Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Como mudar o mundo - Eric Hobsbawm

Enviado por Gilberto Godoy
como-mudar-o-mundo---eric-hobsbawm

    Em um mundo que passa por uma recente crise econômica e algumas rachaduras no capitalismo, o historiador Eric Hobsbawm, um dos maiores defensores do socialismo, apresenta uma série de ensaios autorais sobre o marxismo, escritos ao longo dos últimos 50 anos, constituindo um importante material de reflexão sobre os séculos XIX e XX. Mais do que isso,  o autor tenta montar alguma base do que podemos esperar do  tempo em que vivemos, mesmo que de forma abstrata.

     Com um título sugestivo, espera-se que “Como mudar o mundo – Marx e o Marxismo“, (assim mesmo, sem nenhuma interrogação, mas sim uma afirmação, soando até mesmo como um manual), apresentaria respostas ou palpites sobre a situação econômica atual e rumos a serem trilhados, mas os leitores que se aventurarem por esse material encontrarão, assim como na própria história que vai além dos livros didáticos, mais incertezas do que respostas. O título vem do questionamento essencial para a mudança, como sugere o próprio autor:  ”Não podemos prever as soluções dos problemas com que se defronta o mundo no século 21, mas quem quiser solucioná-los deverá fazer as perguntas de Marx, mesmo que não queira aceitar as respostas dadas por seus vários discípulos”.

Outra expectativa a ser quebrada, é a busca por textos claros e explicativos sobre o socialismo e suas várias vertentes políticas. Nesse quesito, o livro praticamente não traz contribuição, pois trata-se muito mais de uma reflexão do que informação de forma direta. Já no próprio prefácio, o autor alerta que a maioria dos capítulos é dirigida a um público que possue um interesse maior pelo Marxismo, além de curiosidade.

     A ideia proposta, em teoria, pelo autor, é tentar analisar o marxismo como teoria sem associá-lo a modelos práticos que puderam ser eventualmente distorcidos de sua essência. Digo “em teoria” por dois motivos: Primeiramente,    porque é difícil analisar Marx sem esbarrar em suas aplicações históricas, mesmo que equivocadas. É algo que vai além das páginas do livro e está na nossa própria memória coletiva; Em segundo lugar, porque acredito que esta já é uma opção com algum direcionamento político.  O autor reserva, por exemplo, vagos momentos ao citar Trotsky e Lênin, o que é, de certo modo, ignorar uma grande contribuição do marxismo colocado em prática, além de tratar o stalinismo como um exemplo de regime socialista, mesmo reconhecendo que ele é uma má memória para as pessoas. Além disso, ele elege Gramsci em posição de destaque.

     Com tudo isso, o foco histórico dos ensaios de Hobsbawm não são os regimes que viveram o socialismo ou se posicionar a favor ou contra, mas sim mostrar os motivos que levaram a sociedade a se afastar e aproximar do socialismo em diferentes pontos da história, além de perceber como o pensamento marxista se aplica à memória, desejos e vontades da sociedade,  e como ele é uma corrente fundamental de pensamento para desencadear vários fatos nesses  anos. O fato é que O capital  é “quase profético” em diversos pontos, ao falar sobre uma crise econômica e uma situação onde poucos possuem muitos bens e dinheiro. Marx, quando morreu, pouco veria as contribuições políticas e históricas que os seus ideais causaram no mundo.

     Título original: How to change the world
     Tradução: Donaldson M. Garschagen
     Páginas: 424

     Fonte: Ingrid Coelho do blog Meia Palavra

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  • "E foi então que apareceu a raposa:
    - Bom dia, disse a raposa.
    - Bom dia, respondeu o principezinho, que se voltou, mas não viu nada.
    - Eu estou aqui, disse a voz, debaixo da macieira...
    - Quem és tu? perguntou o principezinho. Tu és bem bonita...
    (continua)

  •    O blog Mundo de K resgatou uma publicação do Times Literatury Suplement sobre os 100 libros mais influentes da história, com direito a indicação de leitura extra como entrevistas ou resenhas sobre as obras elencadas. O autor do blog faz uma ressalva...   (continua)


  •    Aniversário de 115 anos do poeta maior, Carlos Drummond de Andrade (1902-1987). Imagino nesse momento, no Paraíso, Drummond, Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Antônio Carlos Jobim, Manuel Bandeira e Vinícius de Moraes.   (continua)


  •    Eloá Heise, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, conversa com Rodrigo Simon sobre Fausto, obra do escritor alemão Johann Goethe. Eloá fala sobre a figura histórica de Fausto e a busca do homem pelo sentido da vida.


  •    Por que será que cada vez mais mãe e pai têm dificuldades de educar os filhos? Cada vez mais os consultórios de terapeutas são procurados por eles, bem intencionados mas desconhecendo o que fazem de errado na educação de seus filhos.   (continua)


  •    Liesel Meminger enfrenta a morte cara a cara três vezes. Sobrevive de cara lavada. De tão impressionada, a Dona Morte, ela mesma, decide contar a história da menina, que se habituou, desde cedo, a roubar livros, como forma de prosseguir a viver e a sonhar em meio a mil palavras perdidas.   (continua)


  •    Eduardo Galeano nasceu em Montevidéu, em 1940. Mais que o Galeano conhecido por qualquer um que já tenha ouvido falar de "uma américa latina de veias abertas", ele é o autor das palavras que andam, do mundo que vaga, dos mais de 30 títulos traduzidos em mais de 20 idiomas.   (continua)


  • Trecho do livro 'Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra', Mia Couto.

       "A vantagem de ser pobre é saber esperar. Esperar sem dor. Porque é espera sem esperança. Mariano sofria sem pressa. Isso, ele me ensinara: o segredo é demorar o sofrimento, cozinhá-lo em lentíssimo fogo, até que ele se espalhe, diluto, no infinito do tempo."   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília