Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

A bela lição de vida de Clint Eastwood

Enviado por Gilberto Godoy
a-bela-licao-de-vida-de-clint-eastwood

 

     Blog de Ricardo Kotscho

     Ao contrário do nosso sábio Ruy Castro, pouco entendo de cinema e tenho péssima memória para lembrar dos filmes e atores que vi nas telas, mas gosto muito de falar de histórias de vida.
 
     Por isso me deu vontade de escrever hoje sobre o ator e diretor Clint Eastwood (não me lembro dos filmes dele a que já assisti). "Você precisa ler esta entrevista", foi logo me dizendo minha mulher assim que cheguei à casa do Toque Toque Pequeno para encontrar a família.
 
     Sobre a mesa estava a edição da "Istoé" desta semana. O título da entrevista que ele deu a Elaine Guerini, em Los Angeles, já diz tudo: "O trabalho me mantém jovem".
 
     A repórter conta que, na semana anterior, Clint aceitou ser capa da revista do jornal francês "Le Monde" com a condição de não ter suas rugas apagadas pelo photoshop. De fato, o grande ator está com cara de velho, mas a entrevista mostra um moço cheio de energia com vontade de fazer muito mais coisas na vida.
 
     Uma declaração dele, em particular, me chamou a atenção: "Esperava ter me aposentado 30 anos atrás. Como não aconteceu, será preciso mais do que uma dor nas costas para me fazer parar".
 
     Com a mesma idade, já aposentado depois de 35 anos de serviço, pensei a mesma coisa no verão da virada do milênio aqui neste mesmo lugar.
 
     Já meio cansado de fazer as mesmas coisas a vida toda, viajando pelo país e pelo mundo como repórter, e após uma boa temporada trabalhando como diretor de jornalismo na televisão, pensei em largar tudo para escrever um livro.
 
     A ideia, que cheguei a conversar com alguns amigos editores, era exatamente contar a história de uma guinada radical na vida, mostrando a nova rotina do sujeito que decide ir morar na praia, longe do mundo das notícias.
 
     Já tinha até o título _ "Diário de um Vagabundo" _ e comecei a fazer algumas anotações durante as férias. Enchi um caderno com as lembranças de velhos pescadores, brigas de cachorros, baleias encalhadas, barcos virados, corridas de canoa. A familia e os amigos foram voltando para a cidade grande e eu fui ficando. Claro que não aguentei muito tempo.
 
     Encontrar todos os dias as mesmas poucas pessoas, em meio ao tédio da antiga vila de pescadores fora da temporada, conversando sobre o tempo e as marés, certamente não me renderia um livro muito emocionante. Quem iria querer ler este diário?
 
     Convencido de que cada nós tem um destino e não há como fugir muito dele, em dois meses estava de volta a uma redação trabalhando como repórter, ofício que exerço até hoje.
 
     De vez em quando também me dá dor nas costas de tanto escrever, além de outros achaques da saúde comuns a quem nunca cuidou muito do próprio corpo.
 
     Não é o caso de Clint Eastwood. A colega Guerini conta que ele "levanta pesos todos os dias de manhã, antes de encarar um dia de filmagem. Mas é o trabalho, mais do que tudo, que para ele o mantém com espírito jovial e ainda em atividade".
 
     Agora mesmo ele está lançando um novo filme como diretor. Com lançamento programado no Brasil para o próximo dia 27,  "J. Edgar" é uma cinebiografia sobre a trajetória pessoal e profissional de J. Edgar Hoover, que foi por 48 anos chefe do FBI. Clint quer mostrar o que leva uma pessoa a não largar o osso do poder, qualquer que seja o preço.
 
     Uma das passagens da entrevista mostra a bela lição de vida deste jovem de 81 anos, dono do seu tempo. "Tenho com o cinema a mesma relação que tenho com o golfe. Adoro jogar golfe, mas não quero ter a obrigação de praticá-lo todos os dias. Claro que aprecio o fato de ainda ter o que fazer, o trabalho me mantém jovem".
 
     Um bom exemplo para ele é o cineasta português Manoel de Oliveira, que, aos 103 anos, continua no batente, como o nosso grande Oscar Niemeyer. Será que Clint também chega lá?
 
     "É cedo para dizer. Conheci Manoel no Festival de Cannes, anos atrás, quase perguntei: qual o uísque que o senhor toma? Manoel ainda tem muita vitalidade, como quem está determinado a chegar aos 110. Às vezes, até fico desconfiado. Ou ele é mesmo incrível ou andou mentindo. Talvez Manoel esteja com 60 anos e diga ter passado dos 100 só para ouvir as pessoas dizerem que ele ainda está bem para a idade...".
 
     Quando nos dizem que estamos bem para a idade, é porque estamos ficando velhos. Para mim, a idade varia conforme o dia. Tem dias que me sinto com 30; em outros, com mais de 100. Não importa. O que importa mesmo é que a gente tenha o que fazer, goste do que faz e procuro fazer bem feito.
 
     Por isto estou aqui a escrever neste belo sábado de sol enquanto os netos brincam na piscina. Tem vida melhor?
 
     Identifiquei-me de cara com ele.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Ela entrou, deitou-se no divã e disse: "Acho que estou ficando louca". Eu fiquei em silêncio aguardando que ela me revelasse os sinais da sua loucura. "Um dos meus prazeres é cozinhar. Vou para a cozinha, corto as cebolas, os tomates, os pimentões , é uma alegria! Entretanto...   "   (continua)


  •    Sou, com frequencia, chamado a fazer palestras para turmas de formandos. Orgulha-me poder orientar jovens em seus primeiros passos profissionais. Há uma palestra que alguns podem conhecer já pela web, mas queria compartilhar seus fundamentos com os leitores da coluna.   (continua)


  •     Texto de Marina Colasanti na voz de Juca de Oliveira.
       "Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia. A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E porque não tem vista, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas.   (continua)


  •    “E no meio dessa confusão alguém partiu sem se despedir; foi triste. Se houvesse uma despedida talvez fosse mais triste, talvez tenha sido melhor assim, uma separação como às vezes acontece em um baile de carnaval, uma pessoa se perde da outra, procura-a...   (continua)


  •    Você está feliz com o que você ganha? Ou você está feliz, porque você ganha mais do que seu vizinho? Pesquisadores da Universidade de Warwick e Cardiff, ambas da Grã-Bretanha, descobriram que o dinheiro só traz felicidade se ao mesmo tempo...   (continua)


  •    A lista de mortos da gente vai aumentando com o tempo. Quando eu era pequena não tinha noção desse morre e nasce. Mesmo porque ninguém meu morria. Tudo tinha um quê tão definido de eternidade, tudo durava tanto e a vida não faltava; a vida era pontual como...   (continua)


  •    O cinismo nasceu idealista, otimista mesmo. Na Grécia Antiga, o cinismo começou como corrente filosófica que pregava que o propósito da vida era viver na virtude, de acordo com a natureza. Seus praticantes eram chamados de cínicos. Os cínicos gregos...   (continua)


  •    Você já parou para pensar no autoengano? Todos nós estamos familiarizados, de uma forma ou de outra, com as mentiras. Alguns são mais corajosos e admitem que são capazes de mentir, outros não admitem essa fraqueza.   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília