Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Jogadores e Guerreiros - Theófilo Silva

Enviado por Theófilo Silva
jogadores-e-guerreiros---theofilo-silva

   Quando, em artigo anterior, chamei a Copa do Mundo de futebol de guerra moderna, alguém me disse que exagerei, que “futebol não tem nada a ver com guerra”. Tem.  Quem conhece história sabe o que estou falando. Em cinco mil anos de civilização, o mundo não viveu mais do que duzentos anos sem que uma guerra estivesse acontecendo em algum lugar do planeta. Basta ver os últimos cem anos, da Primeira Guerra Mundial aos dias de hoje, quando foi que vimos o mundo sem uma guerra?

   O esporte mais praticado no passado era matarem-se uns aos outros. Era fazer a guerra. A guerra era considerada uma atividade nobre, de cavalheiros – os soldados eram “bucha de canhão”. Os aviadores da Primeira Guerra Mundial – vide o barão vermelho, Manfred Von Richtofen – achavam o ato de duelar nos ares como supremo cavalheirismo. A quantidade de jovens que morreram na Guerra de 1914 despovoou os principais países da Europa da fina flor de sua juventude. E os jovens foram para a Guerra como se fossem a um passeio. Somente no primeiro dia do conflito 30 mil jovens franceses perderam suas vidas.

   Sócrates, “o mais sábio dos homens”, foi soldado e amava a guerra. O maior orgulho de muitos homens do passado era mostrar seus ferimentos de guerra, o Coriolano de Shakespeare mostra isso.  Duas das maiores obras da literatura ocidental, a Ilíada e a Odisseia, retratam guerras e guerreiros, Ulisses, Aquiles, Heitor e outros. Quando a Segunda Mundial estourou, o maior dos escritores alemães Thomas Mann escreveu: “Guerra traz purificação”. E assim, muitos intelectuais louvavam a guerra. E as Guerras mataram mais de cem milhões de pessoas somente no século XX. 

   Mas essas guerras, que ceifavam vidas aos milhões, começam a ficar para trás. Está quase extinta no ocidente, e restrita há algumas partes do oriente islâmico – não reconheço o terrorismo como guerra. Portanto, aos poucos os homens estão arranjando outras formas de descarregar suas energias, de mostrar seu orgulho, ufanismo, nacionalismo, patriotismo, ou qualquer outro nome que se dê a esse sentimento. O esporte é um substituto da antiga forma de medir forças, que era o ato de guerrear.

   O futebol é um dos catalisadores dessa agressividade reprimida. Com suas regras simples, o futebol congrega milhares de times e, sem exagero, milhões de jogadores, profissionais e amadores em todos os lugares da terra. Basta uma bola e um espaço qualquer para se jogar futebol. E não foi na sofisticada Inglaterra, o país que inventou o futebol, que esse esporte tão popular pariu o povo mais dedicado a ele. Foi no outro lado do atlântico que o futebol iria encantar o mundo, no Brasil.

   Somos conhecidos no mundo todo como o País do Futebol, pelos nossos craques, pelos nossos títulos mundiais, por Pelé, e por tudo que o futebol representa para nós. Sediar uma Copa do Mundo pela segunda vez – a Copa de 50 só ocorreu aqui por conta da guerra na Europa –  é uma oportunidade de o Brasil mostrar que ele realmente cresceu e pode proporcionar ao mundo um grande espetáculo. E isso está ocorrendo agora. Quando um ano atrás explodiram as inesperadas manifestações de protesto contra a corrupção, a praga brasileira, e a má qualidade dos serviços públicos uma minoria começou a utilizar a Copa do Mundo, para atacar o país e execrá-lo perante as nações.

   O que estamos assistindo hoje é um duelo de nações, de equipes aguerridas lutando pelo seu país em pé de igualdade com as poderosas – nos dois aspectos, futebolístico e econômico - Alemanha, Holanda, Inglaterra. Estão aí Irã, Argélia e Costa Rica para provar isso. Esses jogadores são guerreiros defendendo sua pátria, bandeira e hino. A paixão com que cada jogador luta em campo, com suor e lágrimas, na vitória ou na derrota, são demonstrações de amor, de patriotismo, substituindo armas por uma bola.

   Não tenho nada contra quem não gosta de futebol, pois, como diz Shylock em O Mercador de Veneza “A afeição, soberana da paixão, dita-lhes o que devem amar ou detestar”. Ninguém é obrigado a gostar de algo. Mas não compreendo os ignorantes e pessimistas – vândalos são criminosos, a eles à lei – que não veem a gigantesca importância desse evento mundial, em que, nós, o país do futebol, somos os protagonistas. O mundo todo está de olhos voltados para o Brasil, e os derrotistas que diziam que “não vai ter Copa” são inimigos da paz e da alegria. A Copa é um sucesso em organização. Para sermos ainda mais felizes, só nos resta ser Campeões do Mundo!

   Viva a Seleção brasileira. Viva o Brasil!

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •        "Acontece que o Conde Matarazzo estava passeando pelo parque. O Conde Matarazzo é um Conde muito velho, que tem muitas fábricas. Tem também muitas honras. Uma delas consiste em uma preciosa medalhinha de ouro que o Conde exibia à lapela, amarrada a uma fitinha. Era uma condecoração (sem trocadilho).   (continua)


  •    Existem coisas que nunca esquecemos, os cheiros é uma delas. Inúmeras vezes nos deparamos com um cheiro e ele nos remete a lembranças remotas ou não. No início de 2010 li “Os Cheiros” escrito por Danuza Leão, tirei a página da revista e sempre voltava a lê-lo.   (continua)


  •    O título parece complicado, mas não é. Metáforas são figuras de linguagem que substituem uma coisa por outra. São indispensáveis na expressão da vida. Por exemplo: o coração, que é um órgão do corpo humano passível de cirurgia, palpitação e substituição, é uma metáfora do amor...   (continua)


  •    Uma mulher espalhou uma fofoca sobre uma certa pessoa que ela não conhecia bem, mas a invejava. Alguns dias depois, o bairro inteiro sabia a história. A pessoa que foi alvo da fofoca ficou indignada e muito ofendida. Mais tarde, a mulher que espalhou o boato descobriu que era...   (continua).


  •    Endureçamos a bondade, amigos. Ela também é bondosa, a cutilada que faz saltar a roedura e os bichos: também é bondosa a chama nas selvas incendiadas para que os arados bondosos fendam a terra. Endureçamos a nossa bondade, amigos. Já não há pusilânime de...   (continua)


  •    Assisti a uma reportagem no programa Fantástico, da TV Globo, que além de ter me emocionado bastante, mostrou uma experiência insólita, rara e belíssima. Um garoto de oito anos, de uma cidade dos Estados Unidos, ganhou um prêmio em sua escola, de mil dólares. Poderia ter...   (continua)


  •    Mexo em textos antigos, e encontro um que me dá sentimentos dúbios, uma espécie de alegria melancólica, como se fosse um reencontro fugaz com uma pessoa querida. Você quer segurá-la, mas ela tem que partir. O tema era papai, e mamãe ainda vivia. Engraçado como...   (continua)


  •    Que se passa para nós no domínio musical? Devemos em primeiro lugar aprender a ouvir um motivo, uma ária, de uma maneira geral, a percebê-lo, a distingui-lo, a limitá-lo e isolá-lo na sua vida própria; devemos em seguida fazer um esforço de boa vontade —   (continua)
     


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília