Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

A Medicina e os cães - Theófilo Silva

Enviado por Gilberto Godoy
a-medicina-e-os-caes---theofilo-silva

     Tempos difíceis para os doentes, aqueles do século XVII em que Shakespeare viveu. Trago um exemplo da peça Ricardo II que nos dá um quadro bem diferente dos dias de hoje. Velho e doente, João de Gante, outrora poderoso duque, lamenta o banimento de seu filho pelo Rei Ricardo II, fato que contribuirá para apressar seus dias. Ricardo responde: “ora, meu tio, tendes muitos ainda por viver”. A resposta de Gant é pronta e sábia: “Mas não podeis alongá-los, rei, nem um só minuto. Podeis encurtar meus dias e retirar minhas noites; mas não vos é dado conceder-me um amanhã”.

     Hoje, a medicina pode conceder-nos uma amanhã, um ano ou até mesmo décadas. A medicina faz milagres. Apontei o século XVII, o que viveu Shakespeare – e da descoberta da circulação do sangue por Harvey – mas essas dificuldades vão até a segunda metade do século XIX, quando a dor é suprimida nas cirurgias, com o advento da anestesia. Uma outra grande revolução viria a ocorrer na década de quarenta, com a descoberta da penicilina, a mãe dos antibióticos. Hoje, a maioria das pragas estão erradicadas – continuam na África – Sarampo, Poliomielite, Cólera, Tuberculose, Sífilis, Lepra, Difteria e outros males horríveis fazem parte do passado.

     A tecnologia aliou-se a ciência médica e tem feitos coisas inimagináveis no que diz respeito à cura de doenças. Dia a dia novas descobertas são acrescentadas prolongando a vida do homem. Se a média de idade de um europeu no início do século XX era de 36 anos, hoje na Holanda é de 80 anos. Mais que o dobro de um século atrás. O mapeamento da hélice de DNA antecipará a cura de doenças genéticas. A clonagem de animais a partir de uma única célula já se permite pensar na reprodução de seres humanos semelhantes. Uma situação que produz calafrios em todos nós. Essa assustadora possibilidade criou uma nova ciência, a Bio-Ètica. E mesmo que o Câncer e a AIDS continuem levando muitas almas, hoje se vive mais e melhor.

     Mas, infelizmente, essa revolução na medicina tornou o homem um refém de um emaranhado de redes. Vejo que há uma relação promíscua entre laboratórios, hospitais, farmácias e médicos. As farmácias familiares não existem mais, hoje gigantescas redes controlam o mercado. A poderosa indústria farmacêutica, quase toda estrangeira, tem um controle quase absoluto sobre suas fórmulas. Os hospitais de uma determinada região são quase todos controlados por monopólios. Muitos médicos se tornaram reféns das indústrias de equipamentos médicos e dos laboratórios, que lhes ditam soluções prontas para todas as enfermidades. A maioria dos médicos apenas repete o que os laboratórios dizem. Quase não espaço para interpretações.

     O doente, hoje, é visto na maioria das vezes como uma fonte de renda a ser explorada. Cartões de fidelidade a um único medicamento, com um suposto sistema de descontos, prendem o doente a um tipo de contrato que pode durar meio século. Há uma guerra permanente entre laboratórios e redes de farmácia por esse doente/cliente.

     O abuso no tratamento de pacientes idosos em UTIs é uma constante. Já, as crianças são pacientes indesejáveis. Se João de Gante, rico como era, pertencesse aos nossos dias, teria vivido muitos mais tempo, e consumido seu dinheiro em leito de hospitais.

     Quando o tirano Macbeth disse: ‘atirai a medicina aos cães! Não preciso dela”. Relembro a resposta de seu médico: “atos contra a natureza geram desordens contra a natureza”. Precisamos desses médicos conscienciosos que digam não ao mercantilismo, e existem muitos deles, que vejam as pessoas como gente e não como investimento. A medicina está cercada de cães, precisamos afastá-los para que eles não nos afastem de nossos médicos.

     Theófilo Silva é Presidente da Sociedade Shakespeare de Brasília e Colaborador da Rádio do Moreno.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Ela entrou, deitou-se no divã e disse: "Acho que estou ficando louca". Eu fiquei em silêncio aguardando que ela me revelasse os sinais da sua loucura. "Um dos meus prazeres é cozinhar. Vou para a cozinha, corto as cebolas, os tomates, os pimentões , é uma alegria! Entretanto...   "   (continua)


  •    Sou, com frequencia, chamado a fazer palestras para turmas de formandos. Orgulha-me poder orientar jovens em seus primeiros passos profissionais. Há uma palestra que alguns podem conhecer já pela web, mas queria compartilhar seus fundamentos com os leitores da coluna.   (continua)


  •     Texto de Marina Colasanti na voz de Juca de Oliveira.
       "Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia. A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E porque não tem vista, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas.   (continua)


  •    “E no meio dessa confusão alguém partiu sem se despedir; foi triste. Se houvesse uma despedida talvez fosse mais triste, talvez tenha sido melhor assim, uma separação como às vezes acontece em um baile de carnaval, uma pessoa se perde da outra, procura-a...   (continua)


  •    Você está feliz com o que você ganha? Ou você está feliz, porque você ganha mais do que seu vizinho? Pesquisadores da Universidade de Warwick e Cardiff, ambas da Grã-Bretanha, descobriram que o dinheiro só traz felicidade se ao mesmo tempo...   (continua)


  •    A lista de mortos da gente vai aumentando com o tempo. Quando eu era pequena não tinha noção desse morre e nasce. Mesmo porque ninguém meu morria. Tudo tinha um quê tão definido de eternidade, tudo durava tanto e a vida não faltava; a vida era pontual como...   (continua)


  •    O cinismo nasceu idealista, otimista mesmo. Na Grécia Antiga, o cinismo começou como corrente filosófica que pregava que o propósito da vida era viver na virtude, de acordo com a natureza. Seus praticantes eram chamados de cínicos. Os cínicos gregos...   (continua)


  •    Você já parou para pensar no autoengano? Todos nós estamos familiarizados, de uma forma ou de outra, com as mentiras. Alguns são mais corajosos e admitem que são capazes de mentir, outros não admitem essa fraqueza.   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília