Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O centenário do Rei do Baião - Téta Barbosa

Enviado por Gilberto Godoy
o-centenario-do-rei-do-baiao---teta-barbosa


     Tem o rei do brega, do pop, do futebol, tem até o rei da coxinha (quem já passou por Gravatá, conhece), mas é para o rei do baião que a gente tira o chapéu esse ano. Luiz Gonzaga, seu Lua, completaria cem anos do seu nascimento justamente no ano que disseram que o mundo iria se acabar.

     - O mundo acabou não, seu moço. A gente é que vai se acabar de dançar no salão!

     Porque, para comemorar o centenário do rei do baião, só mesmo com muita música. Música e estilo, sim senhor, porque o cara se apresentava com gibão de couro, óculos Ray Ban e sanfona, fazendo a linha Elvis Presley tupiniquim.

     E foi Gonzagão que, vestido com roupa de vaqueiro, puxou o fole da sanfona e disse:

“Eu vou mostrar pra vocês
Como se dança o baião
E quem quiser aprender
É favor prestar atenção”


     E saiu pelo mundo afora divulgando a cultura nordestina. Cantou a seca, o amor, o Sertão, os boiadeiros, os retirantes e a folia de São João. Cantou não só o Nordeste, mas o país. O Brasil dos esquecidos e dos explorados.

     Nascido numa sexta-feira 13, na zona rural do Sertão pernambucano, Gonzaga foi soldado e cantor de rádio, mas foi com o baião que ganhou o mundo. O baião e a composição do hino oficial sertanejo: Asa Branca. Até mesmo, disse ele, o Columba Picazuro, um tipo de pombo típico da região, asa branca para os íntimos, não agüentou a seca do Sertão e bateu suas asas para longe. Era o lado político de Seu Lua.

     “Asa Branca é um protesto que fiz. Um protestozinho cristão, puramente nosso. Protesto perigoso é aquele importado, de agitação. Asa Branca não é isso”, disse o rei do baião em reportagem à Folha de São Paulo, lá pelos idos de 1978. E desde lá, quando o assunto é seca, a gente continua se perguntando: “porque tamanha judiação?”.


“Quando "oiei" a terra ardendo
Qual a fogueira de São João
Eu perguntei a Deus do céu, ai
Por que tamanha judiação

Eu perguntei a Deus do céu, ai
Por que tamanha judiação

Que braseiro, que fornaia
Nem um pé de "prantação"
Por farta d'água perdi meu gado
Morreu de sede meu alazão

Inté mesmo a asa branca
Bateu asas do sertão
"Intonce" eu disse, adeus Rosinha
Guarda contigo meu coração

Hoje longe, muitas légua
Numa triste solidão
Espero a chuva cair de novo
Pra mim vortar pro meu sertão

Quando o verde dos teus "óio"
Se "espaiar" na prantação
Eu te asseguro não chore não, viu
Que eu vortarei, viu
Meu coração

Eu te asseguro não chore não, viu
Que eu vortarei, viu
Meu coração”

     Téta Barbosa é jornalista, publicitária, mora no Recife e vive antenada com tudo o que se passa ali e fora dali. Escreve aqui sempre às segundas-feiras sobre modismos, modernidades e curiosidades no blog do Noblat. Ela também tem um blog - Batida Salve Todos

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Rio de Janeiro - Desde o dia 21 deste mês, o acervo do cantor e compositor Milton Nascimento está disponível para visualização e pesquisa no portal do Instituto Antonio Carlos Jobim – www.jobim.org . São cerca de 45 mil itens, entre fotos, documentos, áudios, vídeos e álbuns.   (continua)


  •    Um dia na vida.... essa música dos Beatles rima com este trecho de Hesse: “Somos, fluindo de forma em forma docilmente, movidos pela sede do ser atravessamos o tempo. O dia, a noite, a gruta e a catedral. Assim sem descanso as enchemos uma a uma, e nenhuma nos é o lar, a ventura..." (continua)


  •      Quem nunca dançou ao som de Donna Summer? Nos anos 70, Donna Summer dominou pistas de dança do mundo inteiro, com músicas que não deixavam ninguém ficar parado. A artista conquistou cinco Grammys, o Oscar da música. Exigente com o próprio trabalho, ela uma vez atribuiu o sucesso ao pós-guerra do Vietnã nos Estados Unidos e no mundo.   (continua)


  • "... falar da cor dos temporais
    Do céu azul, das flores de abril
    Pensar além do bem e do mal
    Lembrar de coisas que ninguém viu
    O mundo lá sempre a rodar..."
    (continua)


  •     Linda música, linda interpretação.

    "Não dá pé
    Não tem pé, nem cabeça
    Não tem ninguém que mereça...
     (continua)


  • 'Eu conheço o medo de ir embora
    Não saber o que fazer com a mão
    Gritar pro mundo e saber
    Que o mundo não presta atenção...
    (continua)


  •      Cantora carioca, filha do pianista e compositor Antônio Adolfo, começou a cantar aos 8 anos de idade, quando lançou um compacto ao lado de Mièle. Ainda durante a infância, integrou coros em gravações de artistas como Erasmo Carlos e Ângela Rô Rô. Morou nos Estados Unidos de 1989 e 1991, quando participou do disco "Brasileiro", de Sergio Mendes.   (continua)


  • "Amigos a gente encontra
    O mundo não é só aqui
    Repare naquela estrada
    Que distância nos levará...
    (continua)


Copyright 2011-2022
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília