Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O autoengano: as mentiras que nos sustentam - Gema Coelho

Enviado por Gilberto Godoy
o-autoengano--as-mentiras-que-nos-sustentam---gema-coelho

Você já parou para pensar no autoengano?

Todos nós estamos familiarizados, de uma forma ou de outra, com as mentiras.

Alguns são mais corajosos e admitem que são capazes de mentir, outros não admitem essa fraqueza.

Quem nunca contou uma mentira a si mesmo? Talvez nem tenha percebido que está mentindo… Vamos refletir sobre isso?

“A mentira mais comum é aquela com a qual um homem engana a si mesmo. Enganar os outros é um defeito relativamente saudável”.
-Nietzsche.
 

A mentira como companheira de vida

Os enganos e as mentiras são inerentes à vida em todos os seus aspectos.

Mesmo a natureza os usa como recurso. Os vírus, por exemplo, são capazes de enganar o nosso sistema imunológico para entrar em nosso corpo, para conseguir seu objetivo que é a sobrevivência.

Mas, o que dizer de nós?

Além das mentiras revestidas de alguma intenção para conseguirmos algo concreto, existem as mentiras que nos sustentam durante um certo tempo ou até mesmo pela vida toda. Inventamos essas mentiras para fugirmos da realidade, e preferimos a inconsciência.

Dostoievski escreveu em “Memórias do subsolo”:

“Todo ser humano tem algumas memórias que contaria somente aos seus melhores amigos. Da mesma forma, podemos dizer que todo ser humano tem preocupações que não contaria nem aos seus melhores amigos, mas apenas a si mesmo e, mesmo assim, no maior segredo. Mas existem coisas que as pessoas não se atrevem a contar nem para si mesmas. Mesmo os homens mais honestos têm uma grande quantidade desses pensamentos guardados em algum lugar da sua mente”.
 

Ninguém está livre do autoengano

Além da consciência, a linguagem é muito importante no autoengano.

Embora a realidade não deixe de ser o que é, cada um constrói a sua. É através da linguagem que transmitimos e descrevemos a nossa realidade. Para nós, a realidade é um reflexo de como a interpretamos.

As pessoas têm uma grande capacidade de criar crenças tendenciosas e histórias em todos os aspectos da vida. Quem consegue se livrar das suposições e confabulações?

Somos vítimas das nossas próprias armadilhas para sobreviver em nosso dia a dia.
 

Mentiras para fugir da realidade

Existe uma rede de mentiras que nos sustentam e que muitas vezes são as algemas que nos prendem a determinadas situações sem que percebamos. Por isso, temos a sensação de que não importa o que façamos, não conseguimos seguir em frente.

“A verdade tem a estrutura da ficção”.
-Jacques Lacan-

Quando a força dos fatos se torna ameaçadora, por vezes, o medo do sofrimento nos faz tentar fugir da realidade, bloqueando a nossa atenção e nos enganando. Por isso, preenchemos os espaços vazios com explicações imaginárias ou fantasiosas, de maneira automática. Diz o ditado popular: “o que os olhos não veem, o coração não sente”.

Dessa forma, se eu não vejo, se não percebo o que está acontecendo, o perigo e a ansiedade diminuem e eu consigo seguir em frente.

Os fatos foram ignorados e modificaram o significado da experiência. A mentira está presente, sem que percebamos, oculta atrás dos silêncios, das justificativas, das negações e dos castelos de areia.

A mentira se mantém pelo poder da nossa atenção seletiva para esconder e modificar as verdades dolorosas, criando uma realidade mais aceitável para nós.

Um disfarce que nos recorda o “falso self” de Winnicott, onde a mentira é considerada parte do desenvolvimento natural da identidade do ser humano, desde a primeira infância.

Isto atenua a angústia e o sofrimento gerados pelas expectativas que os pais colocam nos filhos; eles renegam a si mesmos e constroem um personagem de acordo com o ideal que os seus pais criaram.
 

O autoengano no dia a dia

O autoengano pode ser gerado para satisfazer as nossas próprias expectativas ou as dos outros; ou como uma forma de justificarmos que não queremos ver a realidade como ela é.

Isso pode acontecer nos relacionamentos de casal quando, por exemplo, não nos damos conta de que a situação está insustentável e de que os nossos sentimentos mudaram.

Pode acontecer também, nos casos de dependência química, quando a pessoa acredita que pode controlar o seu consumo; nas relações sociais e políticas…

O autoengano é uma importante defesa contra as ameaças de perigo, que se destaca como uma armadura que nos protege das experiências difíceis de assimilar, uma couraça do caráter como dizia Willhelm Reich.

Um escudo atrás do qual o “eu” se esconde, utilizado para proteger-se da ansiedade de viver em um mundo considerado hostil.

Então, quanto melhor enganarmos a nós mesmos, melhor enganaremos os outros. A melhor maneira de esconder uma decepção profunda é não estar ciente dela.
 

Os efeitos do autoengano

O autoengano pode ter muitos aspectos e, por vezes, um custo muito elevado. Nestes casos, o mundo da pessoa está fragmentado e a informação ignorada está no seu inconsciente, escondida pela mentira da consciência.

Assim, como Daniel Goleman afirma em seu livro “O ponto cego”, o primeiro passo para despertar do autoengano é perceber de que forma estamos “dormindo”.

Ou seja, em primeiro lugar, considerar a possibilidade de que estamos nos enganando em algum aspecto da nossa vida e, em seguida, entrarmos nessa teia de aranha que nós mesmos construímos para fugir da realidade.

Muitas vezes não percebemos o que nos desagrada e também não percebemos que não percebemos nada…

A maioria de nós fez um pacto, sem saber, com este velho provérbio árabe:

“Não desperte o escravo porque talvez ele esteja sonhando que é livre”. Mas, o sábio dirá: “Desperte o escravo! Especialmente se sonha com a liberdade. Se despertar e perceber que ainda é um escravo, talvez possa se libertar”.


     Fonte: amenteemaravilhosa.com.br

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    “O mundo é composto de um monte de gente, um mar de pequenos fogos. Não existem dois fogos iguais. Cada pessoa brilha com luz própria, entre todas as outras. Existemfogos grandes, fogos pequenos e fogos de todas as cores.  Existe gente de fogo sereno, que nem fica sabendo do vento, e existe gente de fogo louco, que enche o ar de faíscas. Alguns fogos são bobos, não iluminam nem queimam. Mas outros...   (continua)


  •       Um dia morreu o guardião de um mosteiro Zen. Para decidir quem seria a nova sentinela, o mestre convocou os discípulos e disse:
         - O primeiro que resolver o problema que eu apresentarei assumirá o posto.
         Então, numa mesa que estava no centro da sala, colocou um vaso de porcelana muito raro, com uma rosa amarela de extraordinária beleza. E disse apenas:   (continua)


  •    Foi num fim de manhã deste outono, lembro que ventava muito, pois me marcou o movimento dos cabelos estapeados das pessoas caminhando encolhidas pela Rue Saint-Honoré em Paris. Empurradas pelos compromissos, pisavam sem notar as folhas inconsoláveis com a separação de suas árvores do Jardin des Tuileries, há alguns metros dali...   (continua)


  •    Foi Zé Rodrix quem compôs “Casa no Campo”. Ele faleceu em 2009 aos 61 anos de idade. Durante sua carreira, cheia de altos e baixos, foi: cantor, compositor, produtor, arranjador, saxofonista, publicitário e escritor. E no final da vida, ainda lhe sobrou tempo para por os pés na estrada, e junto com velhos parceiros Sá e Guarabira, reviver alguns dos seus rocks rurais fazendo shows pelo país.   (continua)


  •    Quando uma pessoa começa a melhorar de vida, pensa logo em comprar uma boa casa. E o que é uma boa casa? É preciso um jardim e uma piscina, imaginam os pais. Eles querem para as crianças uma infância saudável, com confortos que nunca tiveram, mas não pensam no principal: um quintal. Um quintal não precisa ser grande, e o chão deve ser de...   (continua)


  •      Lembrei de uma história que meu pai contava.
       "Um rei tinha uma filha tão inteligente que decifrava imediatamente todos os problemas que lhe davam. Ficou com essa habilidade, muito orgulhosa, e disse que se casaria com o homem que lhe desse uma adivinhação que ela não descobrisse a explicação dentro de três dias. Vieram rapazes de toda parte e nenhum...   (continua)


  • "A vida é como jogar uma bola na parede:
    Se for jogada uma bola azul, ela voltará azul;
    Se for jogada uma bola verde, ela voltará verde;
    Se a bola for jogada fraca, ela voltará fraca;
    Se a bola for jogada com força, ela voltará com força...
    (continua)


  •      Ao viajar pelo Oriente mantive contatos com monges do Tibete, da Mongólia, do Japão e da China. Eram homens serenos, comedidos, recolhidos e em paz nos seus mantos cor de açafrão. Outro dia, eu observava o movimento do aeroporto de São Paulo: a sala de espera cheia de executivos com telefones celulares, preocupados, ansiosos, geralmente comendo mais do que deviam.   (continua)


Copyright 2011-2019
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília