Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 
Filtro:
texto [x]
  • É cada absurdo que se diz por aí que só vendo. Pesquisa que se fundamentam em achados não tem relação com uma metodologia de pesquisa séria e científica. É preciso ficar atento pois nem tudo o que se chama de pesquisa é verdadeiro e pode ter cheiro de verdade. Vejam isto.
     
    Por luciano guimarães, Da Folha.com
     
    Pessoas com nomes que começam do "d" vivem menos.Pessoas com nomes que começam do "d" vivem menos.
     
    Se o seu nome começa com a letra "d", tome cuidado.
     
    Você tem grandes chances de morrer antes de seus amigos cujos nomes começam com letras de "e" a "z".
     
    Pelo menos, é isso o que aponta um estudo publicado na "Death Studies".
  • Luis Fernando Veríssimo

    Sei tão pouco do motor de um carro quanto sei da alma humana. Olho o que tem debaixo do capô como se olhasse um abismo sem fundo e só peço do motor do meu carro que funcione, sem precisar entrar na sua intimidade.

    Conheço algumas partes do motor de ouvir falar, claro, como o radiador e a bateria, e simpatizo com o virabrequim apesar de não ter a menor ideia do que seja. Mas o virabrequim é o limite do meu envolvimento com o abismo. Não sei o que é o platinado, por exemplo. E me surpreendo com o número de vezes em que o platinado é citado quando busco ajuda profissional para um motor com defeito.

    Muitas vezes a opinião do mecânico precede um exame do motor.

    — Talvez seja o platinado...

  • Eliane Brum, ÉPOCA

    Em uma noite, a inglesa Naomi Jacobs foi dormir com 32 anos. Na manhã seguinte, acordou com 15. Naomi tinha perdido 17 anos de memória em um caso raríssimo de amnésia. Quando despertou, pronta para encontrar as amigas e paquerar os meninos na escola, descobriu que tudo havia mudado. Horrorizou-se com o fato de ainda morar em Manchester, ter se tornado psicóloga e ser a mãe solteira de um filho de 11 anos que não reconhecia. Não tinha familiaridade com celular nem internet, não sabia que o mundo mudara depois do 11 de setembro. Acordou pensando estar no século XX e deparou-se com o século XXI. Despertou pensando que era jovem e tinha todas as possibilidades diante dela. E descobriu que a juventude tinha passado. Em suas palavras:

  • Texto bom para ler num domingo tranquilo em casa.

    Sérgio Augusto - O Estado de S.Paulo

    Por que o prazer da lentidão desapareceu?, pergunta-se Milan Kundera na abertura de sua primeira narrativa escrita diretamente em francês, et pour cause intitulada A Lentidão, que a Companhia das Letras acaba de reeditar. Perdeu-se o hábito de curtir a lentidão neste mundo cada vez mais movido pela pressa e pelo pragmatismo, lamenta o escritor checo, saudoso dos flâneurs de antanho, dos "heróis preguiçosos das canções populares" e dos "românticos vagabundos que dormiam sob as estrelas", criaturas da ociosidade quando esta ainda não era vista, única e exclusivamente, como sinônimo de desocupação estéril e parasitária.

    Peguei para ler o livrinho de Kundera no embalo de um ciclo de palestras sobre o mais potente combustível da ociosidade: a preguiça. Magnífico tema, na contramão das rotineiras sociologorreias sobre o seu oposto, o trabalho, e também do falso bom senso moral, econômico e religioso que a condenaram como mero vício, ofensa a Deus e entrave ao progresso, pois todos os 23 palestrantes não irão apenas indultar a preguiça (do latim pigritia, cuja raiz é piger, lento), mas sobretudo exaltá-la, valorizando a figura dos ociosos espiritualmente produtivos. Ficar à toa é uma arte. O ciclo, que começa no próximo dia 11, faz parte da série Mutações, criada e orientada pelo professor Adauto Novaes.

Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  17734194 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília