Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Stefaan Engels - Um fenômeno da corrida

Enviado por Gilberto Godoy
stefaan-engels---um-fenomeno-da-corrida
    Imagine um homem de 49 anos de idade que devora cinco remédios diferentes por dia, não abre mão de uma garrafa de vinho, muitas cervejas  come quilos de batatas fritas e bastante chocolate. Para completar, considere que alguns de seus últimos check-ups diagnosticaram-lhe um quadro de depressão, entre outros problemas.

     Muito bem. Agora se você soubesse que o detentor desse perfil é dono também de um dos mais incríveis recordes já transformados em verbete pelo Guinness Book, o de completar uma maratona por dia durante um ano inteiro!  Pois isto é verdade...
 
     Stefaan Engels terminou em 1º de janeiro de 2011 a sua loucura. Depois de passar pela experiência, admite que não se voltava a meter na aventura. Claro que isto pode ser só um desabafo, afinal falámos com o belga mal se viu livre dos penúltimos 42 quilómetros, ontem à tarde. Depois da última prova, esta manhã, Stefaan pode incluir 16 mil quilómetros nas pernas. Tudo começou com uma proposta a uma empresa de tratamentos para a obesidade e depressa se tornou na campanha publicitária mais suada de sempre. Agora o que lhe apetece mesmo é dormir.

     Está cansado?

     (Risos) Não. Depois de um ano a correr o meu corpo aprendeu a recuperar depressa. Tomo um duche, bebo umas bebidas energéticas e como - fico cheio de fome. Isto passou a ser o meu trabalho e em termos físicos posso dizer que é bastante fácil. O lado mental é que é pior. O facto de amanhã ser a última deixa-me um bocado ansioso.

     Em que pensa quando corre?

     Às vezes estou mesmo cansado, não me sinto nada para ali virado. Ponho os auscultadores e entro noutro mundo. Mas 99% do tempo corri acompanhado, as pessoas vieram ter comigo. A ideia do projecto era motivar para um estilo de vida mais saudável, passar a mensagem de que é possível vencermos os obstáculos quando acreditamos. O problema de passar a mensagem é que às vezes nem me apetecia falar. De resto, aprendi a focar-me nos pensamentos positivos e a não pensar demasiado.

     O que ouve enquanto corre?

     Tenho dez mil músicas gravadas e deixo o iPod escolher. Mas o grupo que me ajudou mais foram os Radiohead.

     Qual foi a melhor corrida?

     Foi quando corri em casa, em Março. Mas as que me deram mais gozo foram as maratonas das grandes cidades, onde temos milhares de corredores à nossa volta.

     A família entretanto deserdou-o?

     No início toda a gente dizia que eu era louco. Mas as reacções foram sempre melhorando. Agora é a última semana e estão cá todos, famílias e amigos. Estão orgulhosos.

     É um herói em Ghent?

     E não só! Todos os dias recebo emails da China, da Alemanha, dos Estados Unidos. Mais do que ser ou não ser um herói, fiz desta campanha um objectivo pessoal, foi um esforço para os outros. Quis ser uma inspiração e acho que consegui.

     O que faz para além de correr?

     Sou criativo e dou formações sobre motivação. Também tenho alguns trabalhos na área da cultura e da arte. Nos últimos dez anos dediquei-me a esta área da sensibilização para um estilo de vida saudável e tenho tido diferentes projectos. Em 2008 fiz 20 provas "Iron Man" seguidas [com natação, ciclismo e maratona]. Este foi um projecto mais ambicioso.

     Já tem mais alguma ideia em mente?

     No próximo ano vou escrever um livro sobre esta experiência e vamos fazer também um documentário. Tive um cameraman sempre comigo, que às vezes também corria. A ideia é ir a escolas falar com crianças e jovens sobre as vantagens do desporto.

     Tem saudades de alguma junkfood?

     Nunca deixei de comer. Ontem jantei num italiano, no dia anterior comi um bife. Bebo vinho, cerveja. Dá para correr 365 dias e comer tudo na mesma, acredita.

     Mas recomenda a aventura a alguém?

     Se me perguntassem se o deviam fazer... Agora que sei o que sei, eu próprio não voltava. Mas foi bom não ter tido ninguém para me dizer o que podia esperar do último ano. Eu corro há 20 anos. O que digo às pessoas é que façam exercício duas a três vezes por semana, seja correr, andar de bicicleta ou passear.

     Sente mudanças no corpo?

     Perdi 15 quilos mas de resto os exames não mostram nada diferente. Posso dizer que o meu corpo não se ressentiu depois de um ano a correr.

     O que é que vai fazer no primeiro domingo sem maratona?

     Dormir e dormir, dormir, dormir. Estou muito cansado - cansado a nível mental e físico. Gosto da ideia de não ter de andar com os ténis atrás para correr.

     Sonha com maratonas?

     Sim e acho que ainda vou sonhar mais nos próximos dias. Mas não vou deixar de correr. Vai ser uma pausa de duas semanas, depois logo que se vê.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo


  •      O jogo era entre TianJin e Army no campeonato chinês de voleibol feminino. Eis que alguém apertou o botão de "eternizar" o jogo... um rally interminável e espetacular começa. O espectador pode até pensar que a bola jamais irá tocar o chão outra vez jamais diante da infindável troca de bolas. Incrível!


  •    Quem gosta de tênis já deve ter se perguntado qual a maior troca de bolas num jogo profissional. Longas trocas são cansativas mas muito bonitas de serem vistas. Este post conta um pouco das histórias de longas trocas de bolas.   (continua)


  •    Ismael Hamdaoui faz coisas com a bola que os olhos humanos mal conseguem compreender. O tipo de coisa que exige o replay da cena em câmera lenta para apreciar plenamente o que está acontecendo. Em uma recente partida de futsal na bélgica, ele deixou seus adversários atônitos com suas habilidades.


  •    Em um futebol brasileiro pobre, o Grêmio se destaca pela riqueza. Contra boa parte do que defendeu ao longo de sua história, o clube da raça colocou uma boa pitada de técnica no estilo que sempre o caracterizou.   (continua)


  •      Para quem gosta de corridas automobilísticas. Uma última volta pra ficar na história do automobilismo. Realmente incrível!


  •    A promessa se chama Kwe'shaun Parker, e não é por acaso que ele vem sendo comparado a Michael Jordan. Ele tem 1,88 metros, relativamente baixo para o esporte, praticamente voa no campeonato colegial de basquete e deve logo estrear no universitário. Ainda que uma bandeja renda...   (continua)


  •    Quando ganhou um game no terceiro set contra Roger Federer na final do último Aberto dos EUA, Novak Djokovic comemorou com o dedo na cabeça, apontando para sua principal aliada: a "força mental". Essa força, segundo ele, começou a crescer ainda na infância.   (continua)


  •    A capacidade de realização que o norte-americano tem é algo que outros países só conseguem imitar. Não sei se os inglêses atingem o mesmo nível, mas neste país, há clubes e encontros para tudo. Qualquer interesse, hobby ou paixão ganha um grupo, uma associação...   (continua)


Copyright 2011-2018
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília