Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Sobre Cartas e Marchas - Theófilo Silva

Enviado por Theófilo Silva
sobre-cartas-e-marchas---theofilo-silva

     Sou de uma época em que ainda se escrevia cartas, um tempo não muito distante que acabou no início dos anos 90 com a chegada do computador pessoal. A Internet matou a carta escrita à mão. É o “progresso natural”, no entanto, diria Drummond, “Mas, como dói”. Tenho quase um milheiro de cartas guardadas em casa, testemunhas das experiências que vivenciei com familiares e amigos ao longo da vida.

     A espera ansiosa pelo carteiro, trazendo notícias da amada, da família e dos amigos distantes, deixou de existir. Receber e responder a uma carta eram uma satisfação. A história de uma pessoa, ou mesmo de uma nação ainda passa pela leitura das correspondências da época. Tudo ficava registrado, contado em forma de missivas. A epistolografia era um gênero literário, e artistas, escritores, estadistas amavam escrever cartas. Era um período em que uma letra bonita era muito admirada.

     Os americanos estão abolindo a escrita manual. Os EUA não querem mais que as crianças escrevam a lápis ou caneta, já que todas elas têm um computador. A medida está sendo implantada na grande potência, mesmo que cientistas afirmem que possa atrapalhar o desenvolvimento cerebral dessas crianças.

     Trago a história das cartas apenas como gancho, para mostrar a rapidez das transformações que estão ocorrendo a nosso redor, que nos confundem, e sobre as quais não temos qualquer controle. A morte da escrita à caneta e a lápis é apenas um dos muitos aspectos das céleres transformações que afetam a sociedade.

     Deploro a morte do cavalheirismo, a maneira respeitosa e gentil de se comportar formal ou informalmente, nos ambientes em que nos encontramos – hoje confundido com esnobismo e com os “chiques” das colunas sociais. Ser elegante é saber respeitar o espaço do outro, é o tratamento polido, sereno, sem afetações.

     O cavalheirismo é confundido com galanteria. Mesmo assim, são poucos os galantes, as mulheres podem responder isso. Poderíamos dizer que a vida apressada e tumultuada que levamos, alterada pela tecnologia digital cada vez mais sofisticada e multifuncional, não permite mais “práticas ultrapassadas” de comportamento.

     As pessoas são espirituosas, sinceras e cordiais apenas a distância, com frases pinçadas de “Pensamentos” extraídos do Google, e publicadas nas redes sociais. O Facebook, a nova forma de relacionamento, tornou-se o espaço em que muitos dão bom-dia ao sol e ao mar, abençoando o novo dia em fotos sorridentes, mas, ao entrar no elevador, não cumprimentam o vizinho.

     As centenas de leis criadas todos os dias, combinadas com um aparato decorativo do poder público em defesa do cidadão, não transformam o homens num ser humano melhor. Leis não melhoram o homem, apenas o domam.
O Brasil tem trinta partidos políticos, uma justiça lerda e voltada para seus interesses de classe, a corrupção campeando, e grande parte de uma imprensa leviana manipulando os fatos, enquanto uma minoria consciente marcha contra a corrupção – o verme que corrói o botão das esperanças vindouras. Num outro lado, milhões participam de outras marchas apenas por divertimento e falta do que fazer. É difícil de compreender.

     Cartas, marchas e cavalheiros não têm nada a ver um com o outro, nem são lados de uma mesma moeda. Mas, como diria Emerson, sagaz leitor de Shakespeare: “Não podemos descrever a ordem dos ventos variáveis... dia após dia, os fatos cruciais da vida permanecem ocultados”.
     Aqui, no Brasil, mais do que em qualquer outro lugar.

     Theófilo Silva é articulista colaborador semanal da Rádio do Moreno.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Ela entrou, deitou-se no divã e disse: "Acho que estou ficando louca". Eu fiquei em silêncio aguardando que ela me revelasse os sinais da sua loucura. "Um dos meus prazeres é cozinhar. Vou para a cozinha, corto as cebolas, os tomates, os pimentões , é uma alegria! Entretanto...   "   (continua)


  •    Sou, com frequencia, chamado a fazer palestras para turmas de formandos. Orgulha-me poder orientar jovens em seus primeiros passos profissionais. Há uma palestra que alguns podem conhecer já pela web, mas queria compartilhar seus fundamentos com os leitores da coluna.   (continua)


  •     Texto de Marina Colasanti na voz de Juca de Oliveira.
       "Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia. A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E porque não tem vista, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas.   (continua)


  •    “E no meio dessa confusão alguém partiu sem se despedir; foi triste. Se houvesse uma despedida talvez fosse mais triste, talvez tenha sido melhor assim, uma separação como às vezes acontece em um baile de carnaval, uma pessoa se perde da outra, procura-a...   (continua)


  •    Você está feliz com o que você ganha? Ou você está feliz, porque você ganha mais do que seu vizinho? Pesquisadores da Universidade de Warwick e Cardiff, ambas da Grã-Bretanha, descobriram que o dinheiro só traz felicidade se ao mesmo tempo...   (continua)


  •    A lista de mortos da gente vai aumentando com o tempo. Quando eu era pequena não tinha noção desse morre e nasce. Mesmo porque ninguém meu morria. Tudo tinha um quê tão definido de eternidade, tudo durava tanto e a vida não faltava; a vida era pontual como...   (continua)


  •    O cinismo nasceu idealista, otimista mesmo. Na Grécia Antiga, o cinismo começou como corrente filosófica que pregava que o propósito da vida era viver na virtude, de acordo com a natureza. Seus praticantes eram chamados de cínicos. Os cínicos gregos...   (continua)


  •    Você já parou para pensar no autoengano? Todos nós estamos familiarizados, de uma forma ou de outra, com as mentiras. Alguns são mais corajosos e admitem que são capazes de mentir, outros não admitem essa fraqueza.   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília