Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Bons e maus darwinistas - Luis Fernando Veríssimo

Enviado por Gilberto Godoy
bons-e-maus-darwinistas---luis-fernando-verissimo

     Darwinistas bem pensantes se vêm frequentemente obrigados a explicar que aceitar tudo que Darwin disse a respeito de seleção natural, sobrevivência dos mais fortes etc. não significa acreditar que o que se aplica aos animais também se aplica aos homens. Ou seja, darwinismo social, não.

     O próprio Richard Dawkins, o darwinista mais conhecido em atividade hoje, já disse em mais de um dos seus textos ser possível viver num universo amoral, o universo darwiniano em que a única regra é a vitória do que ele mesmo chama de “gene egoísta” na competição pela vida, e cobrar da sociedade humana um comportamento moral.

     Darwinistas mal pensantes, claro, não precisam explicar nada. Para eles o darwinismo social justifica mercados desregulados, empreendedores aéticos e todas as manifestações do gene egoísta que tornam o capitalismo selvagem parecido com o mundo natural.

     Darwin só não ganhou seu lugar na galeria dos heróis da livre empresa, ao lado do Adam Smith, porque são raros os poderosos e endinheirados que não atribuem sua boa fortuna a Deus, em vez da evolução.

     Mesmo antes de Darwin nos dar a incômoda notícia de que todos descendíamos de macacos (menos os meus antepassados, que foram adotados) e que pertencíamos a uma espécie tão sem caráter quanto qualquer outra, essa divisão entre o que éramos e o que pretendíamos ser já existia.

     O capitalismo moderno e a moral burguesa nasceram juntos e desde então vêm coexistindo nem sempre pacificamente. Há muito tempo vivemos em dois universos simultaneamente, um em que o poder do dinheiro tudo determina, da nossa vida política à nossa digestão — com picos de ganância sem controle do capital financeiro como o que originou a crise atual —, e outro em que ignoramos esta omnipotência e nos imaginamos seres racionais e até altruístas, ou em nada parecidos com um macaco egoísta.

     Uma forma do bom darwinista conciliar sua crença na evolução amoral das espécies e sua crença de que o Homem é diferente é cultivar a ideia de que o desenvolvimento da consciência humana foi, mais do que uma evolução natural, uma mudança radical na história dos habitantes deste planeta.

     Como nenhum outro bicho, somos conscientes de nós mesmos, do nosso passado e dos nossos possíveis futuros. Consciência não muda o poder do dinheiro nem assegura um comportamento moral da nossa espécie — ainda. Mas nos próximos milhões de anos, quem sabe?

     A evolução ainda não terminou.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  • "Privatizaram sua vida, seu trabalho, sua hora de amar e seu direito de pensar.
    É da empresa privada o seu passo em frente, seu pão e seu salário.
    E agora não contente querem privatizar o conhecimento...
    (continua)


  •    Ao ser transportado pela leveza de uma escada rolante, meus olhos ávidos já enxergam ao longe, além das paredes de vidro , os livros. De súbito, sou tomando por uma excitação trêmula que vem de dentro do meu corpo...   (continua)


  •    Tenho um amigo, francês, que aqui vou chamar de Pierre. Radicado no Brasil há uma década, Pierre é reputado por seu senso de humor refinado, visão estratégica e predileção por boas cervejas. Quase todas as vezes que marquei algo com Pierre, fosse um almoço, café ou...   (continua)


  •    Existe uma crença em nossa sociedade de que é melhor gastar nosso dinheiro com algo palpável, com longa duração, em vez de gastá-lo com eventos e experiências que passam e não voltam nunca mais. E que isso nos trará mais satisfação a longo prazo.   (continua)


  •    Com sorrisos cada vez mais raros e sem poder de contagiar; com impaciência ao invés de brincadeiras e um torturante silêncio onde deveriam existir palavras e palavras, cada vez mais pessoas vivenciam a solidão a dois...   (continua)


  •    O livro 'Guia politicamente incorreto da filosofia' de Luiz Felipe Pondé tá dando o que falar. Abaixo um texto de Pondé, com algumas ideias filosóficas... "Ao ser indagado se não tinha esperanças, Kafka disse, “esperanças há muitas, mas não para nós”. Janouch narra...   (continua)


  • "Tua força interior e tuas convicções não tem idade.
    Teu espírito é o espanador de qualquer teia de aranha.
    Atrás de cada linha de chegada, há uma de partida.
    Atrás de cada trunfo, há outro desafio.
    (continua)


  •    “Meu companheiro de vida será um homem corajoso de trabalho,
 servidor do próximo, 
honesto e simples, de pensamentos limpos.
 Teremos padarias e muitos filhos. Cada nascer de um filho 
será marcado com o plantio de uma árvore simbólica. 
  (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília