Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Nutrição comportamental

Enviado por Gilberto Godoy
nutricao-comportamental

   O psicólogo e doutor em biologia Paul Rozin, professor na Universidade da Pensilvânia (EUA), dedicou 25 anos de sua carreira a estudar por que escolhemos determinados alimentos e por que comemos de certa maneira.

   Rozin é um pioneiro em nutrição comportamental, especialidade que cresce cada dia mais na luta contra a obesidade e o emagrecimento no mundo. Para ele, além de buscar entender as escolhas alimentares humanas, é preciso partir de uma perspectiva realista de nutrição, ou seja, é preciso aceitar o peso quando este não representa riscos à saúde epromover mudanças no ambiente ao invés de confiar demais na força de vontade individual.

   Rozin esteve no Brasil em novembro de 2014 para o 1º Workshop de Nutrição Comportamental e conversou com a Folha. Segundo ele, é preciso fugir do pensamento binário segundo o qual certo alimento faz bem ou faz mal, para introduzir um conceito importante para a saúde e o emagrecimento: a moderação. 

Folha: Do que se trata a nutrição comportamental?
Rozin: A nutrição comportamental diz que é não preciso mudar tudo e propõe pequenas e simples mudanças como comer mais devagar e em menores quantidades do que deixar de comer. Um exemplo prático é: Não adianta orientar a pessoa a parar de comer quando está satisfeita sendo que continua havendo comida em sua frente. O ideal é comprar ou preparar porções menores e colocar no prato apenas o que for comer, sem ter mais para repetir. 

Folha: Essas pequenas mudanças não são muito limitadas para quem precisa perder muito peso?
Rozin: É claro que algumas pessoas precisaram de um trabalho mais detalhado e no caso da obesidade mórbida, a cirurgia bariátrica pode ser recomendada. Mas há um limite para as mudanças do corpo. Costumo dizer que peso é igual a altura e para mudar é tão difícil quanto. O ideal é não se preocupar tanto com o peso, regimes preocupam e preocupação faz mal à saúde. 

Folha: Acredita que a nutrição tem colocado muita responsabilidade sobre o indivíduo?
Rozin: É mais fácil mudar o ambiente do que a pessoa. Investir em transporte público, por exemplo, faz as pessoas andarem mais. Tentamos mudar o indivíduo durante muito tempo e falhamos.

Folha: Como é possível uma educação para a nutrição?
Rozin: Precisamos entender que uma mesma substância pode trazer riscos e benefícios. Hoje o pensamento é binário e os fenômenos são complexos. A ciência não é necessariamente boa ou má, mas precisamos entender como ela funciona para identificar as possíveis falhas. A mídia divulga algo sobre determinado alimento e logo, todos já estão eliminando-o de sua dieta. 

Folha: A noção de que as coisas podem ser boas ou más ao mesmo tempo não imobiliza? Na prática, não temos que saber o que comer e o que não comer?
Rozin: Um conceito importante que precisa ser assimilado é o da moderação, mas ele parece ter sido esquecido na modernidade. As pessoas não gostam da ideia de que algo que é muito bom possa ter problemas. Então, transformam tudo o que tem problema em uma coisa ruim e algo que traz benefícios a um grupo de pessoas em totalmente bom para elas também.

     Fonte: Folha de S. Paulo
 

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Durante os meses de inverno, a incidência de gripe e resfriado aumenta de 5 a 7%, segundo o Departamento de Influenza e Virologia Clínica da Sociedade Brasileira de Infectologia. O crescimento se deve, principalmente, ao fato de que as pessoas...   (continua)


  •    Um estudo demonsta que sedentarismo tem causado tantas mortes quanto o tabagismo. A pesquisa, publicada na revista médica Lancet, estima que um terço dos adultos não tem praticado atividades físicas suficientes, o que tem causado 5,3 milhões de mortes por ano em todo o mundo.   (continua)


  •    As pessoas alheias à Doença de Alzheimer não estão muito cientes do problema e a Cut Vídeo decidiu produzir um vídeo que pudesse realmente criar uma consciência forte nas pessoas que o assistissem.   (continua)


  •    Um estudo publicado no ano passado mostrou que uma semana apenas passada dormindo menos de seis horas por noite resultou em modificações em mais de 700 genes. É alarmante. Veja abaixo a verdade assustadora do que pode acontecer com seu corpo quando ...   (continua)


  •    Ao menos desde os anos 90 uma das doenças infantis diagnosticadas com maior frequência é o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), um problema psicológico que paralelamente se revelou como um dos principais negócios das grandes farmacêuticas...   (continua)


  •     Tatiana Tavares, especial para o iG São Paulo
       A busca por uma alimentação mais saudável nem sempre é fácil. Além de exigir 'força de vontade' e um tanto de disciplina, mudar hábitos à mesa, em casa e na rua, algumas vezes pode significar um aumento na conta do supermercado ou do restaurante.   (continua)


  •    Wilson Ferreira via cinegnose.blogspot.com
      Neste momento a sociedade reúne todo um arsenal médico-terapêutico-psicológico-farmacêutico para extirpar o mal que atormenta milhares de almas: a melancolia. O professor de literatura inglesa da Wake Forest University Erik Wilson vê na obsessão pela busca da felicidade na atual sociedade de consumo como...   (continua)


  •    Passear no shopping, caminhar na praia ou com o cachorro, andar pela casa... para você, caminhada é tudo igual? Pode até parecer a mesma coisa, mas o resultado é completamente diferente quando se trata de uma caminhada seca gordura. O segredo? "Ela queima gordura e detona muitas calorias precisa por atingir uma faixa de frequência cardíaca...   (continua)


Copyright 2011-2024
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília