Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O celular e a vida social - Luis Fernando Veríssimo

Enviado por Gilberto Godoy
o-celular-e-a-vida-social---luis-fernando-verissimo

   Existe coisa mais melancólica do que uma mesa de quatro pessoas, num restaurante, em que três estão dedilhando seus smartphones e uma está falando sozinha?

   Lançaram agora um celular à prova d’água, que você pode usar no chuveiro. Ou em qualquer outro lugar embaixo d’água. No mar, por exemplo.

— Bem, não me espere para o jantar...

— Onde você está?

— Sabe a nossa pesca submarina?

— O que houve?

— Pensei que fosse uma garoupa e era um tubarão. E ele está vindo na minha direção.

— Você ainda está embaixo d’água?!

— Estou.

— E o seu arpão?

— O tubarão engoliu!

— Ligue para a Guarda Costeira!

   São cada vez mais raros os lugares em que você pode se ver livre de celulares, e agora nem as piscinas estão seguras.

   Os celulares são práticos e se tornaram indispensáveis, eu sei, mas empobreceram a vida social. Existe coisa mais melancólica do que uma mesa de quatro pessoas, num restaurante, em que três estão dedilhando seus smartphones e uma está falando sozinha? Ou um casal em outra mesa, os dois mergulhados nos respectivos celulares sem nem se olharem, o que dirá se falarem — a não ser que estejam trocando mensagens silenciosas entre si, o que é ainda mais triste?

   Os celulares podem ser perigosos de várias maneiras, mesmo que não derretam o cérebro, como se andou espalhando há algum tempo. Imagino uma velhinha que ganhou um celular dos netos sem que estes se dessem ao trabalho de explicar seu funcionamento para a vovó. Não contaram, por exemplo, que o celular dado assobia quando recebe uma mensagem. É um assovio humano, um nítido fiu-fiu avisando que alguém ligou, e que pode soar a qualquer hora do dia ou da noite. E imagino a vovó, que mora sozinha, dormindo e, de repente, acordando com o assovio. Um fiu-fiu no meio da noite! A vovó, se não morrer imediatamente do coração, pode ficar apavorada. Quem está lá? Um ladrão ou um fantasma assoviador? E o assovio tem algo de galante. A vovó pode muito bem sair da cama, sem saber se está acordada ou sonhando, e caminhar na direção do fiu-fiu sedutor, como se tivessem vindo buscá-la. Alguém pensou nas vovós solitárias quando inventou o assovio?

   O fato é que não há mais refúgio. Nem castelos anti-smartphones com um fosso em volta. Eles agora podem atravessar o fosso.

     Fonte: blog do Murilo
 

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    "O Banqueiro", poema de Craig-James Moncur, dito por Mike Daviot. O filme foi escrito, realizado e produzido por Craig-James Moncur.

         Fonte: https://www.youtube.com/channel/UCPum...


  •    Durante uma conferência de ciência, uma pergunta é feita por Lawrence Summers, um dos convidados e ex-presidente da Universidade de Harvard, sugere que diferenças genéticas explicariam o fato e existir poucas mulheres no campo da ciência. A resposta dada por Neil deGrasse Tyson, que é um cientista negro e famoso, é excelente. Confira.


  •    No dia 12 de março de 2011, a Itália festejava os 150 anos da sua unificação, ocasião em que a Ópera de Roma apresentou a ópera  Nabuco de Verdi, símbolo da unificação do país, que invoca a escravidão dos Judeus na Babilónia, uma obra não só musical mas, também, política à época em que a Itália estava sujeita ao império dos Habsburgos (1840).   (continua)


  •      "Quando você perceber que, para produzir, precisa obter da autorização de quem não produz nada; quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores; quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho, e que...   (continua)


  •    Em 1974, durante a Conferência Mundial sobre Alimentação, as Nações Unidas estabeleceram que “todo homem, mulher, criança, tem o direito inalienável de ser livre da fome e da desnutrição...”. Portanto, a comunidade internacional deveria ter como maior objetivo a segurança alimentar, isto é, “o acesso, sempre, por parte de todos, a alimento suficiente para uma vida sadia e ativa”.   (continua)


  •      A tecnologia deve trabalhar para gente, estar lá quando você precisar dela... Uma equipe do Google começou um projeto para construir este tipo de tecnologia, que ajuda você a explorar e compartilhar o seu mundo, de forma útil. Será?!


  •       Waldez Ludwig é psicólogo, consultor em gestão empresarial e palestrante brasileiro. Formado em psicologia pela Universidade de Brasília e em artes cénicas pela Fundação Brasileira de Teatro. Trabalhou como analista de sistemas durante vinte anos para órgãos e empresas públicas e privadas e é especialista em informática educativa. Foi um dos comentaristas do programa Conta Corrente, veiculado na emissora Globo News.   (continua)


  •    Entrevista concedida por João Cláudio Todorov para Carlos Muller, da Associação Nacional de Jornais, motivada pelas manifestações de rua de 2013, publicada no jornal da ANJ em agosto do mesmo ano. (Título original: 'Sobre economia comportamental, internet, redes e movimentos sociais'). 1. A surpresa geral nos diz muito do estado das ciências humanas, especialistas em analisar o que se vê pelo...   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília