Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Vida simplificada - Melissa de Andrade

Enviado por Gilberto Godoy
vida-simplificada---melissa-de-andrade

     Era o elemento que faltava para completar o pacote ecologicamente correto do estereótipo do povo de Seattle. Além de fazer reciclagem, comprar produtos orgânicos produzidos localmente e trocar o carro pelo transporte público, o típico morador de Seattle também simplifica a vida praticando o “downsizing”.

     Na falta de melhor tradução, o “enxugamento” significa optar por uma rotina mais prática. Ao reduzir a complexidade dos compromissos, a pessoa teria uma sensação de liberdade. Menos itens para dar atenção, menos motivos de preocupação.

     Enquanto no mundo corporativo o conceito está associado a racionalização de custo e demissão de funcionários, na vida pessoal o enxugamento é o reflexo de qualquer mudança em prol de uma vida mais simples.

     Um colega de trabalho vendeu um carro antigo que era seu xodó e reduziu as despesas de manutenção. Uma conhecida mudou de uma casa ampla para um apartamento pequeno, mesmo tendo que vender parte dos móveis. Uma amiga doou a televisão e usa o tempo livre para ler mais.

     Por quê? Os três me deram a mesma resposta: estavam fazendo downsizing na vida e se sentiam muito bem com a decisão. Mesmo tendo uma redução de custo associada a vender um carro, morar em um lugar menor e não pagar pela TV por assinatura, a motivação nem sempre é financeira.

     O objetivo é “ter” menos itens e depender menos das atividades relacionadas a administrá-los. Um carro extra e uma casa grande exigem tempo, dinheiro e trabalho. Uma TV toma horas que podem ser preciosas quando é preciso dedicação a uma outra atividade. É uma opção.

     O conceito prevê que se viva em prol do que dá prazer, em vez de ter o foco concentrado em manter os pequenos e grandes confortos acumulados ao longo dos anos. Ter clareza do que você precisa versus o que você apenas quer ter.

     Tem gente que leva o downsizing ao extremo. Fiz um curso com uma menina que mora num sobradinho de 30 metros quadrados numa área de preservação ambiental num subúrbio de Seattle. Não é orçamento curto: o marido dela gosta desse estilo de vida e construiu a casa dos sonhos. É daquelas sem divisórias por dentro, que no Brasil seriam chamadas de loft. Ela jura que gosta da casa, mas cortou os planos do marido de continuar morando lá após terem filhos.

     Cada um tem o seu limite para uma vida enxuta. (Uma boa ideia para se por em prática em tempos de excesso de dados e cobranças!)


      Melissa de Andrade via blog do Noblat, Cartas de Seatle. Melissa de Andrade é jornalista com mestrado em Negócios Digitais no Reino Unido. Ama teatro, gérberas cor de laranja e seus três gatinhos. Atua como estrategista de Conteúdo e de Mídias Sociais em Seattle, de onde mantém o blog Preview e, às sextas, escreve para o Blog do Noblat.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    “A compreensão do papel do ambiente na vida humana mostra que ele não apenas “cutuca ou sacode”, mas seleciona. Sua função é semelhante à da seleção natural, embora em uma escala temporal bem diferente... seu papel foi deixado de lado e é importante para uma análise consistente do comportamento.   (continua)


  •    Pistas não faltam: seja pelo jeito peculiar com que as famílias vão se transformando, seja pela rotina das cidades, a evolução dos gostos e preferências das sociedades, as apostas da ciência ou os caminhos abertos pela tecnologia, já é possível vislumbrar como será a vida de um cidadão daqui para a frente.   (continua)


  •    Nasce o ideal da nossa consciência da imperfeição da vida. Tantos, portanto, serão os ideais possíveis, quantos forem os modos por que é possível ter a vida por imperfeita. A cada modo de a ter por imperfeita corresponderá, por contraste e semelhança, um conceito de perfeição. É a esse conceito de perfeição que se dá o nome de ideal.   (continua)


  •    Elton Simões via blog do Noblat
       Não tenho o menor senso de direção. Faço parte daquele grupo de pessoas para as quais o deslocamento de um lugar a outro é sempre um desafio. O Norte parece sempre mudar de lugar. Estar pedido é não somente habitual, mas também um fato inevitável da vida.   (continua)


  •    Étienne de La Boétie morreu aos 33 anos de idade, em 1563. Deixou sonetos, traduções de Xenofonte e Plutarco e o Discurso Sobre a Servidão Voluntária, o primeiro e um dos mais vibrantes hinos à liberdade dentre os que já se escreveram.  Toda a sua obra ficou como legado ao filósofo Montaigne (1533 – 1592), seu amigo pessoal que... (continua)


  •    É duro aceitar que algumas pessoas são mais capazes e mais afortunadas do que outras. Há muito suspeitava que um dia as mulheres mais bonitas iam ser de alguma forma castigadas por nossa sociedade. Meu temor, em parte, se confirmou. Incluindo aí também um castigo para os homens mais bonitos. E por quê?   (continua)


  •    Hoje voltou o frio. Veio como havia muito não vinha. Gelou o ar, esfriou o sofá da sala, resgatou meias, casacos e dores do fundo de uma gaveta que emperra como não quisesse abrir. Chegou sabe-se lá de onde, do pacífico, dos polos congelados, do sul do país. Não importa. Aqui faz frio. Em seu sopro fresco e úmido, esse frio há de aquecer os ímpetos de alguém.   (continua)


  •    Existe no português uma palavra chamada solitude, que diferente de solidão é uma solidão voluntária, escolhida, desejada. Nós não somos muito acostumados a ligar vontade com solidão, por isso a palavra solitude é pouco usada. É meio óbvio pensar que as sociedades antigas só podiam dar nomes àquilo que elas viam ou que existia, pois é...   (continua)


Copyright 2011-2022
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília