Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

A histórica fotografia de Kevin Carter

Enviado por Gilberto Godoy
a-historica-fotografia-de-kevin-carter

     Em 1994, o prémio Pulitzer de Fotojornalismo foi ganho com esta fotografia chocante de uma criança sudanesa, que viria a atrair as atenções do Mundo para o drama humanitário que se vivia, e ainda vive, no Sudão e um pouco por todo o Continente Africano. Campo de ensaio do mundo dito civilizado que tenta há séculos arrogantemente impôr modelos de organização social, política e económica baseados nos seus conceitos civilizacionais, a África permanece um continente tribal, sem que contudo os "civilizadores" alguma vez tenham descurado a sua recompensa para o "magnânimo gesto", quase renascentista, de "espalhar a fé e a democracia pelos cafres": o saque.

     O fotógrafo sul-africano Kevin Carter foi o autor desta fotografia obtida em 1993 em Ayod, um pequeno distrito do estado de Junqali, Sudão, que percorreu o Mundo inteiro: a figura esquelética de uma pequena menina, totalmente desnutrida, vergando-se sobre a terra, esgotada pela fome, prestes a morrer, arrastando-se para um campo alimentar da ONU que distava um quilómetro dali, enquanto em segundo plano a figura negra e expectante de um abutre aguarda a morte da garota.

     Carter disse que esperou cerca de vinte minutos para que o abutre se fosse embora e, como tal não sucedia, rapidamente tirou a foto, espantou o abutre açoitando-o, e abandonou o local o mais rápido possível.

     Muitas vozes se levantaram na época contra a atitude de Carter, comparando-o de certa forma ao abutre e questionando-o porque não tinha ajudado a criança. Embora na altura os fotógrafos tivessem um código de conduta rígido que implicava, neste tipo de cenários, nunca se abeirarem das pessoas famintas pela possibilidade de transmissão de doenças, Kevin confessou estar arrependido por não ter ajudado a menina.

     Carter era um dos integrantes do chamado Bang-Bang Club, um grupo de quatro amigos, fotojornalistas, que se dedicaram a expôr aos olhos do mundo o brutal regime do apartheid sul-africano. Em meados dos anos 80 Carter foi o primeiro a fotografar uma execução pública por necklacing na África do Sul, e ao longo da sua carreira vivenciou incontáveis episódios de violência em teatros de guerra e de desastre humanitário.

 


     Dois meses depois de ter recebido por esta imagem o Pulitzer Prize for Feature Photography de 1994, amargurado e castigado pela culpa, psiquicamente instável, dependente de estupefacientes e destroçado pela morte de um dos seus amigos íntimos e elemento do Bang-Bang Club, Ken Oosterbroek , Kevin Carter suicidou-se. Tinha 33 anos e deixou esta nota de despedida:

     "I am depressed ... without phone ... money for rent ... money for child support ... money for debts ... money!!! ... I am haunted by the vivid memories of killings & corpses & anger & pain ... of starving or wounded children, of trigger-happy madmen, often police, of killer executioners...I have gone to join Ken if I am that lucky."



     Fonte: http://obviousmag.org/archives/2007/11/as_fotografias_4.html#ixzz1cPS6ExbP

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •      Você gosta de fotografia? Pois não pode perder este post. O site Alafoto disponibiliza, para uso não comercial, cerca de 2 mil imagens de sete grandes fotógrafos da história. As fotografias cobrem o período de 1920 a 2010. Fazem parte da galeria, os norte-americanos Ansel Adams, um dos responsáveis pela aceitação da fotografia como forma de arte...   (continua)


  •    O Getty Images, um dos maiores bancos de imagens do mundo, disponibiliza 35 milhões de imagens para uso gratuito na internet. A ferramenta que permite a internautas incorporar e compartilhar suas imagens em sites, blogs e mídias sociais de maneira similar que os vídeos do YouTube podem ser incorporados, disse a empresa.   (continua)


  •    A melhor coisa sobre fotografia de estradas e rodovias é que ao final o espectador pode ter novas impressões ainda não captadas pelo próprio fotógrafo original. Este tipo de fotografia nos permite congelar um desses momentos únicos e sonhar de olhos abertos focalizando a atenção em onde e para onde vão os sonhos e dramas das pessoas que cruzam estas estradas.   (continua)


  •      Qual a beleza de um olhar? Através de um conjunto de fotografias macro, podemos admirar a verdadeira beleza e complexidade do olho humano. O padrão aparentemente simples e uniforme, quando observado mais de perto, transforma-se e revela-nos uma complexidade de cores e formatos verdadeiramente extraordinários.

         Fonte: rankin portfolio


  •    Esta imagem corresponde à nova versão da Blue Marble que acaba de ser lançada pela NASA. Segundo eles, trata-se da "imagem mais surpreendente e com maior resolução jamais feita da Terra", superando com sobras a edição de 2010 e a original, aquela que podem ter visto uma e outra vez como o fundo de tela padrão do iPhone.    (continua)


  •    Através das imagens do fotografo britânico Ben Hall podemos apreciar a inquestionável beleza que a Natureza nos oferece. Embora a maioria seja tirada nas ilhas britânicas, Ben também já esteve a fotografar na Patagónia (Argentina) e na África do Sul. Apaixonado pela...   (continua)


  •    Quando a guerra começou no final dos anos 30, a população mundial era de aproximadamente 2 bilhões. Em menos de uma década, a guerra entre as nações do Eixo e os Aliados resultou em cerca de 80 milhões de mortes, matando aproximadamente 4% de todo o mundo. Neste momento...   (continua)


  •    Em 1938, dois meses após a ocupação nazista, a pedido de um colega de Freud, o fotógrafo Edmund Engelman, tirou por volta de 150 fotos do consultório de Freud, dos familiares e de outras dependências da residência em "Berggasse 19", Vienna.   (continua)


Copyright 2011-2021
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília