Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O acervo de Milton Nascimento disponível para pesquisa

Enviado por Gilberto Godoy
o-acervo-de-milton-nascimento-disponivel-para-pesquisa

     Rio de Janeiro - Desde o dia 21 deste mês, o acervo do cantor e compositor Milton Nascimento está disponível para visualização e pesquisa no portal do Instituto Antonio Carlos Jobim – www.jobim.org . São cerca de 45 mil itens, entre fotos, documentos, áudios, vídeos e álbuns. O acervo é o mais extenso já digitalizado pelo instituto, que desde 2001 desenvolve projetos de catalogação, conservação e disponibilização de acervos digitais de artistas representativos da cultura brasileira.

     São mais de 4.500 fotos do cantor, desde a infância em Minas Gerais, na década de 40, até imagens mais recentes. Os visitantes do portal também podem visualizar documentos como a caderneta escolar de Milton do ano de 1958, quando ele cursava a 4ª série do Colégio São Luís, em Três Pontas (MG); cartas do poeta Carlos Drummond de Andrade e da atriz francesa Jeanne Moreau; letras manuscritas e um cartaz do show El Gran Concerto, que Milton fez com os cantores argentinos Mercedes Sosa e León Gieco, em Buenos Aires, em 1984.

     Para marcar o lançamento do acervo digital, a Orquestra de Sopros Pró-Arte fará um show em homenagem a Milton Nascimento, às 20h30 de hoje, no Espaço Tom Jobim, no Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Com direção de Cláudia Ernest Dias, Fernado Trocado e Raimundo Nicoli, a apresentação tem participação do instrumentista Marcelo Caldi e participação da Companhia Folclórica do Rio de Janeiro, com coreografia de Eleonora Gabriel.

     No repertório, nove canções de Milton, entre elas Nada Será como Antes, Vera Cruz, Morro Velho e Canção do Sal, cada uma com um diferente arranjador. No foyer do teatro, parte do acervo estará em exposição.

     Criado em maio de 2001 para abrigar a memória e o acervo de Antonio Carlos Jobim (1927-1994), o instituto foi instalado no Jardim Botânico, como um tributo da família e dos amigos do maestro ao amor que ele sempre demonstrou pelo parque. O primeiro acervo a ser catalogado e digitalizado  pelo instituto foi o do próprio Tom Jobim, com 9.435 itens.

     Coordenados por Georgina Staneck, outros projetos de digitalização foram implementados pelo instituto, que tem o patrocínio da Vale por meio da Lei de Incentivo à Cultura do governo federal. São eles os dos compositores Dorival Caymmi (4.311 itens), Chico Buarque (5.901 itens) e Gilberto Gil (17.674) e o do arquiteto Lucio Costa (3.977 itens arquivados). Atualmente, encontra-se em processo de catalogação o acervo do instrumentista, maestro e compositor Paulo Moura (1932-2010).

     Paulo Virgilio, repórter da Agência Brasil - Edição: Fábio Massalli

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Um dia na vida.... essa música dos Beatles rima com este trecho de Hesse: “Somos, fluindo de forma em forma docilmente, movidos pela sede do ser atravessamos o tempo. O dia, a noite, a gruta e a catedral. Assim sem descanso as enchemos uma a uma, e nenhuma nos é o lar, a ventura..." (continua)


  •      Quem nunca dançou ao som de Donna Summer? Nos anos 70, Donna Summer dominou pistas de dança do mundo inteiro, com músicas que não deixavam ninguém ficar parado. A artista conquistou cinco Grammys, o Oscar da música. Exigente com o próprio trabalho, ela uma vez atribuiu o sucesso ao pós-guerra do Vietnã nos Estados Unidos e no mundo.   (continua)


  • "... falar da cor dos temporais
    Do céu azul, das flores de abril
    Pensar além do bem e do mal
    Lembrar de coisas que ninguém viu
    O mundo lá sempre a rodar..."
    (continua)


  •     Linda música, linda interpretação.

    "Não dá pé
    Não tem pé, nem cabeça
    Não tem ninguém que mereça...
     (continua)


  • 'Eu conheço o medo de ir embora
    Não saber o que fazer com a mão
    Gritar pro mundo e saber
    Que o mundo não presta atenção...
    (continua)


  •      Cantora carioca, filha do pianista e compositor Antônio Adolfo, começou a cantar aos 8 anos de idade, quando lançou um compacto ao lado de Mièle. Ainda durante a infância, integrou coros em gravações de artistas como Erasmo Carlos e Ângela Rô Rô. Morou nos Estados Unidos de 1989 e 1991, quando participou do disco "Brasileiro", de Sergio Mendes.   (continua)


  • "Amigos a gente encontra
    O mundo não é só aqui
    Repare naquela estrada
    Que distância nos levará...
    (continua)


  •    Émilie Simon é uma cantora-encantadora, como poucas. Francesa, nasceu em 1978 em Montpellier. Ela é a compositora da trilha sonora original do documentário francês A Marcha dos Pingüins (La Marche de l'Empereur). Com esse trabalho ganhou o prêmio César de melhor Trilha Sonora Original de 2006 e o prémio Victoires de La Musique.   (continua)


Copyright 2011-2022
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília