Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

A importância do acaso - Affonso Romano Sant'anna

Enviado por Gilberto Godoy
a-importancia-do-acaso---affonso-romano-sant-anna

     Dorival Caymmi é que cantava: "Mas como o acaso é importante, querida, de nossas vidas a vida fez um brinquedo também"... Esses versos vieram-me à cabeça, por acaso, porque estava lendo um livro que comprei, não por acaso. É que o autor falava de uma série de descobertas feitas na ciência, muitas por acaso. Mas fica claro que só puderam se transformar em descobertas científicas porque o acaso estava sendo observado por pessoas que têm pelo acaso um respeito nada ocasional.

     Aquela maçã que, dizem, caiu na cabeça do Newton por acaso, fazendo com que ele deduzisse coisas sobre a lei da gravidade, pode ter caído por acaso, concordo, mas não foi por acaso que ele tirou disso grandes ilações. Não é de hoje que maçãs e até gigantescas jacas desabam sobre cabeças e nem por isso a ciência progride. Igualmente aquela estória de Arquimedes mergulhado na banheira e, de repente, descobrindo, por acaso, que o fato de seu corpo boiar explicava muita coisa que interessa à ciência dos fluidos, da navegação e da irrigação. Só as pessoas atentas podem perceber o acaso.

     Só as pessoas que procuram o sentido das. Coisas podem converter o acaso em informação. Leio que dois rádioastrônomos, Wilson e Penzias, em Nova Jersey, estavam tentando usar uma antena poderosa quando, estranhamente, começaram a perceber que havia um ruído, um zumbido inexplicável zanzando por ali.Pensaram que era alguma sujeira no material ou má conexão de tomadas. Não era. Estavam, por acaso, ouvindo sons que ajudavam a medir o limite do universo. E nem sabiam que era isso que estavam ouvindo. Só se deram conta da importância da descoberta involuntária que fizeram quando conversaram com outros cientistas e acabaram vendo a repercussão disso no New York Times. Resultado: ganharam o Nobel de Física de 1978.

     Não é por acaso que cientistas e artistas se interessam tanto pelo acaso.É que não basta ficar ali, racional e objetivamente, querendo tirar leite da pedra e minhoca do asfalto. Agente tem que deixar a atenção repousar, ficar provisoriamente irresponsável. Deixar o acaso trabalhar. O radar está ligado e, de repente, pimba! Oba! Eureka! Surge á solução de um problema, de um poema, de uma obra. É o famoso estalo, insight ou epifania que, dizem, ocorreu com o lendário Padre Vieira. Acho que os pescadores entendem bem do que estou falando. Eles não sabem muito bem o que está ocorrendo sob as águas, mas jogam o anzol com a isca e ficam ali distraídos, quer dizer, numa atenta distração.

     Aliás, também Clarice Lispector, por acaso me lembro, usou essa metáfora do pescador para falar do processo criativo. Agente tem que fingir que está "distraído". Distraído, mas, como diz uma amiga, "com a atenção de bode na canoa". Temos que ter certa reverência pelo acaso. Até no amor. Agente topa, por acaso, com as pessoas mais diversas nas esquinas, coquetéis, festas,blogs,internet e de repente uma capta nossa atenção, nos' fisga, nos arrebata. Por acaso? Tem gente que por urgente acaso acredita no horóscopo, cartomante, etc. É que as pessoas procuram essas assessorias quando estão ao léu da sorte, mais fragilizadas. E quando se está mais fragilizado, o acaso e a possibilidade viram certeza.

     Mas aí já é um perigo, porque sair procurando sinais reveladores em tudo o que se vê pode confundir a recepção da mensagem por vir. O bom é encontrar fora aquilo que se procura dentro da gente. Ou, como diziam nossos pais: quem procura, acha. Às vezes, claro.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    “A compreensão do papel do ambiente na vida humana mostra que ele não apenas “cutuca ou sacode”, mas seleciona. Sua função é semelhante à da seleção natural, embora em uma escala temporal bem diferente... seu papel foi deixado de lado e é importante para uma análise consistente do comportamento.   (continua)


  •    Pistas não faltam: seja pelo jeito peculiar com que as famílias vão se transformando, seja pela rotina das cidades, a evolução dos gostos e preferências das sociedades, as apostas da ciência ou os caminhos abertos pela tecnologia, já é possível vislumbrar como será a vida de um cidadão daqui para a frente.   (continua)


  •    Nasce o ideal da nossa consciência da imperfeição da vida. Tantos, portanto, serão os ideais possíveis, quantos forem os modos por que é possível ter a vida por imperfeita. A cada modo de a ter por imperfeita corresponderá, por contraste e semelhança, um conceito de perfeição. É a esse conceito de perfeição que se dá o nome de ideal.   (continua)


  •    Elton Simões via blog do Noblat
       Não tenho o menor senso de direção. Faço parte daquele grupo de pessoas para as quais o deslocamento de um lugar a outro é sempre um desafio. O Norte parece sempre mudar de lugar. Estar pedido é não somente habitual, mas também um fato inevitável da vida.   (continua)


  •    Era o elemento que faltava para completar o pacote ecologicamente correto do estereótipo do povo de Seattle. Além de fazer reciclagem, comprar produtos orgânicos produzidos localmente e trocar o carro pelo transporte público, o típico morador de Seattle também simplifica a vida praticando o “downsizing”.   (continua)


  •    Étienne de La Boétie morreu aos 33 anos de idade, em 1563. Deixou sonetos, traduções de Xenofonte e Plutarco e o Discurso Sobre a Servidão Voluntária, o primeiro e um dos mais vibrantes hinos à liberdade dentre os que já se escreveram.  Toda a sua obra ficou como legado ao filósofo Montaigne (1533 – 1592), seu amigo pessoal que... (continua)


  •    É duro aceitar que algumas pessoas são mais capazes e mais afortunadas do que outras. Há muito suspeitava que um dia as mulheres mais bonitas iam ser de alguma forma castigadas por nossa sociedade. Meu temor, em parte, se confirmou. Incluindo aí também um castigo para os homens mais bonitos. E por quê?   (continua)


  •    Hoje voltou o frio. Veio como havia muito não vinha. Gelou o ar, esfriou o sofá da sala, resgatou meias, casacos e dores do fundo de uma gaveta que emperra como não quisesse abrir. Chegou sabe-se lá de onde, do pacífico, dos polos congelados, do sul do país. Não importa. Aqui faz frio. Em seu sopro fresco e úmido, esse frio há de aquecer os ímpetos de alguém.   (continua)


Copyright 2011-2022
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília