Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Soneto de véspera - Vinícius de Moraes

Enviado por Gilberto Godoy
soneto-de-vespera---vinicius-de-moraes

Quando chegares e eu te vir chorando
De tanto te esperar, que te direi?
E da angústia de amar-te, te esperando
Reencontrada, como te amarei?

Que beijo teu de lágrimas terei
Para esquecer o que vivi lembrando
E que farei da antiga mágoa quando
Não puder te dizer por que chorei?

Como ocultar a sombra em mim suspensa
Pelo martírio da memória imensa
Que a distância criou - fria de vida

Imagem tua que eu compus serena
Atenta ao meu apelo e à minha pena
E que quisera nunca mais perdida...

Oxford, 1939.

      http://www.viniciusdemoraes.com.br/site/


     O soneto é uma composição poética constituída por 14 versos, distribuídos, segundo o modelo petrarquiano (também chamado "soneto italiano"), em 2 quadras e 2 tercetos, as primeiras apresentando duas ordens de rimas e estes últimos duas ou três ordens. O esquema rimático mais freqüente é:

     a b b a / a b b a / c d c / c d c Tudo leva a crer que o soneto foi criado no século XIII, pelas mãos do poeta siciliano Giacomo de Lentino, em Palermo. O primeiro grande nome ligado ao soneto é o de Dante, devendo-se a outro mestre da poesia, Petrarca, a consolidação e a difusão do modelo. Em Portugal, o soneto teve como seu primeiro cultor o poeta Sá de Miranda. Camões dedicou-se amplamente ao soneto, alcançando com ele alguns dos mais altos momentos da literatura universal de todos os tempos.

     No Brasil seiscentista, Gregório de Matos empregou o soneto tanto para a lírica sacra e amorosa quanto para a satírica. Adiante, Cláudio Manuel da Costa firmou-se como sonetista de grande valor, ajudando a fortalecer uma tradição que daria nomes como Olavo Bilac e Cruz e Sousa, entre outros. Num primeiro momento, os modernistas se voltaram contra o soneto, atitude inserida num amplo programa de ruptura com a "fôrma" das formas fixas e dos padrões poéticos tradicionais.

     No entanto, depois de instalado o verso livre e conquistadas tantas outras liberdades nos níveis da estruturação e do conteúdo, poetas como Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade retornaram ao soneto. Vinicius de Moraes consolidou-se como grande sonetista da moderna literatura brasileira e ajudou a popularizar a forma. O soneto também pode ser estruturado em três quartetos e um dístico, sendo chamado então "soneto inglês".

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  • “Quem bate à minha porta não me busca.
    Procura sempre aquele que não sou
    e, vulto imóvel atrás de qualquer muro,
    é meu sósia ou meu clone, em mim oculto...
    (continua)


  •      "A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
         Quando se vê, já são seis horas!
         Quando de vê, já é sexta-feira!
         Quando se vê, já é natal...
         Quando se vê, já terminou o ano...
             (continua)


  • O meu olhar é nítido como um girassol.
    Tenho o costume de andar pelas estradas
    Olhando para a direita e para a esquerda,
    E de vez em quando olhando para trás...

    (continua)


  • Senhor, fazei com que eu aceite
    minha pobreza tal como sempre foi.
    Que não sinta o que não tenho.
    Não lamente o que podia ter
    e se perdeu por caminhos errados
    e nunca mais voltou.
    (continua)


  • - O tempo é um ponto de vista dos relógios.
    - A modéstia é a vaidade escondida atrás da porta.
    - Se a casa é para morar, por que a porta da casa se chama porta da rua?
    - A esperança é um urubu pintado de verde. O vento assovia de frio.   (continua)


  • Aprende - lê nos olhos,
    lê nos olhos - aprende
    a ler jornais, aprende:
    a verdade pensa
    com tua cabeça.

    (continua)


  • "Amanhecemos com os olhos no amanhã
    E o dia é hoje ...
    Anoitecemos com os sonhos de ontem
    E a noite é hoje ...
    E de tanta falta de sintonia
    De tanta busca e farta agonia..."
    (continua)


  •      Uma homenagem a Marília Pêra, uma mulher que fez a diferença!

    "Que pode uma criatura senão,
    entre criaturas, amar?
    amar e esquecer, amar e malamar,
    amar, desamar, amar?
    (continua)


Copyright 2011-2019
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília