Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Cântico Negro - José Régio

Enviado por Gilberto Godoy
cantico-negro---jose-regio

 

"Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)

E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...
A minha glória é esta:
Criar desumanidades!
Não acompanhar ninguém.
— Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre à minha mãe
Não, não vou por aí!
Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...
Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "vem por aqui!"?

Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...
Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.

Como, pois, sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...

Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tetos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura !
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...
Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém!
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou,
É uma onda que se alevantou,
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!"



     José Régio, pseudônimo literário de José Maria dos Reis Pereira, nasceu em Vila do Conde em 1901. Licenciado em Letras em Coimbra, ensinou durante mais de 30 anos no Liceu de Portalegre. Foi um dos fundadores da revista "Presença", e o seu principal animador. Romancista, dramaturgo, ensaísta e crítico, foi, no entanto, como poeta. que primeiramente se impôs e a mais larga audiência depois atingiu. Com o livro de estréia — "Poemas de Deus e do Diabo" (1925) — apresentou quase todo o elenco dos temas que viria a desenvolver nas obras posteriores: os conflitos entre Deus e o Homem, o espírito e a carne, o indivíduo e a sociedade, a consciência da frustração de todo o amor humano, o orgulhoso recurso à solidão, a problemática da sinceridade e do logro perante os outros e perante a si mesmos.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  • “Deu-me Deus o Seu Gládio, porque eu faça
            A Sua santa guerra.
    Sagrou-me Seu em génio e em desgraça
    As horas em que um frio vento passa...
    (continua)


  • “Se te comparo a um dia de verão
    És por certo mais belo e mais ameno
    O vento espalha as folhas pelo chão
    E o tempo do verão é bem pequeno.
    (continua)


  • “Do fundo desta noite que me envolve,
    negra como um poço fundo e escuro,
    Agradeço aos deuses
    pela minha alma indomável....
    ​(continua)


  • "Um homem demora muito tempo a fazer-se.
    Não somos como aqueles passaritos que se soltam na imensidão dos céus
    Pouco tempo depois de terem visto a luz.
    Trazemos em nós uma semente que demora a germinar,
    Que gasta nessa tarefa muitos anos de agitação e silêncio.
    (continua)


  • "Nem mesmo a assustadora simetria
    De quando caem os sonhos,
    Um a um assim cadenciados.
    Nem mesmo a metafísica
    Incompreensível e inaceitável
    (continua)


  •       Esta poesia de Neruda é parte da fala de um personagem no filme 'O ponto de mutação', um belo filme!

    "O que uma lagosta tece lá embaixo com seus pés dourados?
    Respondo que o oceano sabe.
    Por quem a medusa espera em sua veste transparente?
    Está esperando pelo tempo, como tu.
    (continua)


  • "Não vás tão docilmente nessa noite linda;
    Que a velhice arda e brade ao término do dia;
    Clama, clama contra o apagar da luz que finda.
    Embora o sábio entenda que a treva é bem-vinda
    (continua)


  • "A gente precisa de pouca coisa
    pra viver feliz e sossegado.
    Um barco a vela um fogão de lenha
    e uma cama limpa pra deitar
    quando se está cansado.
    Muita gente nesse mundo
    preferia estar despreocupado...
    (continua)


Copyright 2011-2019
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília