em 1842. A ação da ópera conta a história do rei Nabucodonosor da Babilônia. Esta ópera foi escrita durante a época da ocupação austríaca no norte da Itália e, por meio da várias analogias, suscitou o sentimento nacionalista italiano.   (continua)


  •    La Carlotta (Minnie Driver) é a diva de uma conceituada companhia teatral, que é responsável pelas óperas realizadas em um imponente teatro. Temperamental, La Carlotta se irrita pela ausência de um solo na nova produção da companhia e decide abandonar os ensaios.   (continua)


  •    Um famoso aniversariante do mês de abril acabou influenciando a veia cômica de Nigel, a cacatua vilã da animação “Rio 2”, há algumas semanas em cartaz nos cinemas. Depois de ter se dado mal no filme anterior, a ave desta vez encarna o espírito elisabetano para citar, em diversas momentos do longa, textos famosos de William Shakespeare, como Romeu e Julieta e Hamlet.   (continua)


  •      A peça Cheiro de Céu, em cartaz no Espaço Parlapatões, em São Paulo, é ótima para ser indicada a pessoas que costumam dizer que não gostam de teatro.
          A peça é uma comédia deliciosa de Mário Viana que, ao propor uma trama clássica, como são as comédias de William Shakespeare, consegue unir modernidade e tradição. Dirigida por Norival Rizzo, conta uma história que se passa em um reino medieval, mas bem revestida por um humor contemporâneo.   (continua)


  •     

           Uma produção grandiosa e refinada. Gracias Giuseppe Verdi.


Copyright 2011-2018
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília