Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

21 anos do ECA e o compromisso social da Psicologia

Enviado por Gilberto Godoy
21-anos-do-eca-e-o-compromisso-social-da-psicologia

O século XX ficou marcado por inegáveis avanços na construção dos direitos da criança e do adolescente, sendo considerados documentos fundamentais nesta construção: a Declaração dos Direitos da Criança de 1924, que inaugura o discurso da proteção especial a crianças e adolescentes; a Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948; a Declaração Universal dos Direitos da Criança, de 1959 e Convenção Internacional dos Direitos da Criança, de 1989.

Acompanhando essa construção histórica e como conseqüência do processo de redemocratização do estado brasileiro e da luta de movimentos sociais, a garantia dos direitos de crianças e adolescentes no Brasil está materializada, no plano legal, na Constituição Federal (CF) de 1988 e no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), Lei Federal nº 8.069, de 13 de Julho de 1990. O ECA, em seu artigo 1º, dispõe sobre a proteção integral à criança e ao adolescente e detalha, em mais de 260 artigos, a devida proteção à criança e ao adolescente, nos mais variados aspectos de sua vida em sociedade. Essas mudanças rompem com o parâmetro doutrinário vigente no Brasil até então denominado Doutrina da Situação Irregular (que considerava crianças e adolescentes em situação “irregular” – abandonados, carentes, infratores – como “menores”, no sentido de menos valia e como objetos subjugados ao poder dos adultos, sendo tratados com práticas tutelares, autoritárias e centralizadoras) e consolida os princípios da chamada Doutrina da Proteção Integral (que passa a considerar todas as crianças sujeitos de direitos e cidadãos  que devem ter protegidos os seus direitos ao desenvolvimento saudável).

A partir da ruptura com a concepção da situação irregular, uma nova ordem se instala, na qual o foco é na defesa e proteção dos direitos e no entendimento de que não são crianças e adolescentes seres “irregulares”, mas são irregulares sim as situações de violação dos seus direitos colocadas pelos adultos e pelas instituições da sociedade na qual estão inseridas.

Observa-se que a trajetória de construção dos direitos de crianças e adolescentes no Brasil aponta para inegáveis avanços no plano legal e, neste sentido, a promulgação do ECA configura-se como um divisor de águas. As mudanças na legislação impactaram não apenas no campo jurídico, mas em todas as áreas das políticas públicas e sociais.

Entretanto, mesmo com essas constatações, preocupa-nos ainda a má interpretação do ECA por grande parte da sociedade brasileira, criando aí um hiato entre o que está preconizado na lei e o que está efetivamente ocorrendo nas práticas de atenção a crianças e adolescentes em todos os campos. A concepção de vigilância e controle de uma infância e adolescência “irregulares” (especialmente os segmentos mais pobres) e os modelos de intervenção identificados como correcionais-repressivos e assistencialistas são ainda praticados em nossa sociedade. Da mesma forma, práticas funcionalistas, estigmatizantes, criminalizadoras e patologizantes têm servido a uma sociedade que cada vez mais desumaniza suas relações, individualiza e os sujeitos e desconsidera a responsabilidade de todos na sua construção.

 Neste contexto, pautados no compromisso social da psicologia brasileira, ao comemorarmos 21 anos do ECA, convocamos toda a sociedade e em especial as psicólogas e psicólogos a refletirem sobre os modos de pensar e as suas práticas que envolvem crianças e adolescentes. Temos subsídios científicos, éticos e políticos para atuarmos profissionalmente na direção da promoção, defesa e controle dos direitos humanos de crianças e adolescentes e temos o dever ético de colocá-los à disposição da sociedade.

Artigo da conselheira do CFP Sandra Amorim publicado no Jornal Gazeta Digital em virtude da comemoração dos 21 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente, celebrado dia 13 de julho.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •      São tantas as possibilidades da sexualidade humana e as dúvidas, que resolvemos reproduzir um glossário importante para entender melhor o universo Trans, organizado pelo Correio Braziliense, com a ajuda da psicóloga Isabel Amora do Hospital Universitário de Brasília, HUB.   (continua)


  •    Terapia comportamental pode ajudar pessoas em momentos especiais em que estão sentindo necessidade de solucionar problemas ou questões pessoais, e tem a necessidade de ajuda profissional efetiva.  Geralmente procuram o profissional por meio de indicações de amigos, colegas ou parentes. A procura na internet hoje também é muito comum.   (continua)


  •    A distinção entre reforçadores naturais e arbitrários é problemática em Análise do Comportamento e não há conformidade nos uso desses conceitos dentre os analistas do comportamento. Goldiamond, Ferster, Kohlenberg, Tsai entre outros defendem o uso de reforçadores naturais em detrimento dos arbitrários no contexto aplicado pelos...   (continua)


  •    Palestra proferida pelo professor Gilberto Godoy, CRP 01/6115, por ocasião da Jornada COMO LIDAR COM AS EMOÇÕES: Tristeza, medo e raiva, promovida pela Clínica Brasília de Psicologia em dezembro de 2020.   (continua)


  •      Terapia Comportamental: quando, como e para quê?
      A vida é udinâmica e exige de nós uma constante adaptação às circunstâncias por meio de nossos comportamentos. Dificuldades e problemas são parte do nosso cotidiano, em diversos níveis. Muitas vezes, damos conta de lidar com nossas questões sem ajuda profissional, porém, quando nos deparamos com uma condição na qual não temos as respostas...   (continua)


  •    Bons questionamentos de Seiiti Arata Jr.  Ele fundou a Arata Academy em 2007, prestando serviços de treinamento online para jovens empresários e profissionais que procuram alcançar resultados de excelência. Atualmente...   (continua)


  •    Confira no nosso Canal do YOUTUBE -->  AQUI

       A solidão é uma condição humana com potencial tanto para crescimento quanto para aflição. É um sentimento inevitável em alguns momentos da vida, mesmo estando em companhia de outros, portanto mais importante que evitar a dor de se estar só podemos aprender a estar só e extrair o melhor desses momentos.   (continua)


  •   Depressão é a denominação atribuída a um transtorno de humor que se caracteriza por um conjunto de somatizações e alterações de comportamentos, sentimentos, percepção, emoções entre outros e que podem comprometer a adaptação da pessoa à vida pessoal e social. Pode comprometer além da saúde, trabalho, família, estudos e relacionamentos.  (continua)

    Assista o VÍDEO sobre DEPRESSÃO  AQUI.


Copyright 2011-2021
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília