Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O GPS da vida

Enviado por Gilberto Godoy
o-gps-da-vida

      Elton Simões via blog do Noblat

     Não tenho o menor senso de direção. Faço parte daquele grupo de pessoas para as quais o deslocamento de um lugar a outro é sempre um desafio. O Norte parece sempre mudar de lugar. Estar pedido é não somente habitual, mas também um fato inevitável da vida.

     Talvez por isso, adoro o GPS do meu carro. Aquela voz feminina me explicando cada caminho e avisando a cada curva com precisão milimétrica me traz a segurança que eu chegarei a meu destino como planejado. Esta segurança provavelmente é ilusória. Sei que GPSs não são perfeitos.

     Outro dia, vi no jornal a fotografia de quatro carros submersos parcialmente em um rio. Foi na Inglaterra. Os motoristas dos carros haviam conduzido seus veículos para dentro d água porque o GPS havia indicado que o rio, e não a estrada, era o caminho correto.

     Sempre me perguntei como foi possível a esses motoristas seguirem as instruções do GPS apesar de elas estarem claramente erradas. Parece que eles deixaram de ouvir a sua voz interna e ignoraram as informações que o cérebro mandava baseado naquilo que os olhos viam.

     Acho que todos nós temos esta voz que insiste em distinguir o que é certo do que é errado. Às vezes, estas vozes falam tão alto que a gente sente fisicamente sua presença. É aquela sensação de que tem algo fora de lugar. É aquilo que chamamos de consciência. A ética é a manifestação física desta voz interna.

     Ética, como disse o Jurista inglês John Moulton, é obedecer ao que não tem punição prevista em lei.

     O comportamento ético vem como resultado dos diálogos internos em que a consciência compara os fatos, as ações possíveis com os valores e decide (ou melhor, recomenda), o que é certo e o que é errado. Quase sempre, o comportamento antiético acontece quando as ações não seguem a consciência.

     Decidir o certo do errado não é tarefa simples. A vida é cheia de curvas, dilemas, circunstâncias, pressões e situações. O certo não necessariamente é o obvio. O errado pode não estar evidente. Tudo isso gera ruído externo que interfere com a capacidade de ouvir a consciência. Optar pelo certo pode ter um custo ou mesmo não ter recompensa imediata aparente.

     Viver é complicado, mas ignorar a voz interna é um erro. É a consciência individual a juíza das ações de cada ser humano. A ela pertence a avaliação que norteia as ações. É ela a companheira inseparável de cada um. Dela não se pode fugir. Dela não se pode esconder. Contrariá-la é condenar-se a ouvir, eternamente, os gritos de uma voz interna que não pode ser calada.


     Elton Simões mora no Canadá há 2 anos. Formado em Direito (PUC); Administração de Empresas (FGV); MBA (INSEAD), com Mestrado em Resolução de Conflitos (University of Victoria).

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •      "Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final. Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver. Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos. Não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram.   (continua)
      * Veja sobre Psicólogo Brasília na Clínica Brasília de Psicologia ou AQUI.


  •      Um grupo de senhores, por várias noites, reuniu-se para discutir sobre os assuntos de alta transcendência – coisas metafísicas. No grupo, um dos participantes se destacava pelo silêncio. Numa das noites, incitado por um dos participantes, o casmurro usou a palavra...   (continua)


  •    Quando jovens, cultivávamos a utopia de um mundo melhor. Tenho refletido sobre isso. Tenho lido e pesquisado sobre a história do nosso comportamento através dos séculos. Parece que, apesar de toda a violência atual, fomos ficando menos violentos. Difícil acreditar, eu sei.   (continua)


  •    Rei Lear é uma das peças mais citadas em textos sobre o envelhecimento. A montagem de Juca de Oliveira é uma oportunidade para aqueles interessados em conhecer a obra, uma vez que a chance é mínima de assistirem uma encenação clássica, completa, algo distante ...   (continua)


  • “Não me deixe rezar por proteção contra os perigos,
    mas pelo destemor em enfrentá-los.
    Não me deixe implorar pelo alívio da dor,
    mas pela coragem de vencê-la...
    (continua)


  •    Quando fico angustiado com as notícias brasileiras, ligo para o Nelson Rodrigues. Ele me dá bons conselhos lá do céu de papelão, entre nuvens de algodão e estrelas de papel prateado — seu paraíso é um cenário de teatro de revistas. O telefone toca como uma trombeta suave. Ele já sabe quem é: '— Você, hein? Só me liga quando está encalacrado.'   (continua)


  •    Quem não tem namorado é alguém que tirou férias não remuneradas de si mesmo. Namorado é a mais difícil das conquistas. Difícil porque namorado de verdade é muito raro. Necessita de adivinhação, de pele, saliva, lágrima, nuvem, quindim, brisa ou filosofia...   (continua)


  •       Adaptação ao texto original de Rosemarie Urquico
       “Encontre uma pessoa que lê. Namore uma pessoa que gasta seu dinheiro em livros, em vez de roupas. Namore uma pessoa que tem uma lista de livros que quer ler e que possui seu cartão de biblioteca. Você sabe que ela lê porque ela sempre vai ter um livro não lido consigo.   (continua)


Copyright 2011-2021
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília