Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Estão comendo morangos - Celina Serra

Enviado por Gilberto Godoy
estao-comendo-morangos---celina-serra

 

     Em uma linda cidade, onde o céu era de um azul intenso, as árvores retorcidas e o capim amarronzado, vivia uma linda menina de cachinhos, com olhos grandes e bem expressivos, - seu nome era Estrela. Ela gostava de ficar com o pai na sua casinha ouvindo histórias, gostava de ir ao clube e adorava comer morangos. Comer morangos era sempre uma comemoração, um sinal de que tudo estava bem .

     Nessa cidade, havia um dragão ele era amigo da menina Estrela. O dragão era amarelo, bem grande, com olhos vermelhos, patas enormes, meio desajeitado, só que ele não soltava fogo pela boca, ele era bonzinho. Às vezes, o dragão visitava sua amiga, porém ele morava muito longe e demorava muito até chegar a casa dela. Ele subia a montanha, subia, subia, andava pelas curvas, andava mais um pouco pelo cerrado, dobrava outra curva, e outra, e outra, passeava pela grama, cumprimentava as pessoas, até chegar à casa da amiga.

     Por ele ser muito grande, seus passos tinham que ser delicados porque, sem querer, poderia pisar em alguém e, justamente porque tinha muito cuidado, acabava demorando. Muitas vezes, quando ele chegava para visitar sua amiga Estrela, ela já estava dormindo de tanto que ele demorava, aí ele dava só uma olhadinha nela, dava um beijinho de dragão e ia embora. Fazia todo o caminho de volta... descia, andava pelas ruas, virava, dobrava nas curvas, subia pelas pedras...

     Outras vezes ele chegava de dia e sua amiga ainda estava acordada. Eles brincavam juntos, ouviam música, comiam morangos para comemorar, macarrões do mestre cuca papai, nadavam na piscina do clube, jogavam tênis, brincavam de bola, de Barbie, ensaiavam umas palavras em francês. É verdade, esse dragão era especial! Às vezes, as pessoas achavam estranho uma menina brincar com um dragão, mas, quem se importa? A amizade é o que vale. Mesmo eles sendo tão diferentes, eles eram amigos, havia amor, carinho e pronto!

     O pai da menina era muito legal, adorava sua filha e não se importava com aquela amizade diferente, pois também gostava da companhia do dragão.

     Certo dia estavam assistindo a um jogo de futebol alguns amigos entre eles adultos, crianças, a Estrela, seu pai, o dragão... e, como bons brasileiros torcendo pelo Brasil, era uma euforia só, todo mundo vibrando ...até o Brasil fez um gol e todo mundo pulou, gritou, fez muito barulho, soltou fogos !!!

     Então, Estrela falou com o pai: - Papai, estão comendo morangos!

     O pai não entendeu direito e perguntou – Quê, filha? Estão soltando fogos... são fogos.

     O dragão disse logo eu não solto fogo.

     E o pai corrigiu, fogos fazem barulhos, não é fogo.

     O dragão chamou a Estrela – vamos comer morangos então?

     No segundo gol, outra vez, barulho, gritos, todo mundo vibrando e então fogos...

     Novamente Estrela disse: - Papai estão comendo morangos, estão comendo morangos!

     E o pai tentando compreender... pensando...

     E o dragão querendo explicar, respondeu: - É estrela, estão soltando fogos, são fogos... comendo morangos, oba !!!

     Ela insistiu: - Estão comendo morangos...

     O pai pensou... sabia que a filha queria dizer alguma coisa que ele não estava entendendo, falou alto... estão comendo morangos ...estão comendo mo –ran- gos ....e finalmente entendeu: Estão co-me- mo- ran- do, Claro! Comemorando... comermorango...

      E ela seguiu: – É, estão comendo morangos, com a maior convicção.

     O dragão apoiando, torcendo e concordando com a Estrela, sua amiga

     Afinal, naquele dia o time estava ganhando, comer morangos era tudo de bom e, se alguém estava vibrando com aquilo, sinal de que comia morangos, ou melhor, comemorava!

     E assim ficou Estrela, o pai, o dragão e os amigos, felizes da vida... a cada gol estão comendomorangos! Quer dizer, co-me-mo-ran-do!
 

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Ela entrou, deitou-se no divã e disse: "Acho que estou ficando louca". Eu fiquei em silêncio aguardando que ela me revelasse os sinais da sua loucura. "Um dos meus prazeres é cozinhar. Vou para a cozinha, corto as cebolas, os tomates, os pimentões , é uma alegria! Entretanto...   "   (continua)


  •    Sou, com frequencia, chamado a fazer palestras para turmas de formandos. Orgulha-me poder orientar jovens em seus primeiros passos profissionais. Há uma palestra que alguns podem conhecer já pela web, mas queria compartilhar seus fundamentos com os leitores da coluna.   (continua)


  •     Texto de Marina Colasanti na voz de Juca de Oliveira.
       "Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia. A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E porque não tem vista, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas.   (continua)


  •    “E no meio dessa confusão alguém partiu sem se despedir; foi triste. Se houvesse uma despedida talvez fosse mais triste, talvez tenha sido melhor assim, uma separação como às vezes acontece em um baile de carnaval, uma pessoa se perde da outra, procura-a...   (continua)


  •    Você está feliz com o que você ganha? Ou você está feliz, porque você ganha mais do que seu vizinho? Pesquisadores da Universidade de Warwick e Cardiff, ambas da Grã-Bretanha, descobriram que o dinheiro só traz felicidade se ao mesmo tempo...   (continua)


  •    A lista de mortos da gente vai aumentando com o tempo. Quando eu era pequena não tinha noção desse morre e nasce. Mesmo porque ninguém meu morria. Tudo tinha um quê tão definido de eternidade, tudo durava tanto e a vida não faltava; a vida era pontual como...   (continua)


  •    O cinismo nasceu idealista, otimista mesmo. Na Grécia Antiga, o cinismo começou como corrente filosófica que pregava que o propósito da vida era viver na virtude, de acordo com a natureza. Seus praticantes eram chamados de cínicos. Os cínicos gregos...   (continua)


  •    Você já parou para pensar no autoengano? Todos nós estamos familiarizados, de uma forma ou de outra, com as mentiras. Alguns são mais corajosos e admitem que são capazes de mentir, outros não admitem essa fraqueza.   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília