Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Os ruídos do silêncio - Eliana Rezende

Enviado por Gilberto Godoy
os-ruidos-do-silencio---eliana-rezende

   A experiência do silêncio em uma sociedade tão ruidosa como a nossa pode causar estranheza, perturbação ou mesmo um sentido de estar esquecido, à margem de algo ou alguma coisa. Como se estivesse perdendo algo. Às vezes, o silêncio tem um som ensurdecedor e quando vem da alma pode conter ainda mais ruídos.

   Os ruídos das memórias fazem com que, inúmeras vezes, nos sintamos atordoados pelos seus sons. Trazem-nos experiências vividas, caminhos trilhados, experiências compartilhadas ou o seu contrário: caminhos interrompidos, laços desfeitos, ideias e projetos inacabados. Conviver com tais ruídos pode fazer pensar que a surdez seja o caminho mais desejável nessas horas.

   Mas o silêncio aqui referido não é aquele exterior vindo de fora para dentro. Aquele que muitas vezes e em vão buscamos em lugares e espaços físicos artificiais ou naturais. É o silêncio interior, aquele que faz com que pensamentos e problemas pessoais fiquem longe e deixem espaços para que o pensamento criativo trafegue rápido e ágil por saberes e fazeres que acrescentam. Que tragam largura ao espírito e que aprofundem nossa sabedoria e autoconhecimento.
 
   É tranquilizador saber que estes silêncios não tem que estar ligados a momentos e espaços formais, mas que podem vir de toda e qualquer experiência propiciada por viagens e deslocamentos físicos ou mentais, por travessias de fronteiras não medidas em quilometragens e marcos geográficos, mas sim por aqueles abismos d'alma que como vales profundos nos fazem encontrar com nossos limites e finitude. São os sótãos de nossa alma, que vez por outra precisam ser abertos para que o ar entre e o sol aqueça e ilumine. Às vezes, são feitos de sombras e por isso é importante de ser aberto, olhado, revolvido.

   Tais silêncios também podem vir de experimentações e sensações oriundas de diferentes expressões artísticas, culturais, olfativas, gustativas - cabem aqui filmes, exposições, experiências gastronômicas, ou seja, tudo o que ofereça aos sentidos reflexão contemplativa. E isso requer aprendizado, agudeza perspicaz, sentido de busca e o que é mais importante: um sentido de valor que não é o de contas bancárias, cartões de crédito e aplicações financeiras. Os que possuem apenas estes sentidos simplesmente serão surdos aos ruídos e sons de sua alma!

   Mas esse silêncio povoado pelos ruídos da alma faz muito barulho e rapidamente descobrimos que quem nos habita pode ter muito mais a dizer que qualquer coisa que esteja lá fora; seja aparentemente ruidoso ou silencioso.

   Este silêncio de alma ou os seus ruídos devem ser considerados como as vagas que encontramos no mar: são sempre prenúncios de algo. Do lado de cá, temos mesmo é que aprender a decodificá-los e entender que eles possuem seu formato de "escrita" em nós. Vincam caminhos, traçam percursos, indicam trilhas, opções, trechos abandonados, rumos perseguidos. Nos dizem de onde viemos e para onde vamos. Apontam possíveis pontes. Libertam-nos!
 
   Acho que nossa sociedade ruidosa é também uma sociedade amedrontada! Teme de todas as maneiras estar consigo mesma e descobrir que trabalhar e acumular (isso no que diz respeito à cifras) tanto pode não estar lhe fazendo verdadeiramente feliz.

   Na nossa civilização, as pessoas chegam a achar que o silêncio é o sinônimo de estar só e acham que isso seja um problema de rejeição e desafeto: acreditam que isso lhes mostraria que não são amadas.

   No entanto, não é nada disso! O silêncio é cheio de tantas coisas. Ele é excelente companhia e de fato nos faz saber quem somos e do que de fato somos feitos e como preenchemos em nós vazios.

   Exercito o silêncio todos os dias, em especial quando chego em casa: acendo apenas uma luz de cada vez e não ligo nada... vou me aquietando do dia... vou tomar banho, e em vários dias nadar... Contar azulejos dentro da água pode ser recuperador! A mente se esvazia e a respiração oxigena ideias e sensações. Para quem, como eu, vive da escrita e da fala, é fundamental!

   Atordoa-me apenas quando os ruídos de dentro sendo tão maiores calam os de fora, e causam em seu possuidor o temor de com ele se encontrar. O bom mesmo é quando ruído e silêncio encontram a harmonia de sons, sem sobras e nem faltas.

   O que de fato fica como dica é talvez respeitar tanto um quanto o outro, e encontrar suas formas de manifestações em nós.

   Experimente desligar os sons externos (fones, iPhones, TVs, tablets e tudo o que está a tua volta) e ouça o que vem de dentro de você: faça-se companhia! Descubra o que seu EU tem a lhe dizer. Talvez descubra que esteve tanto tempo ao lado de quem você nem conhece direito. Não tenha receio do que os sons da sua alma venham a lhe revelar. Você não está sozinho: está em sua companhia! Descubra que escrita sua alma tem e que mensagem traz. 

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    “A compreensão do papel do ambiente na vida humana mostra que ele não apenas “cutuca ou sacode”, mas seleciona. Sua função é semelhante à da seleção natural, embora em uma escala temporal bem diferente... seu papel foi deixado de lado e é importante para uma análise consistente do comportamento.   (continua)


  •    Pistas não faltam: seja pelo jeito peculiar com que as famílias vão se transformando, seja pela rotina das cidades, a evolução dos gostos e preferências das sociedades, as apostas da ciência ou os caminhos abertos pela tecnologia, já é possível vislumbrar como será a vida de um cidadão daqui para a frente.   (continua)


  •    Elton Simões via blog do Noblat
       Não tenho o menor senso de direção. Faço parte daquele grupo de pessoas para as quais o deslocamento de um lugar a outro é sempre um desafio. O Norte parece sempre mudar de lugar. Estar pedido é não somente habitual, mas também um fato inevitável da vida.   (continua)


  •    Nasce o ideal da nossa consciência da imperfeição da vida. Tantos, portanto, serão os ideais possíveis, quantos forem os modos por que é possível ter a vida por imperfeita. A cada modo de a ter por imperfeita corresponderá, por contraste e semelhança, um conceito de perfeição. É a esse conceito de perfeição que se dá o nome de ideal.   (continua)


  •    Era o elemento que faltava para completar o pacote ecologicamente correto do estereótipo do povo de Seattle. Além de fazer reciclagem, comprar produtos orgânicos produzidos localmente e trocar o carro pelo transporte público, o típico morador de Seattle também simplifica a vida praticando o “downsizing”.   (continua)


  •    Étienne de La Boétie morreu aos 33 anos de idade, em 1563. Deixou sonetos, traduções de Xenofonte e Plutarco e o Discurso Sobre a Servidão Voluntária, o primeiro e um dos mais vibrantes hinos à liberdade dentre os que já se escreveram.  Toda a sua obra ficou como legado ao filósofo Montaigne (1533 – 1592), seu amigo pessoal que... (continua)


  •    É duro aceitar que algumas pessoas são mais capazes e mais afortunadas do que outras. Há muito suspeitava que um dia as mulheres mais bonitas iam ser de alguma forma castigadas por nossa sociedade. Meu temor, em parte, se confirmou. Incluindo aí também um castigo para os homens mais bonitos. E por quê?   (continua)


  •    Hoje voltou o frio. Veio como havia muito não vinha. Gelou o ar, esfriou o sofá da sala, resgatou meias, casacos e dores do fundo de uma gaveta que emperra como não quisesse abrir. Chegou sabe-se lá de onde, do pacífico, dos polos congelados, do sul do país. Não importa. Aqui faz frio. Em seu sopro fresco e úmido, esse frio há de aquecer os ímpetos de alguém.   (continua)


Copyright 2011-2019
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília