Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O papel da Língua Portuguesa no raciocínio

Enviado por Gilberto Godoy
o-papel-da-lingua-portuguesa-no-raciocinio

   Grande parte das dificuldades matématicas dos alunos deve-se a incapacidade deles compreenderem os enunciados dos problemas ou das atividades propostas em sala de aula, isto porque o nível de aprendizagem de Língua Portuguesa é baixo.

     As avaliações, feitas na últimas décadas, apontam que pouco mais de um quarto dos alunos conseguem compreender o que leem.

   Vale ressaltar que compreensão não é se dá através do domínio do código linguístico, é consequência do conjunto de informações e conhecimentos acumulados ao longo da vida, ou seja, a compreensão requer um mínimo de referências para que ocorra.

     Considerando o volume rasteiro de leitura de livros e periódicos no Brasil é quase impossível esperar que esse quandro de "incompreensão se reverta" tão cedo.

     E importante ressaltar que esses dados apontando a precariedade de aprendizado dos alunos são divulgados constantemente, entretanto, nada se faz. Em nenhum momento se discute o modelo de ensino atua, que, claramente, abriu mão do ensino dos conteúdos das disciplinas em nome de um linha ideologizante e delirante. Nos modelo atual o professor não tem com meta garantir o aprendizado de sua disciplina; sua missão é forma o cidadão crítico.

     E realmente tem conseguido isso plenamente, pois um cidadão que não sabe fazer conta e pouco compreende o que lê... é um cidadão critico. Em estado critico.

     Por Márcio Almeida via blog Luis Nassif Online

Comentários

  • por: Roberto Cristino Teixeira em sábado, 20 de julho de 2013
    Esse negócio de se aceitar, conforme se diz, que "a língua portuguesa é só para se comunicar" dá nisso. Houve um registro de um caso de uma professora de Matemática, de um determinado colégio, tratando o termo “cateto”, os quais são qualificados, especialmente, como lados de um triângulo retângulo, como se fosse o nome do lado de qualquer tipo de triângulo, e, na prova, cuja forma e conteúdo foram objeto de reclamação do pai dos alunos, junto ao diretor da escola, para que ela fosse chamada para fazer uma reformação, haver expressões assim: "O triângulo cuja um seu cateto...". Um absurdo abominabilíssimo. Essa observação é colocada de forma muito resumida. Mas acrescenta-se que o professor de Matemática deve ser ótimo em Matemática e bom em Português, Física, Biologia, Geografia e História. O de Física deve ser ótimo em Física e bom em Português, em Matemática, Biologia, Geografia e História. O de Biologia deve ser ótimo em Biologia e bom em Português, em Matemática, Geografia e História. E assim sucessivamente. O professor de Matemática faltava; o de História o substituía, se não para ministrar assunto novo, mas, pelo menos, para fazer os exercícios prescritos pelo seu colega. Assim como o de Matemática poderia fazer preleções sobre História, Biologia ou Geografia. Davam lições além da sua matéria, no campo filosófico. Antigamente, os professores falavam um português perfeito. Não se trata de nunca alguém errar. Trata-se de se buscar a perfeição ou a correção. Na visita a uma roça, não se vai observar a fala de quem tem as mãos calejadas pelo trabalho na plantação de legumes. Mas um apresentador de televisão, um pastor que profere um discurso de uma tribuna, professores e outros tipos de personagens devem se esforçar para executarem uma linguagem primorosa. E, a não ser diante do falar pitoresco do matuto autêntico, de uma comédia de Mazzaropi, ou do erro propositado em uma poesia belíssima como a do poeta Zé da Luz, “Ai, se sesse!”, a linguagem correta deve exercida e deve ser mantida. E sem correção, ou erro generosamente propositado e com reserva de qualidade do autor, não há arte. Para se inovar, como disse Saramago, que, por exemplo, criou a citação sem aspas, só com início da frase com letra maiúscula, é preciso saber. É uma grandíssima lástima o que acontece hoje, observando-se que 2013 não tem culpa. A assim como a arte é ou dever ser universal, não há, em termos éticos, o antigo ou o moderno. O ente “Moderno” não deve ser sinônimo do que é bom. “Moderno” é, apenas, o que está na moda. E o que está não moda pode ser belo ou feio, bom ou ruim, o bem ou o mal, bom ou mau. Com exceção do que acontece na Ciência e Tecnologia, que trazem maravilhas, com a discrição dos cientistas, com a injusta falta de reconhecimento por parte das massas, em parte por recalcitrância e em parte pelo estado de pobreza em que vive considerável parcela dessas massas, o que pode haver, em muitos setores, ou há, é uma coincidência do feio, do errado, do ruim, com o tempo hodierno. Antigamente quem reforçava a negligência era apenas uma parte dos alunos. Hoje quem reforça a negligência, como se tem observado em entrevistas, são professores medíocres ou ruins, mal formados, descompensados e degenerados. Já se vê, considerando-se ou admitindo-se que existia mais preocupação, por parte da sociedade, com a qualidade da arte e com a ética, até o decênio de 70, sem se ceder à confusão entre os gêneros da Ética, do tempo e da Estética - uma vez que ao tempo pertencem as espécies “antigo” e “novo”, e à Ética e à Estética o certo e o errado, e o belo e o feio - que ser tido como um homem do século de XIX, em alguns aspectos, não é uma acusação de um vício; é uma virtude.

Também recomendo

  •    E se Deus tivesse falado: “Para de ficar rezando e batendo o peito! O que eu quero que faças é que saias pelo mundo e desfrutes de tua vida. Eu quero que gozes, cantes, te divirtas e que desfrutes de tudo o que Eu fiz para ti. Para de ir a esses templos lúgubres, obscuros e...   (continua)


  •    O tema da redenção me encanta há muitos anos. Sou um descrente encantado com a tradição bíblica. Para almas apressadas, pode parecer uma contradição. Prefiro ver como uma espécie de pequena modéstia diante de tamanha beleza contida nas temáticas bíblicas.   (continua)


  •    Neste segundo texto "Para que serve a filosofia", conferimos conselhos essenciais de grandes sábios. Lembre-se de que vai morrer! Montaigne disse que quando queria lidar com o medo da morte recorria a Sêneca. Não por acaso. Ninguém se deteve de forma tão profunda e...   (continua)


  •    O filósofo e matemático do século XVII, Blaise Pascal, atualmente tem certa popularidade na Internet, particularmente na era do Twitter onde algumas de suas frases são muito retuitadas. Uma que é muito citada por escritores e filósofos como sintoma...   (continua)


  •    Ao longo dos séculos, monges, padres, lamas e santos adotaram a meditação como caminho para encontrar Deus. Hoje, cada dia mais gente descobre nessa prática a chave para enfrentar o cotidiano com mais equilíbrio e vitalidade.   (continua)


  •    Em lógica, um argumento pode não ser válido ainda que a conclusão seja verdadeira, e pode ser válido ainda que a conclusão seja falsa. São conceitos confusos, e a gente pode ser enganada facilmente quando a validade de um argumento e a credibilidade não coincidem, sobretudo no caso de...   (continua)


  •    Se você pudesse planejar como sua vida terminará – suas últimas semanas, dias, horas e minutos –, o que escolheria? Iria, por exemplo, ficar em boa forma até o último momento, para então ir rapidamente? Muitas pessoas dizem que...   (continua)


  •    A filosofia existe para que as pessoas possam viver melhor. Sofrer menos. Lidar melhor com as adversidades. Enfrentar serenamente o perpétuo vai-e-vem de elevações e quedas, para citar uma grande frase de um filósofo da Antiguidade. A missão essencial da filosofia é...   (continua)


  •    Uma definição precisa do termo "filosofia" é impraticável. Tentar formulá-la poderia, ao menos de início, gerar equívocos. Com alguma espirituosidade, alguém poderia defini-la como "tudo e nada, tudo ou nada...". Melhor dizendo, a filosofia difere das ciências especiais na...   (continua)


  •    Interpretar as coisas, pensá-las, é uma espécie de doença dos intelectuais. Doença ou vício - como quis alguém - que se transforma em hábito, minando-lhes o modo de ser e roendo-lhes a capacidade primária de considerar as coisas com seus aspectos mais simples, elementares.   (continua)


  •    Três romenos escolheram Paris como lar: Mircea Eliade, lonesco e E. M. Cioran. Este último nasceu em Rosinari, na Transilvânía, em 1911. Dois de seus livros estão traduzidos em português: Breviário da Decomposição e Exercícios de Admiração.   (continua)


  •    A trajetória de Sócrates é um cruzada contra a falsa sabedoria. Sempre amigável, o filósofo demonstrava o quanto ainda sabemos tão pouco dos mistérios da vida. Como Buda e Cristo, que não deixaram escritos, Sócrates é conhecido hoje pelos escritos de seus discípulos...   (continua)


Copyright 2011-2021
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília