Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Maquiavel e os farsantes - Theófilo Silva

Enviado por Theófilo Silva
maquiavel-e-os-farsantes---theofilo-silva

 

     Cícero achava, assim como seus contemporâneos romanos, que “Quem pensa que pode conquistar glória duradoura pela simulação está muito enganado”, e que “todas as simulações logo caem por terra como flores frágeis”. Maquiavel, quinze séculos depois,  discorda dele, dizendo que os homens, em sua maioria, são simplórios e propensos a se iludir, aceitando as coisas tais como se apresentam, sem críticas, julgando apenas pelas aparências. Ou seja, que “todos podem ver o que aparenta ser” e “poucos veem o que realmente é”. Assim, “um hábil dissimulador sempre encontrará muitas pessoas que se deixam iludir”. Com essas afirmações, aparentemente simples, o mal-afamado florentino criou a Ciência Política.

     O mundo está cheio de farsantes, e nenhuma seara é mais propensa à existência desses indivíduos dissimulados do que a arena política, dos homens públicos, em particular, os detentores de mandato, que perseguem alcançar os degraus da escada do poder até o topo. Para isso, a maioria deles faz da mentira sua grande aliada diária.

     No tempo de Cícero, século I A.C, e Maquiavel, século XVI, era mais fácil os cidadãos terem uma visão melhor de seus príncipes, já que havia contato pessoal nos eventos públicos, comuns entre os governantes mais acessíveis. Nos dias de hoje, o contato se dá apenas no período eleitoral. No resto dos anos, toda a visão é formada a distância, por intermédio dos veículos de comunicação, com imagens maquiadas milimetricamente pelos marqueteiros.

     Ainda no mesmo século de Maquiavel, Shakespeare concorda com o ilustre florentino, desnudando toda a comédia humana com seus mais de mil e trezentos personagens. Em obras como Hamlet, Rei Lear, Macbeth, Antônio e Cleópatra e outras, o bardo desnuda a alma dos governantes, deixando-as nuas e expostas ao sol. Quando Othelo, traído pelo falso Iago, diz que “Os homens deveriam ser o que parecem” ele estava repercutindo Maquiavel.

     O que transformou Niccolo Machiavelli em Maquiavel, detentor do substantivo Maquiavelismo e do adjetivo Maquiavélico, sinônimas de maldade, foi seu ateísmo e desprezo pelo cristianismo. Muito embora, ele achasse a religião importantíssima para organização da sociedade, sua falta de fé, em um período em que todos acreditavam em Deus – principalmente, os príncipes – e eram católicos, contribuiu muito para que suas completamente lúcidas ideias, acerca dos homens públicos e da política, o tenham transformado num perverso aos olhos dos que o leram em seguida.

     E assim, esse homem que enxergou demais teve sua imagem completamente deturpada, sendo visto por todos como um malvado. Sua imagem entre as pessoas comuns, na sociedade em geral, é a de um pervertido que só vê o lado ruim do ser humano. Somente os estudiosos são capazes de enxergá-lo como uma espécie de vidente. Muito embora, ainda haja uma parcela, não desprezível, que o agrida.

     A humanidade tem uma dívida enorme com Nicollo Machiavelli, esse cidadão da fulgurante Florença, contemporâneo de Leonardo da Vinci e Michelangelo Buonarotti – em nenhuma época do mundo uma cidade pariu, e teve três gênios de tão grande envergadura trabalhando tão perto um do outro. Se uma parcela mínima da sociedade conhecesse as análises que Maquiavel fez sobre o exercício da política, tenho a certeza que teríamos governantes e parlamentares muito melhores do que temos tido, em qualquer lugar do mundo.

     E uma nação que tem homens públicos probos e trabalhadores tem uma sociedade mais justa. E assim, a escória corrupta e hipócrita de imagem forjada em cima da mentira e da farsa, em aliança com a imprensa e instituições coniventes, é forte e atuante, alimentada pelos inocentes que não conseguem enxergar os tratantes. Esses perversos trabalham criando factoides e distribuindo-os para a imprensa comprada. Mas, muitos “caem por terra como folhas frágeis”, como disse o grande Cícero. O exemplo recente no Brasil foi do procurador de justiça e Senador da República Demóstenes Torres. Outros Demóstenes continuam mascarados.

     Eu diria para os leitores que meus escritos têm um único fim, alertar as pessoas sobre o grande dilema que a humanidade enfrenta entre realidade e aparência. Portanto, tomem cuidado com aqueles que se apresentam como vestais! Eles são falsos!

     Este artigo é uma homenagem aos quinhentos anos da publicação da obra-prima O Príncipe, o polêmico e fantástico opúsculo de Niccolo Machiavelli.


     Do blog:  http://theofilosilva.com/home/blog/2013/01/04/maquiavel-e-os-farsantes/

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •       “Aconteceu da mísera e mesquinha, que depois de ser morta foi rainha” - Luís de Camões
          A expressão vem de uma história na qual um nobre quer se casar com Inês, porém, já era tarde demais, pois ela já estava morta. Inês de Castro (1320 ou 1325 - 7 de Janeiro de 1355), uma nobre castelhana, foi...   (continua)


  •    É isto, nada além: um dia as pessoas morrem na gente. Pode ser um amigo que parece não se importar mais ou então aquele que telefona só quando quer ajuda, um amor que gastou todas as chances que tinha e nem toda dedicação do mundo comoveu, um primo de longe, qualquer um.   (continua)


  •    A alma só acolhe o que lhe pertence; de certo modo, ela já sabe de antemão tudo aquilo por que vai passar. Os amantes não contam nada de novo uns aos outros, e para eles também não existe reconhecimento. De fato, o amante não reconhece no ser que ama nada a não ser que...   (continua)


  •    A vida… e a gente põe-se a pensar em quantas maravilhosas teorias os filósofos arquitectaram na severidade das bibliotecas, em quantos belos poemas os poetas rimaram na pobreza das mansardas, ou em quantos fechados dogmas os teólogos não entenderam na solidão das celas.   (continua)


  •    George Carlin, cidadão americano que usou de sua expêriencia de vida para escrever textos ousados, com uma grande dose de irônia. O comediante, escritor e ator fez grande sucesso no mundo, por se apresentar de forma parecida ao StandUp comedy, abordando temas que...   (continua)


  •    Meu maior defeito, nos despreocupados dias da infância, consistia em desanimar com demasiada facilidade, quando uma tarefa qualquer me parecia difícil. Eu podia ser tudo, menos um menino persistente. Foi quando, certa noite, meu pai me chamou para conversarmos.   (continua)


  •    "Como a mulher e o homem confrontam os 60 anos? O filme da diretora Julie Gavras, exibido na mostra internacional de São Paulo, trata de envelhecimento. De como esconder ou assumir a idade. Aos 60 você se sente maduro, curioso e sábio ou velho, amargo e ultrapassado?   (continua)


  •    "A amizade é um amor que nunca morre. A amizade é uma virtude que muitos sabem que existe, alguns descobrem, mas poucos reconhecem. A amizade quando é sincera o esquecimento é impossível. A confiança, tal como a arte, não deriva de termos resposta para tudo, mas... (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília