Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Elegância - Leticia Constant

Enviado por Gilberto Godoy
elegancia---leticia-constant

     Foi num fim de manhã deste outono, lembro que ventava muito, pois me marcou o movimento dos cabelos estapeados das pessoas caminhando encolhidas pela Rue Saint-Honoré em Paris. Empurradas pelos compromissos, pisavam sem notar as folhas inconsoláveis com a separação de suas árvores do Jardin des Tuileries, há alguns metros dali. Cachecóis voando para trás, como se quisessem agarrar alguma coisa que passou. Sem conseguir.

     Eu também andava sobre as folhas, beijando ar gelado, lambendo vitrines com os olhos, quando vi aquela mulher parada quase em frente à entrada da Colette.

     O casaco de bainhas e punhos esfarrapados me recordou uma coleção que o estilista John Galliano criou para a Dior, em 2000, e provocou grande escândalo por ter sido inspirada nos trajes dos mendigos de Paris. Tantos anos depois, o paradoxo pousou ali, na minha frente, a saia longa não cobrindo os pés com botas de número maior, de que cor impossível saber.

     Ao contrário das mãos da maioria dos passantes, enluvadas ou protegidas dentro dos bolsos, as dela estavam nuas. Ao contrário das mãos da maioria dos pedintes, ela tinha não uma, mas as duas estendidas, as palmas levemente abertas, como se estivesse em oração. Uma Nossa Senhora com frio.

     Do outro lado da calçada, sem sentimentos despertos de piedade ou compaixão, eu admirava seus olhos debruçados em um horizonte imaginário, miseravelmente serenos. A imagem da mulher atravessava meu eu como uma longa lança, provocando mais tremores do que os graus abaixo de zero do fim daquela manhã de outono.

     Desses mistérios interiores... Eu me senti ligada a ela e desejei nosso reflexo na vitrine da Colette.

     Atravessei a rua e me aproximei, colocando uma nota alta entre os dedos finos. O olhar agradecido não veio, assim como não veio nenhum sorriso, nenhum “Merci, madame”, nenhuma expressão de gratidão, não veio nada além do gesto delicado de guardar o dinheiro no bolso e voltar a esperar a próxima esmola, o olhar sempre debruçado no horizonte imaginário entre as lojas mais luxuosas de Paris.

     Mil revistas Vogue não conseguiriam estampar aquele instante. Nada é mais elegante do que a dignidade.

 

     Jornalista, escritora e cantora, Leticia Constant nasceu em São Paulo e vive há 20 anos, em Paris. É dela a autoria da crônica “Elegância”, uma reflexão acidental de seu dia-a-dia parisiense que iniciou ao caminhar sobre o tapete dourado das folhas outonais no Jardin des Tuileries e foi concluída diante da vitrine ultra trendy da Colette, na Rue Saint-Honoré. ta

     Fonte: http://www.taste.com.br/destinos/news/item/255-elegancia.html
 

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    “O mundo é composto de um monte de gente, um mar de pequenos fogos. Não existem dois fogos iguais. Cada pessoa brilha com luz própria, entre todas as outras. Existemfogos grandes, fogos pequenos e fogos de todas as cores.  Existe gente de fogo sereno, que nem fica sabendo do vento, e existe gente de fogo louco, que enche o ar de faíscas. Alguns fogos são bobos, não iluminam nem queimam. Mas outros...   (continua)


  •       Um dia morreu o guardião de um mosteiro Zen. Para decidir quem seria a nova sentinela, o mestre convocou os discípulos e disse:
         - O primeiro que resolver o problema que eu apresentarei assumirá o posto.
         Então, numa mesa que estava no centro da sala, colocou um vaso de porcelana muito raro, com uma rosa amarela de extraordinária beleza. E disse apenas:   (continua)


  •    Foi Zé Rodrix quem compôs “Casa no Campo”. Ele faleceu em 2009 aos 61 anos de idade. Durante sua carreira, cheia de altos e baixos, foi: cantor, compositor, produtor, arranjador, saxofonista, publicitário e escritor. E no final da vida, ainda lhe sobrou tempo para por os pés na estrada, e junto com velhos parceiros Sá e Guarabira, reviver alguns dos seus rocks rurais fazendo shows pelo país.   (continua)


  •    Quando uma pessoa começa a melhorar de vida, pensa logo em comprar uma boa casa. E o que é uma boa casa? É preciso um jardim e uma piscina, imaginam os pais. Eles querem para as crianças uma infância saudável, com confortos que nunca tiveram, mas não pensam no principal: um quintal. Um quintal não precisa ser grande, e o chão deve ser de...   (continua)


  •      Lembrei de uma história que meu pai contava.
       "Um rei tinha uma filha tão inteligente que decifrava imediatamente todos os problemas que lhe davam. Ficou com essa habilidade, muito orgulhosa, e disse que se casaria com o homem que lhe desse uma adivinhação que ela não descobrisse a explicação dentro de três dias. Vieram rapazes de toda parte e nenhum...   (continua)


  • "A vida é como jogar uma bola na parede:
    Se for jogada uma bola azul, ela voltará azul;
    Se for jogada uma bola verde, ela voltará verde;
    Se a bola for jogada fraca, ela voltará fraca;
    Se a bola for jogada com força, ela voltará com força...
    (continua)


  •      Ao viajar pelo Oriente mantive contatos com monges do Tibete, da Mongólia, do Japão e da China. Eram homens serenos, comedidos, recolhidos e em paz nos seus mantos cor de açafrão. Outro dia, eu observava o movimento do aeroporto de São Paulo: a sala de espera cheia de executivos com telefones celulares, preocupados, ansiosos, geralmente comendo mais do que deviam.   (continua)


  •    Não me interessa o que você faz para ganhar a vida. Quero saber o que você deseja ardentemente, se ousa sonhar em atender aquilo pelo qual seu coração anseia. Não me interessa saber a sua idade. Quero saber se você se arriscará a parecer um tolo por amor, por sonhos, pela aventura de estar vivo. Não me interessa saber que planetas estão em quadratura com a sua lua...   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília