Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Juízes e Jumentos - Theófilo Silva

Enviado por Theófilo Silva
juizes-e-jumentos---theofilo-silva

 


     Costumo dizer para meus amigos aqui em Brasília que, se houver uma corrida de Jumentos na Esplanada dos Ministérios em que o vencedor seja aquele que mais produza estrume, dezenas de milhares de pessoas se deslocarão para assistir o grotesco “evento”. Tal é a quantidade de gente besta, desocupada e preguiçosa que existe por aí. Esse público é o mesmo que abraça causas estúpidas mundo afora. A motivação é uma só: tédio. Falta do que fazer. É a necessidade de circo, que os romanos ofereciam ao povo, numa época em que os dias de trabalho e os fins de semana se confundiam.

     A maior doença da humanidade é o medo. A segunda, o tédio. A quantidade de gente que não faz nada e não tem vontade fazer é enorme. Ficar em casa o dia todo em frente ao computador, assistir a televisão, vadiando na rua, fumando maconha, tomando cachaça, cansa, e é preciso fazer algo “mais interessante”. Quebrar coisas na rua, soltar cães, protestar contra a Usina de Belo Monte, tocar fogo em orelhões, ônibus, bancas de revistas, depredar prédios públicos, tirar a roupa e declarar-se Vadia ou Black Bloc e outras aberrações é mais emocionante, e dá a ilusão de que se está fazendo algo.

     Duvido das análises feitas por sociólogos de que as manifestações violentas que estão ocorrendo no Brasil sejam fruto de descontentamento da “nova classe média” com os serviços públicos. Sem dúvida que é. Mas é mais que isso. É preguiça misturada com ignorância, por falta de coragem de estudar, trabalhar, pensar, produzir e, assim, suprir suas necessidades, embora muitos desses pobres-diabos sejam contratados por partidos políticos radicais, sem representação, para organizar a baderna, fingindo agir por ideologia. Quem gosta disso são os criminosos comuns que se misturam a eles e fazem a festa.

     Manifestações têm que ter foco e objetivo. Quando elas estouraram de forma surpreendente na Copa das Confederações, logo ficou claro que havia uma ira represada em virtude da corrupção e da falta de um serviço público de qualidade. Tanto que os manifestantes e desocupados foram para a porta da Câmara Federal, Assembleias legislativas e Câmaras Municipais. A violência em torno dos estádios foi liderada pelo “bloco dos sem ingresso”. Depois viraram atos isolados liderados – misturados com os tolos que falei – por brucutus e marginais, denominados Black Blocs.

     A destruição do patrimônio privado: bancos, lojas, bancas de revistas, automóveis, ônibus, caminhões, orelhões tem sido a tônica dos bandidos, chamados carinhosamente de rapazes e moças pela imprensa. O movimento está, no momento, quase restrito a São Paulo e Rio. Os prejuízos causados têm sido enormes, e não sabemos como a conta será paga. O estado está atarantado, e o poder judiciário solidário aos criminosos; a polícia está apavorada e acossada pela mídia pusilânime. Tanto o estado quanto a sociedade estão completamente despreparados para enfrentar essa situação.

     Quando digo que não acredito em objetivos no movimento, é porque não vejo essa gente dirigir-se ao grande responsável pelos problemas do Brasil: o Poder Judiciário. O alvo da ira deveria ser o Supremo Tribunal Federal, o Superior Tribunal de Justiça e os Tribunais de Justiça estaduais. Esses palácios – os prédios mais sofisticados do país – ocupados por homens e mulheres denominados ministros ou desembargadores, elegantes e engravatados, bem pagos, cheios de pose, inamovíveis, de conversa articulada e vocabulário ininteligível, os guardiões da lei. Não é possível que 1% dos membros desse movimento, que tem alguma massa cefálica, não consiga enxergar onde está o cerne do mal que corrói o Brasil. Se há muita injustiça é porque quem é responsável por aplicar a justiça não está trabalhando direito! Simples, óbvio!

     O poder legislativo é culpado também, mas os parlamentares dialogam com os cidadãos, o judiciário não. O caos brasileiro é fruto da impunidade. Dos contratos mal feitos e não cumpridos, em virtude da lentidão e da corrupção que grassam nessas cortes. Por que os manifestantes não vão para a porta dos tribunais acossar os juízes? Pedir a eles celeridade nos processos! Muitos tribunais viraram balcão de venda de liminares e sentenças – vejam o recente desvio de meio bilhão de reais em precatórios manipulados no TJ da Bahia.

     Para que essa gente me prove que não é plateia de corrida de jumentos, e que pretendem realmente mudar o Brasil para melhor, devem ir direto ao alvo. E o alvo, torno a dizer, é o poder judiciário. Fora isso, batendo na polícia, eles conseguirão apenas dormir na cadeia e responder a um processo que se arrastará por dezenas de anos e não dará em nada.

     Lembro que Shakespeare disse que “Se rouba muito mais comumente nas profissões mais respeitáveis”. É isso!

 

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •        "Acontece que o Conde Matarazzo estava passeando pelo parque. O Conde Matarazzo é um Conde muito velho, que tem muitas fábricas. Tem também muitas honras. Uma delas consiste em uma preciosa medalhinha de ouro que o Conde exibia à lapela, amarrada a uma fitinha. Era uma condecoração (sem trocadilho).   (continua)


  •    Existem coisas que nunca esquecemos, os cheiros é uma delas. Inúmeras vezes nos deparamos com um cheiro e ele nos remete a lembranças remotas ou não. No início de 2010 li “Os Cheiros” escrito por Danuza Leão, tirei a página da revista e sempre voltava a lê-lo.   (continua)


  •    O título parece complicado, mas não é. Metáforas são figuras de linguagem que substituem uma coisa por outra. São indispensáveis na expressão da vida. Por exemplo: o coração, que é um órgão do corpo humano passível de cirurgia, palpitação e substituição, é uma metáfora do amor...   (continua)


  •    Uma mulher espalhou uma fofoca sobre uma certa pessoa que ela não conhecia bem, mas a invejava. Alguns dias depois, o bairro inteiro sabia a história. A pessoa que foi alvo da fofoca ficou indignada e muito ofendida. Mais tarde, a mulher que espalhou o boato descobriu que era...   (continua).


  •    Endureçamos a bondade, amigos. Ela também é bondosa, a cutilada que faz saltar a roedura e os bichos: também é bondosa a chama nas selvas incendiadas para que os arados bondosos fendam a terra. Endureçamos a nossa bondade, amigos. Já não há pusilânime de...   (continua)


  •    Assisti a uma reportagem no programa Fantástico, da TV Globo, que além de ter me emocionado bastante, mostrou uma experiência insólita, rara e belíssima. Um garoto de oito anos, de uma cidade dos Estados Unidos, ganhou um prêmio em sua escola, de mil dólares. Poderia ter...   (continua)


  •    Mexo em textos antigos, e encontro um que me dá sentimentos dúbios, uma espécie de alegria melancólica, como se fosse um reencontro fugaz com uma pessoa querida. Você quer segurá-la, mas ela tem que partir. O tema era papai, e mamãe ainda vivia. Engraçado como...   (continua)


  •    Que se passa para nós no domínio musical? Devemos em primeiro lugar aprender a ouvir um motivo, uma ária, de uma maneira geral, a percebê-lo, a distingui-lo, a limitá-lo e isolá-lo na sua vida própria; devemos em seguida fazer um esforço de boa vontade —   (continua)
     


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília