Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O príncipe feliz - Oscar Wilde

Enviado por Gilberto Godoy
o-principe-feliz---oscar-wilde

     Era uma vez uma andorinha que ficou para trás durante a migração anual por conta de um amor que não deu certo. Ela encontrou a estátua do príncipe feliz, coberta de ouro, com olhos de safira e um grande rubi enfeitando sua espada. A estátua encerrava a alma de um príncipe taciturno e um coração de chumbo. Aos poucos, andorinha e estátua tornam-se amigos. A ave transforma-se em mensageira do bom príncipe, e doa suas riquezas aos pobres. No fim, temos um coração quebrado e uma andorinha congelada, os itens mais preciosos desta cidade pacata. Poderia ser dos irmãos Grimm, mas é Oscar Wilde. E isso faz toda a diferença.

     O príncipe feliz foi publicado em 1888, mas já possui a essência do Oscar Wilde que mais tarde nos legaria 'O retrato de Dorian Gray'. É um conto com múltiplas facetas, preocupado com a beleza da linguagem, sutil mas feroz em suas críticas, e com um olhar particularmente aguçado sobre a natureza humana. A começar pela andorinha. A ave que inicia o conto é uma vítima do belo por ele mesmo, da maneira mais superficial possível. Apaixona-se por um junco, um belo junco, que não fala, apenas se movimenta de acordo com o vento. Mas é um junco muito bonito. Seus amigos, tão ou mais superficiais, taxam a relação de ridícula. Não por ser impossível, mas porque a amada não possui dinheiro, e ainda por cima vem de uma família muito grande. Vale lembrar que até o nome do animal escolhido remete a essa característica. No original, andorinha vira Swallow, palavra cuja grafia é bastante próxima de Shallow (superficial).

     Após a migração dos pássaros, a andorinha perde todo o interesse no amado junco. Ela é terrivelmente calada, ligada à terra e ainda por cima está dando em cima do bendito vento. A andorinha deixa então a relação que ela mesma criou e parte em busca dos amigos, em rota migratória para o Egito. No caminho, passa pela cidade do Príncipe Feliz, representado por uma magnífica estátua, folheada a ouro e com gemas preciosas no lugar dos olhos e do botão da espada. O monumento foi erigido pelos governantes da cidade, e serve de símbolo de conduta para seu povo. A mensagem é bastante clara. Seja rico e belo, e serás feliz. Ou assim parece. Pois dentro da bela estátua encontra-se a alma do falecido príncipe, não tão feliz assim.

     Não que ele achasse isso em vida. Protegido da miséria por muros altos, sem interesse de desbravar além daquele limite, o príncipe sentia-se agradado. Ali fazia tudo que lhe dava prazer. Por isso julgava-se realmente feliz. O castelo em que vivia era uma espécie de casulo, do tipo que até hoje colocamos em prática, com nossas grades, porteiros, alarmes e etc. Nos aprisionamos voluntariamente para podermos negar a miséria do próximo. Mas a estátua foi posta num pedestal alto demais, e o príncipe não pode mais negar o que acontecia em sua cidade. Mas estava preso neste pedestal, nada podendo fazer.

     A decisão da andorinha de dormir junto à estátua foi tomada por um motivo estético: “dormirei em uma cama de ouro”, diz antes da primeira lágrima cair. Na presença de algo belo e triste, comove-se. Quando descobre que a estátua não é maciça, surpreende-se. Sente uma certa repulsa por o monumento não ser “puro”. Mas o príncipe, desligado das vaidades da vida, resolve se desfazer das vaidades de seu corpo de metal. Com a ajuda da andorinha, descobre uma nova liberdade. Aos poucos vai despindo-se  de suas riquezas e doando-as aos necessitados porque “os vivos sempre acham que o ouro pode fazê-los felizes”.

     As viagens que a andorinha faz para entregar os objetos preciosos aos necessitados mostram os dois lados da cidade. Os abastados desfrutando de sua abundância – enquanto os pobres estão em sua porta. Aos poucos, a andorinha aprende a ver pelo ponto de vista da estátua e decide não abandoná-la. Mas força de vontade não é o suficiente para mudar quem ela é, e seu fim é trágico. A estátua, destituída de seus enfeites e finalmente exibida em sua essência, perde o encantamento que a fez ser erigida, e é derretida para aplacar o ego dos governantes. Mesmo a última cena, do encontro dos itens preciosos – coração de chumbo e andorinha – com Deus, podem ser interpretados com cinismo, já que a função do príncipe no céu será adorar o seu Deus.

     E  esta foi apenas a última das leituras que fiz desse conto. E essa é apenas uma das interpretações possíveis. A história pode passar por um conto de fadas simples, pregando o amor ao próximo, tendo como recompensa seu lugar no céu, e podemos discuti-lo sob diversos ângulos e pontos de vista diferentes. O príncipe feliz é um Conto Essencial em vários sentidos. Foi escrito por um ícone da literatura britânica em um de seus séculos mais férteis, e capta a sua essência, é escrito com precisão, molda-se ao leitor, engana em sua simplicidade. É um conto que muda de faceta a cada nova leitura, que mantém-se atual após mais de 120 anos de publicação. É essencial porque fala da natureza humana e de suas máscaras mais primordiais. São aquelas poucas páginas que mudam sua perspectiva, sua maneira de pensar.

       Fonte: blog Meia Palavra  -  http://blog.meiapalavra.com.br

 

     Autoria: Kika, Amálgama de personagens, todos viciados em aprender mais sobre o mundo. Tende a viciar rapidamente em livros, amigos, idiomas, músicas ou apenas no brilho da luz numa calçada molhada. Tem um interesse especial por romances históricos, grandes guerreiros e literatura francesa.

Comentários

  • por: Frennessey S. Leal em quarta-feira, 31 de outubro de 2012
    Muito legal esse conto Gilberto. Beijo grande!

Também recomendo

  • "E foi então que apareceu a raposa:
    - Bom dia, disse a raposa.
    - Bom dia, respondeu o principezinho, que se voltou, mas não viu nada.
    - Eu estou aqui, disse a voz, debaixo da macieira...
    - Quem és tu? perguntou o principezinho. Tu és bem bonita...
    (continua)

  •    O blog Mundo de K resgatou uma publicação do Times Literatury Suplement sobre os 100 libros mais influentes da história, com direito a indicação de leitura extra como entrevistas ou resenhas sobre as obras elencadas. O autor do blog faz uma ressalva...   (continua)


  •    Aniversário de 115 anos do poeta maior, Carlos Drummond de Andrade (1902-1987). Imagino nesse momento, no Paraíso, Drummond, Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Antônio Carlos Jobim, Manuel Bandeira e Vinícius de Moraes.   (continua)


  •    Eloá Heise, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, conversa com Rodrigo Simon sobre Fausto, obra do escritor alemão Johann Goethe. Eloá fala sobre a figura histórica de Fausto e a busca do homem pelo sentido da vida.


  •    Por que será que cada vez mais mãe e pai têm dificuldades de educar os filhos? Cada vez mais os consultórios de terapeutas são procurados por eles, bem intencionados mas desconhecendo o que fazem de errado na educação de seus filhos.   (continua)


  •    Liesel Meminger enfrenta a morte cara a cara três vezes. Sobrevive de cara lavada. De tão impressionada, a Dona Morte, ela mesma, decide contar a história da menina, que se habituou, desde cedo, a roubar livros, como forma de prosseguir a viver e a sonhar em meio a mil palavras perdidas.   (continua)


  •    Eduardo Galeano nasceu em Montevidéu, em 1940. Mais que o Galeano conhecido por qualquer um que já tenha ouvido falar de "uma américa latina de veias abertas", ele é o autor das palavras que andam, do mundo que vaga, dos mais de 30 títulos traduzidos em mais de 20 idiomas.   (continua)


  • Trecho do livro 'Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra', Mia Couto.

       "A vantagem de ser pobre é saber esperar. Esperar sem dor. Porque é espera sem esperança. Mariano sofria sem pressa. Isso, ele me ensinara: o segredo é demorar o sofrimento, cozinhá-lo em lentíssimo fogo, até que ele se espalhe, diluto, no infinito do tempo."   (continua)


Copyright 2011-2021
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília