Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Chutando a história - Saul Leblon

Enviado por Gilberto Godoy
chutando-a-historia---saul-leblon

   Da Carta Maior via Blog Luis Nassif Online

   Ninguém sabe ao certo o que vai predominar em 2012: se a lenta recuperação norte-americana, refletida numa queda de 9,6% para 8,5% do desemprego em 2011, ou o mergulho sem fim do sistema econômico europeu. O certo é que a busca por chão firme fará no comércio internacional um espaço de luta cada vez mais impiedoso. O mercado interno brasileiro é um dos mais cobiçados.

   O país que sobreviveu bem à primeira etapa da crise precisa se preparar para não morrer na praia. Sua indústria acumula um déficit comercial da ordem de U$S 80 bilhões nos últimos dois anos. Saudada pela ortodoxia como incentivo à competitividade, a importação desabrida de manufaturas ajuda a controlar a inflação. Mas tem um custo alto menos visível: a produção nacional perde força e espaço no seu próprio mercado e isso acarreta um ônus em emprego e renda preocupante.

     Em novembro de 2011 - último dado - o desempenho do setor fabril foi 2,5% inferior ao de igual mês em 2010. Cadeias industriais estão sendo corroídas pela concorrência externa, sobretudo a chinesa. O câmbio é o principal vilão. A enxurrada de dólares atraída pelo juro alto barateia importações a ponto de sufocar a manufatura local. Há também defasagem tecnológica. Mas ela não explica, por exemplo, a asfixia do setor têxtil, que tem padrão técnico equivalente à ponta internacional. Ou, como lembra o palmeirense Luiz Gonzaga Belluzzo, não justifica que uma bola de futebol chinesa seja oferecida aos clubes brasileiros por R$ 1,39 contra o custo médio local de R$ 35. O Brasil pode ter perdido o tônus nos gramados, mas sabe fabricar bolas.

     A ortodoxia e seu dispositivo midiático criticam tarifas protecionistas e incentivos transitórios de fomento industrial. Acredita-se que a sociedade virtuosa brotará da inundação saneadora de importações e livre fluxo de capitais. Fosse assim o Brasil pré-Getúlio seria um paraíso. A ignorância deliberada abstrai o trajeto das suas próprias referências. Reivindica o padrão chinês de competitividade, mas sem o arcabouço chinês de proteção industrial e cambial, com juro definido pelo comitê central do PC. Gostaria, talvez, de pinçar daí as condições desumanas de trabalho.

     Fomento à tecnologia, protecionismo, subsídios, câmbio e juros administrados foram utilizados intensamente pela Inglaterra para montar seu poderio no século XIX; as mesmas armas acionadas pelos EUA, Japão, China e Coréia do Sul, cujos governos protestam na OMC quando os emergentes disparam igual arsenal. Ou, com lembra o economista Ha-Joon Chang, 'chutam a escada' em que subiram. Faz parte. O pior são aliados internos que não hesitam em chutar a história para defender um laissez-faire que nunca teve o protagonismo que lhe atribuem na riqueza das nações.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    O livro “Pai Rico, Pai Pobre”, de Robert Kiyosaki e Sharon Lechter, é um sucesso de vendas no mundo todo. Muitos o classificam como um livro de “auto-ajuda” e, embora eu mesmo considere desnecessários muitos dos ensinamentos...   (continua)


  •    Caso o consumidor decida adquirir algum produto pela internet, alguns cuidados devem ser observados: 1. Preços muito baixos. Todos conhecemos o ditado, “que quando a esmola é grande, o santo desconfie”. A internet está cheia de casos em que o ditado popular é útil...   (continua)


  •    Digamos que você queira diminuir seus gastos mensais, seja para estancar um desequilíbrio financeiro, seja simplesmente para aumentar a poupança em busca de um desejado objetivo de consumo.   (continua)


  •    Segundo especialista, brasileiros geralmente não entendem a diferença entre poupar e investir, o que é essencial para quem quer ter as finanças saudáveis. Você sabe qual é a diferença entre poupar e investir? Para o planejador financeiro certificado (CFP) Janser Rojo, da Soma Invest, o brasileiro usa esses dois conceitos como se fossem sinônimos, e com isso acaba cometendo grandes erros na sua vida financeira.   (continua)


  •    A concentração no setor bancário americano chegou a níveis extremos. Há hoje 33% mais grandes bancos do que em 2000. De acordo com a Federal Deposit Insurance Corporation, foram 182 fusões e 107 consolidações por ano de 2001 a 2011. O resultado é que os cerca de 37 bancos importantes que existiam em 1990 hoje se resumem a quatro grandes: ...   (continua)


  •    Direitos sociais e trabalhistas duramente conquistados desde o início do século XX, especialmente depois do final do salazarismo e da ditadura militar grega estão sendo tragados a canetada. Estamos assistindo uma gigantesca regressão social. E agora na Espanha também. Seria cômico se não fosse trágico: o chamado "bom senso dos mercados financeiros"...   (continua)


  •    Chegar ao fim do ano com dívidas pode gerar angústia com a aproximação das festas e das pesadas despesas de início de ano. Veja a seguir o que fazer para se livrar das dívidas ou melhorar suas economias.   1. Forme uma reserva financeira se você é um “endividado controlado” - Ter dívida não é um problema. O crédito possibilita a ...   (continua)


  •    O grito “Ocupem Wall Street”, antes de ser um protesto contra a economia de mercado, exprime o profundo sentimento de injustiça social derivado da incapacidade dos governos que permitiram a destruição do emprego e do patrimônio de milhões de honestos cidadãos assaltados, de forma...   (continua)


Copyright 2011-2022
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília