Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Nutrição comportamental

Enviado por Gilberto Godoy
nutricao-comportamental

   O psicólogo e doutor em biologia Paul Rozin, professor na Universidade da Pensilvânia (EUA), dedicou 25 anos de sua carreira a estudar por que escolhemos determinados alimentos e por que comemos de certa maneira.

   Rozin é um pioneiro em nutrição comportamental, especialidade que cresce cada dia mais na luta contra a obesidade e o emagrecimento no mundo. Para ele, além de buscar entender as escolhas alimentares humanas, é preciso partir de uma perspectiva realista de nutrição, ou seja, é preciso aceitar o peso quando este não representa riscos à saúde epromover mudanças no ambiente ao invés de confiar demais na força de vontade individual.

   Rozin esteve no Brasil em novembro de 2014 para o 1º Workshop de Nutrição Comportamental e conversou com a Folha. Segundo ele, é preciso fugir do pensamento binário segundo o qual certo alimento faz bem ou faz mal, para introduzir um conceito importante para a saúde e o emagrecimento: a moderação. 

Folha: Do que se trata a nutrição comportamental?
Rozin: A nutrição comportamental diz que é não preciso mudar tudo e propõe pequenas e simples mudanças como comer mais devagar e em menores quantidades do que deixar de comer. Um exemplo prático é: Não adianta orientar a pessoa a parar de comer quando está satisfeita sendo que continua havendo comida em sua frente. O ideal é comprar ou preparar porções menores e colocar no prato apenas o que for comer, sem ter mais para repetir. 

Folha: Essas pequenas mudanças não são muito limitadas para quem precisa perder muito peso?
Rozin: É claro que algumas pessoas precisaram de um trabalho mais detalhado e no caso da obesidade mórbida, a cirurgia bariátrica pode ser recomendada. Mas há um limite para as mudanças do corpo. Costumo dizer que peso é igual a altura e para mudar é tão difícil quanto. O ideal é não se preocupar tanto com o peso, regimes preocupam e preocupação faz mal à saúde. 

Folha: Acredita que a nutrição tem colocado muita responsabilidade sobre o indivíduo?
Rozin: É mais fácil mudar o ambiente do que a pessoa. Investir em transporte público, por exemplo, faz as pessoas andarem mais. Tentamos mudar o indivíduo durante muito tempo e falhamos.

Folha: Como é possível uma educação para a nutrição?
Rozin: Precisamos entender que uma mesma substância pode trazer riscos e benefícios. Hoje o pensamento é binário e os fenômenos são complexos. A ciência não é necessariamente boa ou má, mas precisamos entender como ela funciona para identificar as possíveis falhas. A mídia divulga algo sobre determinado alimento e logo, todos já estão eliminando-o de sua dieta. 

Folha: A noção de que as coisas podem ser boas ou más ao mesmo tempo não imobiliza? Na prática, não temos que saber o que comer e o que não comer?
Rozin: Um conceito importante que precisa ser assimilado é o da moderação, mas ele parece ter sido esquecido na modernidade. As pessoas não gostam da ideia de que algo que é muito bom possa ter problemas. Então, transformam tudo o que tem problema em uma coisa ruim e algo que traz benefícios a um grupo de pessoas em totalmente bom para elas também.

     Fonte: Folha de S. Paulo
 

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Passear no shopping, caminhar na praia ou com o cachorro, andar pela casa... para você, caminhada é tudo igual? Pode até parecer a mesma coisa, mas o resultado é completamente diferente quando se trata de uma caminhada seca gordura. O segredo? "Ela queima gordura e detona muitas calorias precisa por atingir uma faixa de frequência cardíaca...   (continua)


  •    Uma simples caminhada rápida nos arredores de casa pode ter um papel importante no combate à depressão, segundo pesquisadores de uma universidade na Escócia. Estudos anteriores já haviam demonstrado que exercícios vigorosos aliviam os sintomas da depressão, mas o efeito de atividades menos árduas ainda não foi analisado em profundidade.   (continua)


  •    Dois artistas populares no Brasil tiveram problemas graves de coração recentemente, apesar de serem adeptos de check-up regulares. O ator José Wilker faleceu por causa de um infarto no dia 5 de abril de 2014, aos 69 anos. Amigos próximos relataram que ele havia se submetido a exames recentemente.   (continua)


  •      Segundo o Ministério da Saúde, 51% da população brasileira acima de 18 anos está acima do peso ideal. Se você está nesse grupo de pessoas, então tem alguns quilinhos de gordura para perder. E talvez você fique mais motivado ao ver meio quilo de gordura humana - você precisa eliminá-la do seu corpo agora mesmo. No entanto, ainda há muitas concepções incorretas sobre a gordura — e alguns desses enganos podem atrapalhar seu esforço para perder peso. Então vamos nos livrar dessa desinformação ingerindo um pouco de conhecimento.   (continua)


  •    Algumas regras e conselhos médicos são bastante conhecidos. Fazer exercícios, controlar o estresse, maneirar no sal, alimentação balanceada, álcool sob controle, cigarro à distância, boas horas de sono... estas você já sabe ou deveria saber, de tanto que os médicos repetem. No entanto,  há muitos outros bons hábitos e fatores externos que são fundamentais para se chegar a uma “melhor idade” digna do...   (continua)


  •    O ser humano se condiciona a determinados hábitos para facilitar a sua vida diária na sociedade. Criamos rotinas, processos e conceitos sociais para vivermos de forma harmoniosa entre nossos pares e para usufruir de um convívio pacífico e prazeroso. Muito do que fazemos são heranças atávicas de como os nossos pais nos criaram e dos...   (continua)


  •    Nesta época do ano, em especial, escuta-se muita gente contando suas loucuras para perder peso ou manter-se nele. Quem aqui não conhece uma amiga que só come gelatina ou passa o dia com apenas um miojo?! Sem entrar no mérito nutricional desses alimentos, ficar horas sem comer impede sim o organismo de perder peso e ainda cria...   (continua)


  •    Serviço de saúde inaugurado na Zona Leste tem o objetivo de dar conforto a pequenos pacientes sem chance de cura que não precisam mais ficar em um hospital. Em janeiro de 2012, Paulo Ricardo Ferreira de Almeida, então com 2 anos, chegou ao Hospital Santa Marcelina, em Itaquera, com febre e dificuldade de comer. Os exames indicaram um tipo de leucemia grave. Paulo foi submetido a quimioterapia, e o tratamento não surtiu efeito.   (continua)


Copyright 2011-2021
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília