Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Forrobodó em Nova York - Flávio de Mattos

Enviado por Gilberto Godoy

   O Quarteto Novo gravou apenas um disco, em 1967, mas deixou uma forte marca na música brasileira. Pela primeira vez os ritmos nordestinos ganhavam um tratamento sofisticado, com riqueza harmônica e sonoridade refinada. Misturando baião e jazz, Theo de Barros, Heraldo do Monte, Airto Moreira e Hermeto Pascoal revolucionaram a cena da música instrumental.

   Reunido a princípio para acompanhar o compositor Geraldo Vandré em suas apresentações, o grupo ganhou personalidade própria. Um time com essa escalação não poderia limitar-se a coadjuvante. Exemplo perfeito da musicalidade do conjunto é o tema O ovo, de Hermeto e Vandré.

   Cada um dos integrantes alçou vôo próprio depois desse álbum. Hermeto Pascoal se destacou pela experimentação, criando sons a partir de qualquer objeto de que pudesse sacar algum ruído, minimamente organizado. Formou muitos discípulos, instigando a criatividade dos jovens músicos que com ele tocavam.

   Um desses seus herdeiros musicais é Jovino Santos Neto, que hoje é professor de piano e composição no Cornish College of the Arts, em Seattle, Estados Unidos. Mas que lá, também, continua fazendo seu forró, misturado com o jazz, seguindo o caminho aberto pelo mestre. Carioca, filho de sergipanos, Jovino recuperou com Hermeto as raízes que trazia no sangue. Delas surgiu em 2008 seu trabalho Alma do Nordeste, lançado no Brasil pelo selo Tratore.

   E é também nos Estados Unidos que ressurge a influência de Hermeto na retomada da mistura de ritmos nordestinos com o jazz. De farra, o percussionista Mauro Refosco juntou os amigos brasileiros para fazerem um forró na boate Nublu, do East Village, em Nova York. A banda fez sucesso e passou a se apresentar na casa a cada semana.

   Assim nasceu o grupo Forró in the dark, com seu baixo poderoso e sua guitarra, unidos ao pífano, à zabumba e ao triangulo. Seu primeiro cd, Bonfires of São João, em 2006 tem a força de David Byrne, que participa do disco cantando Asa Branca, em inglês.

   O som do Forró in the Dark faz sucesso no mundo inteiro. Além de percorrer os Estados Unidos, o grupo já se apresentou na Inglaterra, Itália, Portugal, Turquia e até na Eslováquia. O segundo disco da banda, Light a candle, de 2009, é destaque nas lojas de cds em Paris e toca no rádio lá, especialmente o tema, Lilou.

   Aqui no Brasil estamos em clima de festas juninas, mas nos Estados Unidos o baile continua ainda no mês que vem. O Forró in the dark toca no Madison Square Park, de Nova York na tarde do dia 30 de julho. Uma grande festa, sem fogueira nem quentão, mas com muito baião e xote.


   Flavio de Mattos, jornalista. Dirigiu a Rádio Senado. Produz o programa Improviso - O Jazz do Brasil, que pode ser acessado no endereço: senado.leg.br/radio

     Fonte: blog do Noblat

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  • "Tarde uma nuvem rósea lenta e transparente.
    Sobre o espaço, sonhadora e bela!
    Surge no infinito a lua docemente,
    Enfeitando a tarde, qual meiga donzela
    Que se apresta e a linda sonhadoramente,
    Em anseios d'alma para ficar bela
    Grita ao céu e a terra toda a Natureza!
    (continua)


  •      Música linda. Vídeo muito bem feito. Vale ver.

    "Uma casinha qualquer no colo da serra,
    Um palmo de terra pra se plantar.
    Um colo de uma mulher, uma companheira,
    Uma brasileira pra se amar...
    (continua)


  • Interpretação de Ney Matogrosso

    "Dorme o sol à flor do Chico, meio-dia
    Tudo esbarra embriagado do seu lume
    Dorme ponte, Pernambuco-rio-Bahia
    (continua)
     


  •    As sete canções brasileiras incluídas no livro inglês ‘1001 músicas para ouvir antes de morrer’ inspiram uma ‘resposta’ nacional. A lista é enorme, como adianta o título do livro “1001 músicas para ouvir antes de morrer” (Sextante), que cobre de “O sole mio” (1916), com Enrico Caruso, a...   (continua)


  •    Maria Bethânia e sua capacidade de produzir encantamentos... “Ao passo que amar eu posso até a hora de morrer. Amar não acaba. É como se o mundo estivesse a minha espera. E eu vou ao encontro do que me espera”. Clarice Lispector


  •    Segundo uma pesquisa feita pela rádio digital britânica Planet Rock, Robert Plant do Led Zeppelin foi coroado a maior voz do rock da história. Freddie Mercury do Queen foi o segundo, enquanto Paul Rodgers ficou com o terceiro posto. A única voz feminina na lista foi a de Janis Joplin.   (continua)


  •    A incrível voz de Ana Vieira no sensacional arranjo de Rodrigo Costa Leão Muñoz Miguez (Lisboa, 15 de outubro de 1964), um talentoso músico e compositor português. Tornou-se conhecido nas bandas Sétima Legião e Madredeus.


  •    Interior da Espanha. Numa cidadezinha há uma capela aonde sempre acontecem shows para grupos de 10 pessoas. Você chega lá e, de surpresa, assiste isto aí. Que momento sublime! 'Libertango' (Astor Piazzolla) by Javier Albarés (cello).


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília