Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Uma nação de cínicos - Elton Simões

Enviado por Gilberto Godoy
uma-nacao-de-cinicos---elton-simoes

   O cinismo nasceu idealista, otimista mesmo. Na Grécia Antiga, o cinismo começou como corrente filosófica que pregava que o propósito da vida era viver na virtude, de acordo com a natureza. Seus praticantes eram chamados de cínicos.

   Os cínicos gregos, sendo idealistas e radicais, consideravam a virtude como a única condição necessária para a felicidade. Viam a virtude como ferramenta única requerida para alcançar a felicidade. Negligenciavam tudo que não promovesse a perfeição da virtude.

   Para ser cínico daquela época, palavras não bastavam. Abraçar o modo de vida cínico era exigência fundamental e consistente com a busca da virtude. Para eles a virtude residia, sobretudo, em conduta moral irrepreensível. Conquistas materiais e aparência exterior eram supérfluas, e, por supérfluas, não eram parte da virtude.

   Não se sabe exatamente a razão, se é que existiu uma só. Talvez fosse um mecanismo de defesa contra as inevitáveis frustrações. Talvez porque a distancia entre seus ideais e a realidade lhes fosse tão desfavorável. O fato é que os cínicos se tornaram críticos ácidos e implacáveis do comportamento da sociedade em que estavam inseridos.

   De critica em critica, ou de frustração em frustração, o cinismo foi cedendo em expectativa e crescendo em amargura. Virou aquilo que conhecemos e reconhecemos hoje. Reduziu-se apenas a atitudes de desdém negativo ou cansado, manifestada na desconfiança geral quanto à integridade ou motivos professos dos seres humanos. Transformação dramática para uma corrente filosófica que em sua origem destacava a busca obsessiva da virtude e da perfeição moral.

   Talvez estejamos, nestes dias, em um dilema moral semelhante. Diante da aparente falta de mudança; em face da evidente degradação ética; confrontados com a inutilidade aparente da coerência; e afrontados cotidianamente por insulto à inteligência e ao bom senso, cresce a descrença. Floresce a frustração. Vem a desilusão.

   E assim, em cada passo; em cada desilusão; em cada frustração, a esperança morre um pouco em lenta agonia. Como lodo, o desdém negativo e cansado brotando nas paredes do coração de cada um. Até o ponto em que, finalmente, emerge uma nação de cínicos.

      Fonte: blog do Noblat
     Elton Simões mora no Canadá. Formado em Direito (PUC); Administração de Empresas (FGV); MBA (INSEAD), com Mestrado em Resolução de Conflitos (University of Victoria). E-mail: esimoes@uvic.ca

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •        "Acontece que o Conde Matarazzo estava passeando pelo parque. O Conde Matarazzo é um Conde muito velho, que tem muitas fábricas. Tem também muitas honras. Uma delas consiste em uma preciosa medalhinha de ouro que o Conde exibia à lapela, amarrada a uma fitinha. Era uma condecoração (sem trocadilho).   (continua)


  •    Existem coisas que nunca esquecemos, os cheiros é uma delas. Inúmeras vezes nos deparamos com um cheiro e ele nos remete a lembranças remotas ou não. No início de 2010 li “Os Cheiros” escrito por Danuza Leão, tirei a página da revista e sempre voltava a lê-lo.   (continua)


  •    O título parece complicado, mas não é. Metáforas são figuras de linguagem que substituem uma coisa por outra. São indispensáveis na expressão da vida. Por exemplo: o coração, que é um órgão do corpo humano passível de cirurgia, palpitação e substituição, é uma metáfora do amor...   (continua)


  •    Uma mulher espalhou uma fofoca sobre uma certa pessoa que ela não conhecia bem, mas a invejava. Alguns dias depois, o bairro inteiro sabia a história. A pessoa que foi alvo da fofoca ficou indignada e muito ofendida. Mais tarde, a mulher que espalhou o boato descobriu que era...   (continua).


  •    Endureçamos a bondade, amigos. Ela também é bondosa, a cutilada que faz saltar a roedura e os bichos: também é bondosa a chama nas selvas incendiadas para que os arados bondosos fendam a terra. Endureçamos a nossa bondade, amigos. Já não há pusilânime de...   (continua)


  •    Assisti a uma reportagem no programa Fantástico, da TV Globo, que além de ter me emocionado bastante, mostrou uma experiência insólita, rara e belíssima. Um garoto de oito anos, de uma cidade dos Estados Unidos, ganhou um prêmio em sua escola, de mil dólares. Poderia ter...   (continua)


  •    Mexo em textos antigos, e encontro um que me dá sentimentos dúbios, uma espécie de alegria melancólica, como se fosse um reencontro fugaz com uma pessoa querida. Você quer segurá-la, mas ela tem que partir. O tema era papai, e mamãe ainda vivia. Engraçado como...   (continua)


  •    Que se passa para nós no domínio musical? Devemos em primeiro lugar aprender a ouvir um motivo, uma ária, de uma maneira geral, a percebê-lo, a distingui-lo, a limitá-lo e isolá-lo na sua vida própria; devemos em seguida fazer um esforço de boa vontade —   (continua)
     


Copyright 2011-2017
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: iDev Web