Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Nutrição comportamental

Enviado por Gilberto Godoy
nutricao-comportamental

   O psicólogo e doutor em biologia Paul Rozin, professor na Universidade da Pensilvânia (EUA), dedicou 25 anos de sua carreira a estudar por que escolhemos determinados alimentos e por que comemos de certa maneira.

   Rozin é um pioneiro em nutrição comportamental, especialidade que cresce cada dia mais na luta contra a obesidade e o emagrecimento no mundo. Para ele, além de buscar entender as escolhas alimentares humanas, é preciso partir de uma perspectiva realista de nutrição, ou seja, é preciso aceitar o peso quando este não representa riscos à saúde epromover mudanças no ambiente ao invés de confiar demais na força de vontade individual.

   Rozin esteve no Brasil em novembro de 2014 para o 1º Workshop de Nutrição Comportamental e conversou com a Folha. Segundo ele, é preciso fugir do pensamento binário segundo o qual certo alimento faz bem ou faz mal, para introduzir um conceito importante para a saúde e o emagrecimento: a moderação. 

Folha: Do que se trata a nutrição comportamental?
Rozin: A nutrição comportamental diz que é não preciso mudar tudo e propõe pequenas e simples mudanças como comer mais devagar e em menores quantidades do que deixar de comer. Um exemplo prático é: Não adianta orientar a pessoa a parar de comer quando está satisfeita sendo que continua havendo comida em sua frente. O ideal é comprar ou preparar porções menores e colocar no prato apenas o que for comer, sem ter mais para repetir. 

Folha: Essas pequenas mudanças não são muito limitadas para quem precisa perder muito peso?
Rozin: É claro que algumas pessoas precisaram de um trabalho mais detalhado e no caso da obesidade mórbida, a cirurgia bariátrica pode ser recomendada. Mas há um limite para as mudanças do corpo. Costumo dizer que peso é igual a altura e para mudar é tão difícil quanto. O ideal é não se preocupar tanto com o peso, regimes preocupam e preocupação faz mal à saúde. 

Folha: Acredita que a nutrição tem colocado muita responsabilidade sobre o indivíduo?
Rozin: É mais fácil mudar o ambiente do que a pessoa. Investir em transporte público, por exemplo, faz as pessoas andarem mais. Tentamos mudar o indivíduo durante muito tempo e falhamos.

Folha: Como é possível uma educação para a nutrição?
Rozin: Precisamos entender que uma mesma substância pode trazer riscos e benefícios. Hoje o pensamento é binário e os fenômenos são complexos. A ciência não é necessariamente boa ou má, mas precisamos entender como ela funciona para identificar as possíveis falhas. A mídia divulga algo sobre determinado alimento e logo, todos já estão eliminando-o de sua dieta. 

Folha: A noção de que as coisas podem ser boas ou más ao mesmo tempo não imobiliza? Na prática, não temos que saber o que comer e o que não comer?
Rozin: Um conceito importante que precisa ser assimilado é o da moderação, mas ele parece ter sido esquecido na modernidade. As pessoas não gostam da ideia de que algo que é muito bom possa ter problemas. Então, transformam tudo o que tem problema em uma coisa ruim e algo que traz benefícios a um grupo de pessoas em totalmente bom para elas também.

     Fonte: Folha de S. Paulo
 

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Você já lavou a louça prestando atenção somente no movimento das mãos? Ou tomou banho experimentando a sensação do sabonete ao tocar sua pele? Caminhou sentindo os pés pisarem no solo? A grande maioria das pessoas certamente responderia não a essas questões – e...   (continua)


  •    Nos Estados Unidos, pelo menos 9% das crianças em idade escolar foram diagnosticadas com TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade), e estão sendo tratadas com medicamentos. Na França, a percentagem de crianças diagnosticadas e medicadas para o TDAH é inferior a...   (continua)


  •    A chamada síndrome de Asperger, transtorno de Asperger ou desordem de Asperger é uma síndrome do espectro autista, diferenciando-se do autismo clássico por não comportar nenhum atraso ou retardo global no desenvolvimento cognitivo ou da linguagem do indivíduo. A validade do diagnóstico...   (continua)


  •    Para uns, ela é uma droga perversa. Para outros, a 'tábua de salvação'. Trata-se da ritalina, o metilfenidato, da família das anfetaminas, prescrita para adultos e crianças portadores de transtorno de deficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Teria o objetivo de melhorar a concentração, diminuir o cansaço e...   (continua)


  •    O que o apresentador André Marques, o diretor Boninho e o ator Leandro Hassum têm em comum? Todos apostaram na redução de estômago para ajudar a conquistar corpo dos sonhos, assim como muitos brasileiros no ano passado. Tanto que os números da...   (continua)


  •   Você já lavou a louça prestando atenção somente no movimento das mãos? Ou tomou banho experimentando a sensação do sabonete ao tocar sua pele?   (continua)


  •    Um dos medos que nossos pais se encarregam de integrar apaixonadamente em nossa infância, junto ao de não tomar banho após comer sob pena de sofrer uma congestão, é que se pisarmos em um prego enferrujado, então provavelmente contrairemos o tétano. Na verdade, nunca sabíamos exatamente o que...   (continua)


  •    Você já se perguntou por que sua dieta não funciona? Um estudo realizado por pesquisadores israelenses indica que a maioria dos estudos nutricionais estão errados e que os alimentos têm um efeito muito diferente em cada pessoa. O trabalho, publicado na última semana na revista Cell, baseia-se no...   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília