Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Do fim da história à guerrra preventiva

Enviado por Gilberto Godoy
do-fim-da-historia-a-guerrra-preventiva

     Maurício Santoro - Fundação Getúlio Vargas

     Entre 1989 e 1991 a História acabou, ou assim nos garantiu Francis Fukuyama. O mundo rumaria para a economia de livre mercado e para a democracia. O período dos grandes embates ideológicos havia terminado e seria substituído por variações sobre o tema do American way of life. Essa visão – otimista ou arrogante, conforme a perspectiva – ruiu ao longo dos violentos conflitos étnicos e religiosos da década de 1990, com os genocídios na Iugoslávia e em Ruanda, a vitória dos Talibãs na guerra civil do Afeganistão, o colapso do Estado no Congo, a nova Intifada na Palestina. Quando o World Trade Center e o Pentágono foram atingidos em 11 de setembro de 2001, acionaram um imenso catalisador político, que levou ao centro da agenda pública dos Estados Unidos ideias e propostas que haviam surgido nos anos anteriores, mas permaneciam às margens do debate.

     A mais importante delas: Washington deveria abandonar a estratégia diplomática da Guerra Fria, de contenção aos Estados inimigos, e substituí-la por políticas de guerras preventivas, para impedir a ascensão de potências regionais que pudessem desafiar sua hegemonia em regiões-chave do planeta. Afinal, não havia agora uma superpotência rival que vetasse as ambições militares do país.

     A idéia havia sido proposta pela primeira vez em 1990-1, durante a Guerra do Golfo, quando um grupo de intelectuais de direita havia sugerido ao presidente George Bush (pai) aproveitar a oportunidade para depor Saddam Hussein e usar o Iraque como base para um redesenho estratégico do Oriente Médio. A iniciativa foi rejeitada. Hussein foi expulso do Kuweit e das fronteiras com a Arábia Saudita, mas Washington optou por mantê-lo no poder, por temer os riscos da fragmentação iraquiana. O regime de Hussein foi contido por meio de combinação de sanções econômicas, zonas de exclusão aérea, inspeções de armas, ataques militares pontuais e alianças dos Estados Unidos com minorias étnicas no Iraque, como os curdos. Grosso modo, a linha foi seguida pelo sucessor de Bush, Bill Clinton, em seus dois mandatos na Casa Branca (1993-2001).

     Mas a sucessão de crises diplomáticas da década de 1990 levou a redefinições das preocupações com a segurança nacional dos Estados Unidos. A União Soviética havia entrado num colapso tão profundo que o principal receio era que a Rússia se tornasse fraca demais para garantir a estabilidade no Cáucaso, na Ásia Central e o controle sobre seu próprio arsenal nuclear. A China trilhava o caminho da ascensão pacífica no sistema internacional, jogando de acordo com as regras da ONU, negociando para ingressar na Organização Mundial Comércio e garantindo manufaturas baratas e fluxos financeiros para sustentar o alto padrão de consumo e de endividamento dos EUA. União Européia e Japão seguiam como aliados que não questionavam os pontos essenciais da política externa de Washington. Restava o mundo em desenvolvimento – e ele vinha se mostrando surpreendentemente turbulento.

     Declaram vitórias em ambos os conflitos, mas deixarão para trás dois países destruídos e fragmentados

     Na década que precedeu o 11 de setembro, acadêmicos, jornalistas e líderes políticos passaram a apontar que os maiores riscos aos Estados Unidos vinham de ameaças não-estatais na periferia global: crime organizado, epidemias, migrações descontroladas, expansão do fanatismo religioso e do terrorismo. Era um mundo de perigos difusos, difíceis de controlar e que em muitos casos eram alimentados pelas próprias forças da globalização e das fronteiras mais fluidas essenciais para a prosperidade da economia internacional. Nenhum Estado tinha capacidade ou disposição para desafiar Washington numa guerra convencional. Mas grupos e indivíduos poderiam fazê-lo por meios heterodoxos, em formas de conflito cujo significado conceitual os especialistas ainda tentam definir – guerra assimétrica, irregular, de 4ª geração.

     Bin Laden não inventou esses medos, mas os fortaleceu e legitimou perante grande parte da opinião pública dos Estados Unidos a necessidade de amplas ações militares no Oriente Médio, para destruir as difusas redes do terrorismo e do extremismo político da Al-Qaeda e dos Talibãs. O velho lobby da guerra no Iraque, em segundo plano desde 1991, voltou à tona com força total e conseguiu convencer a população de que Saddam Hussein havia se envolvido com o 11 de setembro e que era preciso travar uma guerra preventiva contra o ditador, antes que ele usasse suas armas de destruição em massa num ataque contra os EUA. Os planos eram ambiciosos – destruir os regimes autoritários hostis na região, substituí-los por democracias pró-Ocidente e usá-las como aliadas para pressionar as ditaduras amigas, como a Arábia Saudita e conseguir um acordo de paz entre Israel e os palestinos.

     Entre os atentados de 2001 e as guerras no Afeganistão e no Iraque, morreram cerca de 10 mil americanos e um número impreciso de pessoas nos dois países asiáticos – as estimativas oscilam entre 100 mil e 600 mil apenas entre a população iraquiana. A Al-Qaeda foi enfraquecida e Bin Laden assassinado após uma década de caçada. Mas os Talibãs se reorganizaram no Paquistão, alteraram sua estratégia para se aliar a outros grupos étnicos além de seu núcleo pashtun e transformaram 2011 no ano mais sangrento da guerra do Afeganistão. Os Estados Unidos se retiram até dezembro do Iraque e tirarão dois terços de suas tropas do território afegão até suas eleições presidenciais de novembro de 2012. Declaram vitórias em ambos os conflitos, mas deixarão para trás dois países destruídos e fragmentados, caldeirões de ódios étnicos e religiosos.

     A História é claro, não acabou, mas mudou o endereço de seus protagonistas. As multidões de jovens anônimos que derrubaram ditaduras na Tunísia, Egito e Líbia tornaram-se mais influentes do que as doutrinas dos Estados Unidos e do que os exércitos que atravessam o Oriente Médio. O sul global pode ser fonte de ameaças, mas também é de esperanças e renovação democrática. A Primavera Árabe já cruzou o Mediterrâneo para os protestos juvenis na Europa, oxalá atravesse também o Atlântico para revitalizar a combalida democracia nos EUA

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Setenta e três anos do Desembarque na Normandia, também conhecido como o Dia D. Na terça-feira, 6 de junho de 1944, foi o pontapé da Operação Overlord (ou Netuno), o início da invasão aliada contra a ocupação alemã. Operação essa que mudou o curso da Segunda Guerra Mundial contra os nazistas e que marcou definitivamente o começo do fim do conflito.   (continua)


  •    O Archivum Secretum Apostolicum Vaticanum foi criado pelo papa Paulo V em 1612 para resguardar os documentos pessoais dos papas. Muitos destes documentos têm valor histórico já que são evidência direta do envolvimento da Igreja em questões políticas em todo mundo, desde a correspondência com líderes mundiais e os...   (continua)


  •      Por Vaas da Obvious Mag
       O cristianismo adotou a cruz como seu símbolo máximo e, desse modo, percorreu a história, influenciando as culturas por meio de sua imagem icônica e de sua mensagem redentora. A cruz, por meio da religião, se tornou num dos mais recorrentes, poderosos e importantes temas da história da arte.   (continua)


  •    O usuário derDon1234 do YouTube fez um desses trabalhos épicos que por verdade deveria ser assistido por todos. Um inestimável vídeo compilatório de cunho histórico, com os acontecimentos mais importantes da história do mundo nos últimos cem anos (1911 a 2011) em dez minutos, com ênfase especial para os conflitos bélicos. Imperdível !


  •    "Até quando, ó Catilina, abusarás da nossa paciência? Por quanto tempo ainda há-de zombar de nós essa tua loucura? A que extremos se há-de precipitar a tua audácia sem freio? Nem a guarda do Palatino, nem a ronda nocturna da cidade, nem os temores do povo, nem a afluência de todos os homens de bem...   (continua)


  •    A Revolução Russa de 1917 foi uma série de eventos políticos na Rússia, que, após a eliminação da autocracia russa, e depois do Governo Provisório (Duma), resultou no estabelecimento do poder soviético sob o controle do partido bolchevique. O resultado desse processo foi a criação da União Soviética, que durou até 1991.   (continua)


  •    Em 18 de julho de 1965, o oficial estadunidense Jeremiah Andrew Denton Jr. participava de uma missão de bombardeio no Vietnam quando seu avião foi derrubado. Ele e seu copiloto, Bill Tschudy, foram capturados. Levados a um campo de prisioneiros de guerra nos arredores de Hanói, passaram a...   (continua)


  •    Em junho deste ano, Open Culture publicou o filme de 15 minutos "The Fallen of World War II" de Neil Halloran, que utiliza inovadoras técnicas de visualização de dados para pôr em perspectiva o custo humano da Segunda Guerra Mundial mostrando como, entre 1939 e 1945, se perderam...   (continua)


Copyright 2011-2019
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília