Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O centenário do Rei do Baião - Téta Barbosa

Enviado por Gilberto Godoy
o-centenario-do-rei-do-baiao---teta-barbosa


     Tem o rei do brega, do pop, do futebol, tem até o rei da coxinha (quem já passou por Gravatá, conhece), mas é para o rei do baião que a gente tira o chapéu esse ano. Luiz Gonzaga, seu Lua, completaria cem anos do seu nascimento justamente no ano que disseram que o mundo iria se acabar.

     - O mundo acabou não, seu moço. A gente é que vai se acabar de dançar no salão!

     Porque, para comemorar o centenário do rei do baião, só mesmo com muita música. Música e estilo, sim senhor, porque o cara se apresentava com gibão de couro, óculos Ray Ban e sanfona, fazendo a linha Elvis Presley tupiniquim.

     E foi Gonzagão que, vestido com roupa de vaqueiro, puxou o fole da sanfona e disse:

“Eu vou mostrar pra vocês
Como se dança o baião
E quem quiser aprender
É favor prestar atenção”


     E saiu pelo mundo afora divulgando a cultura nordestina. Cantou a seca, o amor, o Sertão, os boiadeiros, os retirantes e a folia de São João. Cantou não só o Nordeste, mas o país. O Brasil dos esquecidos e dos explorados.

     Nascido numa sexta-feira 13, na zona rural do Sertão pernambucano, Gonzaga foi soldado e cantor de rádio, mas foi com o baião que ganhou o mundo. O baião e a composição do hino oficial sertanejo: Asa Branca. Até mesmo, disse ele, o Columba Picazuro, um tipo de pombo típico da região, asa branca para os íntimos, não agüentou a seca do Sertão e bateu suas asas para longe. Era o lado político de Seu Lua.

     “Asa Branca é um protesto que fiz. Um protestozinho cristão, puramente nosso. Protesto perigoso é aquele importado, de agitação. Asa Branca não é isso”, disse o rei do baião em reportagem à Folha de São Paulo, lá pelos idos de 1978. E desde lá, quando o assunto é seca, a gente continua se perguntando: “porque tamanha judiação?”.


“Quando "oiei" a terra ardendo
Qual a fogueira de São João
Eu perguntei a Deus do céu, ai
Por que tamanha judiação

Eu perguntei a Deus do céu, ai
Por que tamanha judiação

Que braseiro, que fornaia
Nem um pé de "prantação"
Por farta d'água perdi meu gado
Morreu de sede meu alazão

Inté mesmo a asa branca
Bateu asas do sertão
"Intonce" eu disse, adeus Rosinha
Guarda contigo meu coração

Hoje longe, muitas légua
Numa triste solidão
Espero a chuva cair de novo
Pra mim vortar pro meu sertão

Quando o verde dos teus "óio"
Se "espaiar" na prantação
Eu te asseguro não chore não, viu
Que eu vortarei, viu
Meu coração

Eu te asseguro não chore não, viu
Que eu vortarei, viu
Meu coração”

     Téta Barbosa é jornalista, publicitária, mora no Recife e vive antenada com tudo o que se passa ali e fora dali. Escreve aqui sempre às segundas-feiras sobre modismos, modernidades e curiosidades no blog do Noblat. Ela também tem um blog - Batida Salve Todos

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  • "Tarde uma nuvem rósea lenta e transparente.
    Sobre o espaço, sonhadora e bela!
    Surge no infinito a lua docemente,
    Enfeitando a tarde, qual meiga donzela
    Que se apresta e a linda sonhadoramente,
    Em anseios d'alma para ficar bela
    Grita ao céu e a terra toda a Natureza!
    (continua)


  •      Música linda. Vídeo muito bem feito. Vale ver.

    "Uma casinha qualquer no colo da serra,
    Um palmo de terra pra se plantar.
    Um colo de uma mulher, uma companheira,
    Uma brasileira pra se amar...
    (continua)


  • Interpretação de Ney Matogrosso

    "Dorme o sol à flor do Chico, meio-dia
    Tudo esbarra embriagado do seu lume
    Dorme ponte, Pernambuco-rio-Bahia
    (continua)
     


  •    As sete canções brasileiras incluídas no livro inglês ‘1001 músicas para ouvir antes de morrer’ inspiram uma ‘resposta’ nacional. A lista é enorme, como adianta o título do livro “1001 músicas para ouvir antes de morrer” (Sextante), que cobre de “O sole mio” (1916), com Enrico Caruso, a...   (continua)


  •    Maria Bethânia e sua capacidade de produzir encantamentos... “Ao passo que amar eu posso até a hora de morrer. Amar não acaba. É como se o mundo estivesse a minha espera. E eu vou ao encontro do que me espera”. Clarice Lispector


  •    Segundo uma pesquisa feita pela rádio digital britânica Planet Rock, Robert Plant do Led Zeppelin foi coroado a maior voz do rock da história. Freddie Mercury do Queen foi o segundo, enquanto Paul Rodgers ficou com o terceiro posto. A única voz feminina na lista foi a de Janis Joplin.   (continua)


  •    A incrível voz de Ana Vieira no sensacional arranjo de Rodrigo Costa Leão Muñoz Miguez (Lisboa, 15 de outubro de 1964), um talentoso músico e compositor português. Tornou-se conhecido nas bandas Sétima Legião e Madredeus.


  •    Interior da Espanha. Numa cidadezinha há uma capela aonde sempre acontecem shows para grupos de 10 pessoas. Você chega lá e, de surpresa, assiste isto aí. Que momento sublime! 'Libertango' (Astor Piazzolla) by Javier Albarés (cello).


Copyright 2011-2021
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília