Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

As séries de TV dos anos 70

Enviado por Gilberto Godoy

     Quem já passou dos quarenta, com certeza terá um flash-back da infância ou adolescência só ao ver os nomes de alguns seriados de Tv citados neste post. Eles são, como se diz, "do meu tempo" e os assiti muito. Não é que fossem, digamos, tão bons assim, mas em compensação marcaram gerações em uma época em que a única diversão era o cinema e a televisão. Esta última, por sinal, estava no início da sua popularização pelo Brasil à fora, devido a sua aquisição ter ficado mais acessível para a classe média a partir de meados daquela década. Para que se tenha uma idéia do que foi isso, mesmo ainda no início dos anos setenta, era raro encontrar alguma casa que tivesse Tv, quanto mais "colorida" (como se diza antigamente), principalmente nas cidades do interior.

     Na grande maioria dos lares, o aparelho de televisão era "preto e branco" mesmo. Na minha casa, por exemplo, a primeira TV foi uma Colorado RQ P&B (a TV do Rei Pelé - o dono, segundo diziam) e depois, entrou uma da marca Telefunken (essa já em cores). Porém, antes da TV em cores, quando muito comprava-se dos mascates que passavam pela rua uma tela de acrílico colorido, que se colocava por sobre a tela do aparelho de Tv. Era uma coisa ridícula mas que fazia muito sucessso pois dava a aparência de que a TV fosse em cores.

     Mas voltando ao assunto, aqui vai a lista das séries que eu assistia na Tv quando criança e adolescente: Baretta, Kojak, Harry "0", Miami Vice, MacGyver, Túnel do Tempo, Terra de Gigantes, Perdidos no Espaço, A Feiticeira, Jeannie é um Gênio, Magnum, A Ilha da Fantasia, Star Trek, Dallas, Havai 5.0, Kung Fu, O Homem de Seis Milhões de Dólares, A Mulher Biônica, As Panteras, CHIPS, Casal 20 e O Incrível Hulk. Pois é... Assisti a todas essas séries quando das suas estréias no Brasil, ou seja, nos seus tempos de sucesso. Bem, como dizem que recordar também é viver, espero ter trazido a todos os colegas aqui do blog, boas recordações daqueles tempos dessas séries de TV. Para ilustrar aquela época, nada melhor do que postar o vídeo de um ícone: A Ilha da Fantasia. Quem não se lembra do Tatoo tocando o sino e gritando: "O avião, o avião!" Bons tempos...

     Fonte: blog Luis Nassinf Online por Pisquila em 'Seriados do meu tempo'

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Este é um video que traz a maioria dos desenhos de 1918 até o ano 2000 com seu respectivo ano de criação. Pica-Pau, Tom e Jerry, Popeye, Os Flintstones, Zé-colmeia, Manda Chuva, Mickey Mouse, Speed Racer, Família Dinossauro e vários outros programas infantis. Todos estes desenhos fizeram parte da infância de...   (continua)


  •         Programa Manhattan Connection, transmitido pela Globo News em maio de 2012.
         Eike Fuhrken Batista, nasceu em Governador Valadares, MG, em 3 de novembro de 1956. É um empresário brasileiro com atuação em diversos setores, especial petróleo, logística, energia, mineração, indústria naval e carvão mineral.  Diogo Briso Mainardi, nasceu em São Paulo, em 22 de setembro de 1962. É um escritor, produtor, roteirista de cinema e colunista brasileiro. Nos últimos anos, tornou-se um conhecido nome no Brasil, principalmente devido à divulgação de sua coluna semanal na revista Veja.   (continua)


  •      "O povo sabe o que quer. Mas o povo também quer o que não sabe", assinala Gilberto Gil em "Rep" (1998). A letra da música ajuda a explicar o enorme sucesso que tiveram as novelas globais "Avenida Brasil" (com picos 70%) e "Cheias de Charme" (com picos de 38 pontos e 64%), mas de forma ambígua.   (continua)


  •    Era uma vez um programa semanal que bombava no Ibope. Durante 40 anos, poucas vezes esse programa teve sua liderança ameaçada. A última grande crise aconteceu em 2001, quando o SBT surpreendeu com uma Casa dos Artistas. A ameaça passou, mas audiência continuou caindo, caindo, caindo. Dos mais de 30 pontos de dez anos atrás, caiu para 14,4 pontos há duas semanas, no Domingo de Páscoa.   (continua)


  •      Quando você estiver lendo esse texto, já saberemos quem matou Max e quem provavelmente matará Santiago. Essa trama final de “Avenida Brasil”, muito bem construída, garantiu, nos últimos capítulos da novela, o interesse cada vez maior do público. Mas não foi o macete de conto policial que fez a glória dela.
         A partir da segunda metade dos anos 1960, as novelas se impuseram como nossa cultura popular por excelência. Mas elas não se ofereciam como alternativa cultural ao golpe militar e à ditadura que veio com ele, nem de longe eram um instrumento capaz de contrariar a opressão então instalada no país.   (continua)


Copyright 2011-2017
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: iDev Web