Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Dinheiro traz felicidade?

Enviado por Gilberto Godoy
dinheiro-traz-felicidade-

     Segundo este estudo dinheiro não traz felicidade. Mas que ajuda, ajuda!

    Você está feliz com o que você ganha? Ou você está feliz, porque você ganha mais do que seu vizinho? Pesquisadores da Universidade de Warwick e Cardiff, ambas da Grã-Bretanha, descobriram que o dinheiro só traz felicidade se ao mesmo tempo melhora a sua condição social: ganhar bem não é o suficiente para ser feliz, as pessoas devem saber que ganham mais que seus amigos e colegas.

     De acordo com Chris Boyce do Departamento de Psicologia da Universidade de Warwick e autor do estudo, continuamos a acreditar que o dinheiro é o maior sinal de sucesso.

    - "Nosso estudo mostra que a corrida ao status significa que as pessoas simplesmente se esforçam para agradar os outros", disse.

     No estudo, intitulado "Dinheiro e Felicidade: o nível de renda, determina a satisfação com a vida", os pesquisadores tentaram explicar por que, apesar do crescimento econômico que levou a um aumento substancial no salário médio, em alguns países, as pessoas não aumentaram a sua felicidade nos últimos 40 anos.

     Para fazer isso, os pesquisadores estudaram os dados dos últimos sete anos, em renda e satisfação de vida das famílias amostradas no British Household Panel Survey britânico. Eles descobriram que a satisfação foi maior quando relacionada com a posição social do rendimento da pessoa, que, quando comparado apenas com o que ganhou.

     A este respeito, Boyce disse que o dinheiro pouco contribui para o bem-estar do indivíduo: - "Ele tem sua importância, mas a consideração de qualquer benefício criado pelo dinheiro, pode ser perdida quando é contrastada com as dos outros."

     No mesmo sentido, a pesquisa apontou que há maneiras de ser mais eficiente desfrutando o tempo com amigos e familiares, do que muitas vezes sacrificando-se em busca de riqueza.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Ela entrou, deitou-se no divã e disse: "Acho que estou ficando louca". Eu fiquei em silêncio aguardando que ela me revelasse os sinais da sua loucura. "Um dos meus prazeres é cozinhar. Vou para a cozinha, corto as cebolas, os tomates, os pimentões , é uma alegria! Entretanto...   "   (continua)


  •    Sou, com frequencia, chamado a fazer palestras para turmas de formandos. Orgulha-me poder orientar jovens em seus primeiros passos profissionais. Há uma palestra que alguns podem conhecer já pela web, mas queria compartilhar seus fundamentos com os leitores da coluna.   (continua)


  •     Texto de Marina Colasanti na voz de Juca de Oliveira.
       "Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia. A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E porque não tem vista, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas.   (continua)


  •    “E no meio dessa confusão alguém partiu sem se despedir; foi triste. Se houvesse uma despedida talvez fosse mais triste, talvez tenha sido melhor assim, uma separação como às vezes acontece em um baile de carnaval, uma pessoa se perde da outra, procura-a...   (continua)


  •    A lista de mortos da gente vai aumentando com o tempo. Quando eu era pequena não tinha noção desse morre e nasce. Mesmo porque ninguém meu morria. Tudo tinha um quê tão definido de eternidade, tudo durava tanto e a vida não faltava; a vida era pontual como...   (continua)


  •    O cinismo nasceu idealista, otimista mesmo. Na Grécia Antiga, o cinismo começou como corrente filosófica que pregava que o propósito da vida era viver na virtude, de acordo com a natureza. Seus praticantes eram chamados de cínicos. Os cínicos gregos...   (continua)


  •    Você já parou para pensar no autoengano? Todos nós estamos familiarizados, de uma forma ou de outra, com as mentiras. Alguns são mais corajosos e admitem que são capazes de mentir, outros não admitem essa fraqueza.   (continua)


  •    Nós homens nos caracterizamos por ser o sexo forte, embora muitas vezes caiamos por debilidade. Um dia, minha irmã chorava em sua casa… Com muita saudade, observei que meu pai chegou perto dela e perguntou o motivo de sua tristeza.   (continua)


Copyright 2011-2017
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: iDev Web