Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

A generosidade de uma criança - Carlos Vieira

Enviado por Gilberto Godoy
a-generosidade-de-uma-crianca---carlos-vieira

      Assisti a uma reportagem no programa Fantástico, da TV Globo, que além de ter me emocionado bastante, mostrou uma experiência insólita, rara e belíssima.

     Um garoto de oito anos, de uma cidade dos Estados Unidos, ganhou um prêmio em sua escola, de mil dólares. Poderia ter aproveitado para realizar vários desejos de um infante, principalmente numa sociedade consumista e por demais materialista. Qual surpresa, essa criança doou, generosamente, seu dinheiro para outra criança, de dois anos, necessitada de fazer quimioterapia em virtude de uma leucemia. Esse é o fato!

     O ser humano, em sua essência constitucional, vem ao mundo dotado da capacidade de amar tanto quanto de odiar. Somos animais e somos humanos em nossa tessitura instintual e psíquica. Alguns mais afetivos outros mais agressivos constitucionalmente.

     O que quero nesse momento salientar é o sentimento de generosidade. Generosidade é amor incondicional; é um ato de estar disponível para albergar a dor do outro, sem “segundas intenções”; é tolerância de poder retirar de si para benefício de outra pessoa. É o amor de mãe cantado em prosa e verso e daqueles que tem dentro de si, a função materna.

     Essa criança provavelmente tem dentro dela, introjetado e assimilado, a capacidade amorosa por excelência. Essa criança, ainda que juvenil, capta, sente e percebe a importância de fazer alguma coisa para suportar a “nossa mortalidade”. Ela sabe da morte, da angústia terrível que alguém sente, se condenada tão cedo por uma doença que pode ser letal.

     Sofrimento maior para todos nós é saber, que essa generosidade parece estar ficando rara. Vivemos num mundo egoísta, narcísico, direcionado para o prazer de Ter, ter mais do que se tem, inclusive solapando e assaltando os que necessitam e sofrem por não terem as mínimas condições de sobrevivência.

     O garoto dá o exemplo de um amor social, gregário, comunitário, para beneficiar alguém que pode deixar de existir a qualquer momento. Esse menino provavelmente vem de um lar com predominância de afeto; de pais que puderam transmitir a solidariedade humana.

     Penso agora nos milhões de recém nascidos e crianças, enumerados nas estatísticas de mortalidade infantil, nesse Brasil emergente com pretensões de primeiro mundo. É fato que os índices de mortalidade infantil têm caído, mas muita coisa ainda precisa ser feita.

     Penso na generosidade do Governo, na capacidade de dar dos nossos políticos (?). Penso nas verbas destinadas às populações carentes. Essas verbas, fruto dos impostos altíssimos que pagamos, muitas vezes chegam nas prefeituras nem sempre o valor pré-estipulado. No caminho que compreende entre o orçamento e a chegada à sua finalidade social, quantos e quantos milhões ficam nos bolsos dos “assaltantes”, daqueles que desconhecem e que são incapazes de ter e sentir a expressão afetiva da generosidade! Em vários lugares desse Brasil sempre existe a dor da solidão de uma criança agonizante, sem ter o que comer e onde morar. Em vários lares falta o sentimento de amorosidade, meio pelo qual se desenvolve a generosidade.

     No morro, nas favelas, nos sertões e no seio das famílias, ditas de classe dominante, a generosidade existe? Uma boa parte dos menos privilegiados torna-se odientos, invejosos, feridos na carência, revoltados e ressentidos por não terem tido um “lugar ao sol”. Ainda assim, alguns são amorosos, generosos e socialmente preocupados com os seus semelhantes.

     Os filhos de uma parcela pequena da população, a classe alta dominante, encontram na intimidade dos seus lares a predominância da amorosidade e da generosidade? Ou observam às vezes com prazer e triunfo, outras vezes com tristeza, como seus pais adquirem riqueza às custa de corrupção, suborno, falcatruas, gangues de colarinho branco em conluio com o Poder Estatal? Desses lares não saem atos de generosidade e de gratidão! Dessas famílias emergem jovens depressivos, vazios, frios, calculistas, escondendo dentro de si a “cultura do desafeto e do vazio existencial.”

     Logo após ter sido tocado com a notícia dada pelo Fantástico, antes de dormir fui ler um pouco. Por coincidência ou não, senti mais uma vez a “dor da falta” num lindo poema de Cecília Meireles:

Orfandade

“A menina de preto ficou morando atrás do tempo,
Sentada no banco, debaixo da árvore,
Recebendo todo o céu nos grandes olhos admirados.

Alguém passou de manso, com grandes nuvens no vestido,
E parou diante dela, e ela, sem que ninguém falasse,
Murmurou: “A MAMÃE MORREU”.

Já ninguém passa mais, e ela não fala mais, também.
O olhar caiu dos seus olhos, e está no chão, com as outras pedras,
Escutando na terra aquele dia que não dorme,
Com as três palavras que ficaram por ali”

Poema do livro - VIAGEM, Ed. Global, SP. 2012.

      Carlos.A.Vieira, médico, psicanalista, Membro Efetivo da Sociedade de Psicanálise de Brasilia e de Recife. Post via blog do Moreno.

Comentários

  • por: Frennessey S. Leal em quinta-feira, 11 de outubro de 2012
    Que texto fantástico! Vale a pena ser compartilhado.

Também recomendo

  •    “A compreensão do papel do ambiente na vida humana mostra que ele não apenas “cutuca ou sacode”, mas seleciona. Sua função é semelhante à da seleção natural, embora em uma escala temporal bem diferente... seu papel foi deixado de lado e é importante para uma análise consistente do comportamento.   (continua)


  •    Pistas não faltam: seja pelo jeito peculiar com que as famílias vão se transformando, seja pela rotina das cidades, a evolução dos gostos e preferências das sociedades, as apostas da ciência ou os caminhos abertos pela tecnologia, já é possível vislumbrar como será a vida de um cidadão daqui para a frente.   (continua)


  •    Nasce o ideal da nossa consciência da imperfeição da vida. Tantos, portanto, serão os ideais possíveis, quantos forem os modos por que é possível ter a vida por imperfeita. A cada modo de a ter por imperfeita corresponderá, por contraste e semelhança, um conceito de perfeição. É a esse conceito de perfeição que se dá o nome de ideal.   (continua)


  •    Elton Simões via blog do Noblat
       Não tenho o menor senso de direção. Faço parte daquele grupo de pessoas para as quais o deslocamento de um lugar a outro é sempre um desafio. O Norte parece sempre mudar de lugar. Estar pedido é não somente habitual, mas também um fato inevitável da vida.   (continua)


  •    Era o elemento que faltava para completar o pacote ecologicamente correto do estereótipo do povo de Seattle. Além de fazer reciclagem, comprar produtos orgânicos produzidos localmente e trocar o carro pelo transporte público, o típico morador de Seattle também simplifica a vida praticando o “downsizing”.   (continua)


  •    Étienne de La Boétie morreu aos 33 anos de idade, em 1563. Deixou sonetos, traduções de Xenofonte e Plutarco e o Discurso Sobre a Servidão Voluntária, o primeiro e um dos mais vibrantes hinos à liberdade dentre os que já se escreveram.  Toda a sua obra ficou como legado ao filósofo Montaigne (1533 – 1592), seu amigo pessoal que... (continua)


  •    É duro aceitar que algumas pessoas são mais capazes e mais afortunadas do que outras. Há muito suspeitava que um dia as mulheres mais bonitas iam ser de alguma forma castigadas por nossa sociedade. Meu temor, em parte, se confirmou. Incluindo aí também um castigo para os homens mais bonitos. E por quê?   (continua)


  •    Hoje voltou o frio. Veio como havia muito não vinha. Gelou o ar, esfriou o sofá da sala, resgatou meias, casacos e dores do fundo de uma gaveta que emperra como não quisesse abrir. Chegou sabe-se lá de onde, do pacífico, dos polos congelados, do sul do país. Não importa. Aqui faz frio. Em seu sopro fresco e úmido, esse frio há de aquecer os ímpetos de alguém.   (continua)


Copyright 2011-2022
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília