Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

40 livros para ler antes de morrer

Enviado por Carmelino Filho
40-livros-para-ler-antes-de-morrer

        Por Carlos Willian Leite Da Revistas Bula vida blog Luis Nassif Online

     Escritores, jornalistas e professores foram convidados à responder a pergunta: Quais livros você levaria para uma ilha deserta? Cada participante poderia indicar entre um e dez livros de autores, de todas as épocas, brasileiros ou estrangeiros, tendo como critério principal o gosto pessoal, não importando se um determinado livro era canonizado ou desconhecido, descartável ou duradouro. Discutível como todas as listas de melhores, esta também não pretende ser abrangente e provavelmente se tivesse sido, ou for feita em outra ocasião,  o resultado seria diferente. Ela apenas reflete a opinião, do momento, dos participantes convidados. E os livros citados por eles, bons ou ruins, trazem em comum o fato de tê-los inspirado. E como escreveu Harold Bloom: “Todo mundo tem ou deveria ter uma lista de obras que lhe serviriam de companhia numa ilha deserta.” Abaixo, em ordem aleatória, os 40 livros escolhidos, sem repetir autores. 

Guerra e Paz - Liev Tolstói 

Ciência e Comportamento Humano - BF Skinner 

Grande Sertão: Veredas - Guimarães Rosa  

As Viagens de Gulliver - Jonathan Swift  

Dom Quixote - Miguel de Cervantes  

Robinson Crusoé - Daniel Defoe  

Em Busca do Tempo Perdido - Marcel Proust  

Moby Dick - Herman Melville  

O Processo - Franz Kafka  

Livro do Desassossego - Fernando Pessoa  

Os Irmãos Karamázov - Fiódor Dostoiévski           

Coração das Trevas - Joseph Conrad  

A Divina Comédia - Dante Alighieri  

Hamlet - William Shakespeare

Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis  

Pergunte ao Pó - John Fante  

Cem Anos de Solidão - Gabriel García Márquez             

A Montanha Mágica - Thomas Mann  

O Complexo de Portnoy - Philip Roth  

O Som e a Fúria - William Faulkner  

Folhas de Relva - Walt Whitman  

Os Miseráveis - Victor Hugo 

1984 - George Orwell             

Desonra - J. M. Coetzee  

O Homem Sem Qualidades - Robert Musil  

Orgulho e Preconceito - Jane Austen  

Ulisses - James Joyce  

A Terra Devastada - T.S. Eliot  

Apanhador no Campo de Centeio - J. D. Salinger 

O Príncipe - Maquiavel  

Os Sertões - Euclides da Cunha       

O Velho e o Mar - Ernest Hemingway  

Ficções - Jorge Luís Borges  

Histórias de Cronópios e de Famas - Julio Cortázar  

Madame Bovary - Gustave Flaubert             

Odisseia - Homero  

Meridiano de Sangue - Cormac McCarthy 

Fausto -  Goethe  

Lolita - Vladimir Nabókov             

O Tempo e o Vento - Erico Verissimo 

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  • "E foi então que apareceu a raposa:
    - Bom dia, disse a raposa.
    - Bom dia, respondeu o principezinho, que se voltou, mas não viu nada.
    - Eu estou aqui, disse a voz, debaixo da macieira...
    - Quem és tu? perguntou o principezinho. Tu és bem bonita...
    (continua)

  •    O blog Mundo de K resgatou uma publicação do Times Literatury Suplement sobre os 100 libros mais influentes da história, com direito a indicação de leitura extra como entrevistas ou resenhas sobre as obras elencadas. O autor do blog faz uma ressalva...   (continua)


  •    Aniversário de 115 anos do poeta maior, Carlos Drummond de Andrade (1902-1987). Imagino nesse momento, no Paraíso, Drummond, Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Antônio Carlos Jobim, Manuel Bandeira e Vinícius de Moraes.   (continua)


  •    Eloá Heise, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, conversa com Rodrigo Simon sobre Fausto, obra do escritor alemão Johann Goethe. Eloá fala sobre a figura histórica de Fausto e a busca do homem pelo sentido da vida.


  •    Por que será que cada vez mais mãe e pai têm dificuldades de educar os filhos? Cada vez mais os consultórios de terapeutas são procurados por eles, bem intencionados mas desconhecendo o que fazem de errado na educação de seus filhos.   (continua)


  •    Liesel Meminger enfrenta a morte cara a cara três vezes. Sobrevive de cara lavada. De tão impressionada, a Dona Morte, ela mesma, decide contar a história da menina, que se habituou, desde cedo, a roubar livros, como forma de prosseguir a viver e a sonhar em meio a mil palavras perdidas.   (continua)


  •    Eduardo Galeano nasceu em Montevidéu, em 1940. Mais que o Galeano conhecido por qualquer um que já tenha ouvido falar de "uma américa latina de veias abertas", ele é o autor das palavras que andam, do mundo que vaga, dos mais de 30 títulos traduzidos em mais de 20 idiomas.   (continua)


  • Trecho do livro 'Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra', Mia Couto.

       "A vantagem de ser pobre é saber esperar. Esperar sem dor. Porque é espera sem esperança. Mariano sofria sem pressa. Isso, ele me ensinara: o segredo é demorar o sofrimento, cozinhá-lo em lentíssimo fogo, até que ele se espalhe, diluto, no infinito do tempo."   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília