Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Por menos festa infantil espetáculo e mais festa afetiva

Enviado por Gilberto Godoy
por-menos-festa-infantil-espetaculo-e-mais-festa-afetiva

   Original: Por menos festa infantil espetáculo e mais festa afetiva - Lidiane Vasconcelos, via blog Trololó de Mulher.

   Festa infantil em bufê da moda… e bem caro! Quem nunca foi a um evento assim? O ambiente a gente conhece: brinquedos com luzes piscando e emitindo sons os mais diversos, e as crianças enlouquecidas correndo de um lado para o outro. De repente, uma parada: a criança aniversariante entra na festa. Mas agora ela usa uma roupa diferente da que estava logo no início do evento, quando recebeu 3 dígitos de convidados. Será que aquele pingo de gente conhece mesmo tantas pessoas assim? A comemoração segue. Os presentes ainda nem foram abertos, repousam num lugar reservado para eles. Isso fica pra depois! Foi-se o tempo da alegria de abrir o mimo, e agradecer pessoalmente a gentileza do amiguinho ou do primo com um abraço. Isso tornou-se desnecessário.

   Animadores de festa, personagens, brinquedos recreativos, recursos e mais recursos são usados para animar a criançada. Atigamente criança sabia como se divertir, bastava algumas delas reunidas e espaço para brincarem, correrem, usarem a imaginação elas mesmas e entre si. Parece que as crianças de hoje em dia são incapazes. Será? Não estamos subestimando os pequenos? E então… chega a hora dos parabéns!!! É hora de ir para a mesa lindamente composta com doces perfeitamente simétricos e cores que combinam com toda a decoração e a roupa da criança. Beijos! Todos repetem a mesma frase… estava tudo lindo. E estava mesmo!!! Quanto a isso, não há o que discutir. Pronto… todos vão embora com sacolas repletas de guloseimas e lembrancinhas incrivelmente criativas, inusitadas e exclusivas!

   As festas viraram espetáculos caros, exagerados e entusiasmados um pouco acima do normal, a meu ver. Por que passamos a celebrar mais um ano de vida das crianças desse jeito? Ainda não entendi bem. Por que passamos a comemorar a vida de maneira que beira o impessoal, em detrimento das festas afetivas de antigamente?

   Você lembra? As festas de aniversário eram em casa, ao redor de nossas mesas, com brigadeiros e doces desiguais, e tudo bem! A reunião era para poucos, familiares e amigos que, de fato, faziam parte da história da criança, com quem se encontrava outras vezes ao longo do ano. Era uma festa, portanto, afetiva. A festa começava nos preparativos, na produção das delícias e na arrumação da casa para o momento em si. Todo esse processo era o que tanto trazia alegria… você se lembra? A festa tinha um propósito: reunir as pessoas mais queridas para a celebração por mais um ano de vida. Isto, por si só, era o motivo mais que especial, e ter os mais queridos por perto era extraordinário. Onde foi que nos perdemos quando passamos a nos empenhar tanto para tornar esse momento em algo espetacular? O que dizer quando as pessoas passaram a dar mais importância em mostrar o que têm e o que podem pagar, em detrimento de vivenciarem o que verdadeiramente são na essência? É isso o que torna essas pessoas mais felizes?

   A gente ouve falar demais que o mundo anda bastante competitivo, e que é preciso preencher alguns requisitos para atender a um modelo de sucesso social. Sem isso, somos vistos como fracassados, perdedores… esse veneno todo chegou às comemorações nos aniversários infantis? A celebração feliz e genuína, pela vida da criança, junto aos mais próximos, não é mais o bastante? Vem daí a loucura de muitas vezes fazer o que não se pode, parcelar a festa em inúmeras vezes, ou ainda pegar empréstimos (já ouvi falar que até isso fazem!), tudo para mostrar o que tem, ou fingir para a sociedade o que de fato não tem? De onde vem essa necessidade de impressionar, de fazer mais e diferente a cada ano?

   É claro que cada família é livre para fazer a comemoração do aniversário da cria como bem entender, e fazer o investimento que puder e quiser. Se isso é significativo para elas, assim mesmo como vemos hoje em dia, que seja. E nem se trata de eu ter me sentido desconfortável por ter estado em um evento assim. Absolutamente! Não é essa a questão. O que desejo colocar como reflexão é se isso tudo realmente traduz a essência dessas famílias. O que há de verdade nisso tudo? O que resta, em termos de sentimento, dessessuperultramega eventos? O quanto isso tem sido saudável para todos? O que vamos ensinar às crianças com todo esse movimento eufórico e consumista em torno das festas infantis? Quero refletir com você, apenas…

   Felizmente, tenho perbido algum movimento contrário a isso tudo. Se por um lado há essa necessidade coletiva de aprovação, que busca a opinião do outro quanto a sermos, ou não, pessoas bem sucedidas, nem que para isso haja tanto desgaste e gastos financeiros desproporcionais, por outro lado é animador assistir ao resgate do simples e descomplicado, com festas intimistas e afetivas que buscam nada mais que produzir gostosas recordações, e festejar afetivamente. É revigorante ver, em tempos de festas espetáculo, comemorações em que há uma reunião com significado, apenas pela presença dos que estão ali. É gostoso ver a alegria da criança ao ganhar um presentinho, e logo poder abrir e se deliciar com a surpresa ali mesmo, sem a necessidade de seguir o roteiro do “agora não é hora de abrir os presentes”. É confortável poder receber pessoas queridas, servi-las com guloseimas desiguais… e tudo bem! Elas são de casa e não se importariam com esses detalhes. Que importância tem a perfeição dos doces, afinal?

   Repensar tudo isso nos coloca diante de um (velho) mundo novo, de novas possibilidades, das escolhas verdadeiras e do coração, das festas com significado que arrancam sorrisos e alegria dos pequenos por estarem com quem amam e por quem são amados na real, e que, a gente sabe bem, não há dinheiro algum que compre. Nenhum!

    Fonte: blog Trololó de Mulher

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •     Você olha para seu celular e vê dezenas ou centenas de mensagens não lidas no WhatsApp... Certamente você está em mais grupos do que deveria ou gostaria. Não entre em pânico! Você não está só. Tem sido comum no atual momento...   (continua)


  •    A Google publicou uma trabalho de pesquisa a respeito da inteligência artificial no qual um avançado bot de chat aprendia com um conjunto predeterminado de conversas, para poder oferecer respostas "mais inteligentes". Um aspecto interessante deste bot, é... (continua)


  •    Nesta era tecnológica, as redes sociais se tornaram uma forma fundamental de interagir com nossos amigos e com o mundo, até se converter em um dos rituais cotidianos para alguns. No entanto, o que normalmente começa como um inofensivo hábito virtual...   (continua)


  •    Uma pesquisa do Ibope revelou que, de maneira inédita, a maioria dos brasileiros recebeu informações sobre política via Facebook, Twitter ou WhatsApp. Em um ano, triplicou a parcela da população que escolhe seus comportamentos a partir das informações compartilhadas nesses serviços, registrou o Estadão.   (continua)


  •      A teoria dos seis graus de separação originou-se a partir de um estudo científico, que criou a teoria de que, no mundo, são necessárias no máximo seis laços de amizade para que duas pessoas quaisquer estejam ligadas. No estudo, feito nos Estados Unidos, buscou-se, através do envio de cartas, identificar o números de laços de conhecimento pessoal existente entre duas pessoas quaisquer.   (continua)


  •    Ricardo Guimarães fala sobre transição e revolução da sociedade, das empresas e do trabalho. 


  •    Uma escola de economia e gestão, em Paris, irá brevemente começar a utilizar um software de inteligência artificial para rodar um programa de reconhecimento facial, de modo a determinar se os seus estudantes estão prestando atenção às aulas. Está planejado que o software, denominado...   (continua)


  •    Existem muitas formas de adquirir conhecimento sobre diferentes temas, como por exemplo, vídeos no YouTube, livros, cursos, séries e documentários. Pensando nisso, o Brasil Econômico listou 5 documentários disponíveis no Netflix  para ajudar os interessados em empreendedorismo a se inspirarem ao mesmo tempo que se informam sobre assuntos presentes em diferentes setores de produção.   (continua)


Copyright 2011-2022
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília