Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Guardanapos de Papel - Milton Nascimento

Enviado por Gilberto Godoy

"Na minha cidade tem poetas, poetas,
Que chegam sem tambores nem trombetas, trombetas,
E sempre aparecem quando menos aguardados, guardados, guardados,
Entre livros e sapatos, em baús empoeirados.
Saem de recônditos lugares no ares, nos ares,
Onde vivem com seus pares seus pares, seus pares,
Seus pares e convivem com fantasmas multicores, de cores, de cores,
Que te pintam as olheiras e te pedem que não chores
Suas ilusões são repartidas partidas, partidas,
Entre mortos e feridas, feridas, feridas,
Mas resistem com palavras, confundidas, fundidas, fundidas,
Ao seu triste passo lento pelas ruas e avenidas.
Não desejam glorias nem medalhas, medalhas, medalhas,
Se contentam com migalhas, migalhas 
Migalhas de canções e brincadeiras com seus versos dispersos, dispersos,
Obcecados pela busca de tesouros submersos.
Fazem quatrocentos mil projetos, projetos, projetos,
Que jamais são alcançados cansados, cansados,
Nada disso importa enquanto eles escrevem, escrevem, escrevem,
O que sabem que não sabem e o que dizem que não devem.
Andam pelas ruas os poetas, poetas, poetas,
Como se fossem cometas, cometas, cometas,
Num estranho céu de estrelas idiotas e outras, e outras,
Cujo brilho sem barulho veste suas caldas tortas.

Na minha cidade tem canetas, canetas, canetas,
Esvaindo-se em milhares, milhares,
Milhares de palavras retorcidas e confusas, confusas, confusas,
Em delgados guardanapos, feito moscas inconclusas.
Andam pelas ruas escrevendo e vendo, e vendo,
Que eles vêm nos vão dizendo, dizendo,
E sendo eles poetas de verdade enquanto espiam e piram, e piram,
Não se cansam de falar do que eles juram que não viram.
Olham para o céu esses poetas, poetas, poetas,
Como se fossem lunetas, lunetas, lunáticas,
Lançadas ao espaço e o mundo inteiro, inteiro, inteiro,
Fossem vendo pra depois voltar pro Rio de Janeiro."

          Post em homenagem a minha grande amiga e psicóloga Mérian Borges que adora esta música. Realmente uma poesia, sobretudo na interpretação de Milton Nascimento.

Comentários

Também recomendo

  •    Vídeo original da música "Stay (Faraway, So Close!)" Hit de seu álbum de 1993, Zooropa. A canção foi lançada como terceiro single do álbum em 22 de Novembro de 1993 e foi um hit top dez na Irlanda, Austrália, Reino Unido e vários outros países. Foi escrita e inspirada para Frank Sinatra...   (continua)


  •        Uma linda música de Celso Adolfo na voz macia de Eliane Cata Preta.

    "E nós que nem sabemos quanto nos queremos
    Que nem sabemos tudo que queremos
    Como é difícil o desejo de amar
    Você que nunca soube quanto eu quis..."
    (continua)


  •    Uma bela música! O excesso de metáforas torna a letra complexa mas ela fala da importância de uma infância vivida em família, do amor entre irmãos, perdas, transcendência, mistérios... da vida!  Merece ser ouvida em local e condições especiais.  Album version of Emily from the 2006, álbum "Ys" by Joanna Newsom, track 1 of 5.   (Continua)


  •  

         Clássico dos anos 70 (1978), inspiração para o sucesso de 'Intocáveis'. 


  •     "Tropeçavas nos astros desastrada
    Sem saber que a ventura e a desventura
    Dessa estrada que vai do nada ao nada
    São livros e o luar contra a cultura.
    Os livros são objetos transcendentes...
    (continua)


  • Que música redondinha! Além de uma voz abençoada o Bituca é excelente letrista.

    "Você sabe que as canções são todas feitas pra você
    E vivo porque acredito nesse nosso doido amor
    Não vê que tá errado, tá errado me querer quando convém
    E se eu não tô enganado acho que você me ama também

    (continua)


  •     Renato Russo e Adriana Calcanhoto cantando "Esquadros", no Programa Por Acaso, em 1994. Vídeo histórico da MPB. O sujeito do meio tá meio hipnotizado e olha para os dois de forma muito engraçada. Muito bom.


  •    Cazuza Interpreta a música de Cartola, com sua bela voz. 'O Mundo é um Moinho' remete a implacabilidade do tempo e de um vazio sem explicação que permeia nossa existência e as coisas que deixamos para trás. A letra é um lembrete, de alguém que pôde compreender a transitoriedade da vida, do inevitável, dos sonhos, do amor...  (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília