Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Suplementos vitamínicos funcionam como dizem?

Enviado por Habbas Gazan
suplementos-vitaminicos-funcionam-como-dizem-

     O negócio dos suplementos alimentícios equivale a ganhos superiores a 5 bilhões de dólares ao ano, mas sua regulamentação passa acima das leis que regem à indústria farmacêutica. Uma nova pesquisa publicada no New York Times, no entanto, revelou que as substâncias vendidas com diferentes fins raramente contêm a erva ou ingrediente que afirmam ter em sua publicidade.

   Utilizando um teste de DNA, um grupo de pesquisadores canadenses realizou o mapeamento dos ingredientes de 44 populares suplementos alimentícios disponíveis hoje em dia, propriedade de 12 grandes companhias, e o que encontraram -em lugar de equinácea ou gingko biloba- foram substitutos baratos, como soja, trigo ou arroz. Em um terço das pílulas não encontraram nem sequer restos das supostas plantas que diziam conter.

   O estudo foi dirigido por Steven G. Newmaster, professor de biologia e diretor de botânica no Instituto de Biodiversidade de Ontário, na Universidade de Guelph. O mais preocupante para Steven foi o fato de que estas companhias não só enganam seus consumidores, senão que as substâncias com as quais fabricam os suplementos vitamínicos podem ser inclusive venenosos para algumas pessoas.

     Assim, nos comprimidos de equinácea encontraram restos de Parthenium hysterophorus, uma planta nativa da Índia e Austrália que está relacionada com irritações de pele, náuseas e flatulências; e nas famosas cápsulas de erva-de-são-joão (Hypericum perforatum) não encontraram sequer traço desta planta: as cápsulas de um pote eram feitas de arroz, e as de outro continham sene, um poderoso laxante também utilizado popularmente, mas com outros fins. A descoberta mais perigosa foi que em um pote de gingko biloba encontraram restos de nogueira preta, uma espécie de noz que pode ser potencialmente mortal se for consumida por pessoas com alergia as nozes.

     Contudo, um representante da indústria fitoterápica disse que, ainda que os erros de etiquetagem são uma preocupação constante para eles, a gravidade das acusações deste relatório, publicado na revista BMC Medicine, é um pouco exagerado.

     Esta pesquisa buscará que as regulamentações sanitárias aplicáveis à indústria farmacêutica sejam também obrigatórias para a indústria fitoterápica, que com o pretexto de curas milagrosas e duvidosos benefícios à saúde -não seria o efeito placebo em ação?- pode colocar em perigo os consumidores, que não têm ideia do que contêm estas populares cápsulas.
 

     Fonte: NY Times. 

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Você já se perguntou por que sua dieta não funciona? Um estudo realizado por pesquisadores israelenses indica que a maioria dos estudos nutricionais estão errados e que os alimentos têm um efeito muito diferente em cada pessoa. O trabalho, publicado na última semana na revista Cell, baseia-se no...   (continua)


  •    Estudo realizado em 30 países pelo European College of Neuropsychopharmacology revela que 38% da população européia sofrem de algum tipo de desordem mental como depressão, ansiedade, insônia e fazem abuso de substâncias (drogas lícitas e ilícitas, remédios...). A OMS prevê que em 2020...   (continua)


  • ​  Aos 68 anos, Herbert Fontenele recebeu o diagnóstico de câncer de próstata metastático. O tumor invadira a bexiga, a uretra e os ossos. Era 2009. Pelas estimativas médicas, Fontenele teria apenas um ano de vida. Mas ele não desistiu. Foram doze sessões de quimioterapia e outras 32 de radioterapia. E os efeitos...   (continua)


  •    Já pensou se o seu sintoma tivesse a chance de te enviar uma carta? Garanto que seria alguma coisa assim: ‘Olá, tenho muitos nomes: dor de estômago, tensão muscular, abscesso, asma, mucosidade, gripe, dor nas costas, ciática, enxaqueca, tosse, dor de...   (continua)


  •    O relatório da Associação Americana do Coração publicado nesta semana indica que o consumo de café pode ajudar a diminuir o risco de desenvolver uma insuficiência cardíaca ou de ter um acidente cerebrovascular. Este efeito foi demonstrado por um estudo...   (continua)


  •    Por que os médicos não utilizam, no seu próprio final da vida, os procedimentos dolorosos que receitam a seus pacientes? Escritores octogenários que entrevistei coincidiram em dizer que o duro na vida não é envelhecer, mas enterrar os amigos, aguentar a saudade deles que fica. Você começa a...   (continua)


  •    O psicólogo e doutor em biologia Paul Rozin, professor na Universidade da Pensilvânia (EUA), dedicou 25 anos de sua carreira a estudar por que escolhemos determinados alimentos e por que comemos de certa maneira. Rozin é um pioneiro em nutrição comportamental, especialidade que cresce cada dia mais...   (continua)


  •    O movimento popular internacionalmente conhecido como 'Outubro Rosa' é comemorado em todo o mundo. O nome remete à cor do laço rosa que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades.   (continua)


Copyright 2011-2018
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília