Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Eu voltarei - Cora Coralina

Enviado por Gilberto Godoy
eu-voltarei---cora-coralina

   “Meu companheiro de vida será um homem corajoso de trabalho,
 servidor do próximo,
 honesto e simples, de pensamentos limpos.
Teremos padarias e muitos filhos. Cada nascer de um filho
será marcado com o plantio de uma árvore simbólica.
 A árvore de Paulo, a árvore de Manoel, 
a árvore de Ruth, a árvore de Roseta.

   Seremos alegres e estaremos sempre a cantar. Nossas padarias terão feixes de trigo enfeitando suas portas,
teremos uma fazenda e um Horto Florestal.
 Plantaremos o mogno, o jacarandá,
 o pau-ferro, o pau-brasil, a aroeira, o cedro.
 Plantarei árvores para as gerações futuras. Meus filhos plantarão o trigo e o milho, e serão padeiros.

   
Terão moinhos, serrarias e panificadoras.
 Deixarei no mundo uma vasta descendência de homens 
e mulheres, ligados profundamente 
ao trabalho e à terra que os ensinarei a amar. E eu morrerei tranquilamente dentro de um campo de trigo ou 
milharal, ouvindo ao longe o cântico alegre dos ceifeiros.


     Eu voltarei... 
A pedra do meu túmulo
 será enfeitada de espigas de trigo
 e cereais quebrados, 
minha oferta póstuma às formigas 
que têm suas casinhas subterran
eas e aos pássaros cantores 
que têm seus ninhos nas altas e floridas 
frondes. Eu voltarei...” 


     Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas ou Cora Coralina, (Cidade de Goiás, 20 de agosto de 1889 — Goiânia, 10 de abril de 1985) foi poeta e contista brasileira. Produziu uma obra poética rica em motivos do cotidiano do interior brasileiro, em particular dos becos e ruas históricas de Goiás. Começou a escrever poemas aos 14 anos, porém, publicou seu primeiro livro em 1965, aos 76 anos.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Ela entrou, deitou-se no divã e disse: "Acho que estou ficando louca". Eu fiquei em silêncio aguardando que ela me revelasse os sinais da sua loucura. "Um dos meus prazeres é cozinhar. Vou para a cozinha, corto as cebolas, os tomates, os pimentões , é uma alegria! Entretanto...   "   (continua)


  •    Sou, com frequencia, chamado a fazer palestras para turmas de formandos. Orgulha-me poder orientar jovens em seus primeiros passos profissionais. Há uma palestra que alguns podem conhecer já pela web, mas queria compartilhar seus fundamentos com os leitores da coluna.   (continua)


  •     Texto de Marina Colasanti na voz de Juca de Oliveira.
       "Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia. A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E porque não tem vista, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas.   (continua)


  •    “E no meio dessa confusão alguém partiu sem se despedir; foi triste. Se houvesse uma despedida talvez fosse mais triste, talvez tenha sido melhor assim, uma separação como às vezes acontece em um baile de carnaval, uma pessoa se perde da outra, procura-a...   (continua)


  •    Você está feliz com o que você ganha? Ou você está feliz, porque você ganha mais do que seu vizinho? Pesquisadores da Universidade de Warwick e Cardiff, ambas da Grã-Bretanha, descobriram que o dinheiro só traz felicidade se ao mesmo tempo...   (continua)


  •    A lista de mortos da gente vai aumentando com o tempo. Quando eu era pequena não tinha noção desse morre e nasce. Mesmo porque ninguém meu morria. Tudo tinha um quê tão definido de eternidade, tudo durava tanto e a vida não faltava; a vida era pontual como...   (continua)


  •    O cinismo nasceu idealista, otimista mesmo. Na Grécia Antiga, o cinismo começou como corrente filosófica que pregava que o propósito da vida era viver na virtude, de acordo com a natureza. Seus praticantes eram chamados de cínicos. Os cínicos gregos...   (continua)


  •    Você já parou para pensar no autoengano? Todos nós estamos familiarizados, de uma forma ou de outra, com as mentiras. Alguns são mais corajosos e admitem que são capazes de mentir, outros não admitem essa fraqueza.   (continua)


  •    Nós homens nos caracterizamos por ser o sexo forte, embora muitas vezes caiamos por debilidade. Um dia, minha irmã chorava em sua casa… Com muita saudade, observei que meu pai chegou perto dela e perguntou o motivo de sua tristeza.   (continua)


  •    Li que Samuel Becket dizia que quem morria passava para outro tempo. Não queria dizer outro mundo, com um presumível outro clima. Referia-se ao tempo do verbo. Entre todas as mudanças provocadas pela morte havia essa: o morto passava irremediavelmente ao pretérito.   (continua)


  • "Privatizaram sua vida, seu trabalho, sua hora de amar e seu direito de pensar.
    É da empresa privada o seu passo em frente, seu pão e seu salário.
    E agora não contente querem privatizar o conhecimento...
    (continua)


  •    Tenho um amigo, francês, que aqui vou chamar de Pierre. Radicado no Brasil há uma década, Pierre é reputado por seu senso de humor refinado, visão estratégica e predileção por boas cervejas. Quase todas as vezes que marquei algo com Pierre, fosse um almoço, café ou...   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília