Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Quem disse que precisamos ter opinião sobre tudo?

Enviado por Gilberto Godoy
quem-disse-que-precisamos-ter-opiniao-sobre-tudo-

    Alexandre Matias - O Estadao.com.br

     Wando morreu. E eis que, no dia de sua morte, em meio ao luto súbito e homenagens póstumas de toda ordem (desde versões ilustradas para o hit “Fogo e Paixão” até piadas sobre um dos temas favoritos do cantor, as calcinhas), o blog Não-Salvo – um dos maiores blogs de humor do Brasil – postou uma foto do Sidney Magal em sua página no Facebbok. Sobre a foto, um texto anunciava “Wando (1945-2012)” e citava um trecho da música “Borbulhas de Amor”, do Fagner.

     Não era um erro. Foi de propósito, afinal o motivo era brincar com o fato de que as pessoas acabam confundindo determinadas informações e, no calor da hora, misturam lé com cré.

     Os leitores do blog não só entenderam a piada como a passaram para frente, compartilhando a imagem em seus perfis na rede social. Mas como nem todo mundo conhece o site ou foi avisado de que aquela imagem veio de um site de humor, não faltaram comentários que não apenas corrigiam a imagem (“esse não é o Wando!”) como agrediam rispidamente a “ignorância” de quem postou a informação “errada”.

     (Cabe um parêntese rápido sobre essa agressividade típica da internet. Uma vez que não há o contato próximo, é muito comum que se aproveitem desta frieza e distância da comunicação online para a exibição de uma fúria ameaçadora. Antes do Facebook, reclamações, acusações e ameaças ficavam escondidas sob o fato de que não era preciso se identificar para fazer comentários em sites ou blogs. Depois do Facebook, em que a identificação é capital, essa raivinha foi transformada em exibicionismo de opinião, com pessoas debatendo interminavelmente – e apaixonadamente – sobre qualquer assunto que vier à pauta. Seja um animal morto, uma declaração de um político, o resultado de um jogo ou um programa de TV – todo mundo tem opinião formada sobre qualquer assunto. Depois dos trending topics do Twitter, agora temos a polêmica do dia, no Facebook).

     Mas é tudo uma questão de contexto. Como observa o fundador do site BuzzFeed, Jonah Peretti, o Facebook e as redes sociais em geral misturam notícias sérias e fúteis no mesmo ambiente – afinal, tais notícias interessam a qualquer um. Mas uma coisa é reclamar que a foto exposta não é do Wando e sim do Sidney Magal. Outra coisa é sair compartilhando qualquer tipo de informação sem checar de onde ela vem. É um exercício natural à prática do jornalismo que, aos poucos, está sendo repassado para todo o público não-jornalista.

     É fácil acabar com a reputação de uma pessoa em alguns posts no Facebook. O que aconteceu com a Luíza, aquela, do Canadá, poderia não ser engraçadinho e curioso – e, sim, trágico, caso o tema fosse diferente de um pitoresco comercial de TV. Misture isso ao fato de que muitos passam para frente notícias sem nem mesmo checar de quando elas são e que há proliferação de sites de humor que fingem ser publicações jornalísticas e temos um trem saindo dos trilhos em nosso inconsciente.

     Talvez seja a avalanche de informação, talvez seja algo que eu chamo de “a ressaca da web 2.0” (que permitiu a qualquer um dizer o que pensa online – e agora estamos vendo todo mundo dizer o que pensa só pelo simples fato que é possível dizer o que se pensa o tempo todo). Há a clássica frase de Gilbert Chesterton que, no começo do século 20, disse que “não foi o mundo que piorou, as coberturas jornalísticas é que melhoraram muito”.

     Essa sensação de euforia e paixão – que pode ser boa ou ruim – é uma espécie de desdobramento da constatação de Chesterton. Tanta informação faz que a gente queira acompanhar esse ritmo da mesma forma, mas vale o novo ditado “Google before you tweet is the new think before you speak” (“Usar o Google antes de twittar é o novo pense antes de falar”). Sem um mínimo de ponderação, mergulhamos de cabeça no redemoinho de informação que parece nos puxar para baixo. Mas essa força não age sozinho – é preciso que você dê o primeiro passo. Por isso, calma.
 

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •      É melhor procurar ser feliz que não sê-lo? Provavelmente sim, ao menos enquanto não se transformar em um imperativo e ao mais quando, como essas flores que nascem nos lugares menos inesperados, a vontade surge espontânea e autenticamente, um fruto imprevisto e por isso ainda mais valioso. A seguir compartilhamos uma breve lista de coisas que podemos fazer para melhorar nossas vidas...   (continua)


  •        Olívia Florência da Uol/Folha.com
          O desenvolvedor de software Fabrício Buzeto, 27, conseguiu encontrar um método de gerenciamento de tempo para chamar de seu. Bastou descobrir uma técnica que fracionou seu dia de trabalho em vários períodos de concentração total.   (continua)


  •    Tem gente que parece mesmo disposto a queimar dinheiro em questões amorosas, senão como explicar que um sujeito possa contratar um especialista nas artes da sedução para diretamente flertar e seduzir a própria mulher, a fim de provar a sua traição? Não lhe parece que literalmente está procurando chifre em cabeça de jumento? Pois é, tem gente que gasta dinheiro com isso.   (continua)


  •    Manter uma relação a distância é difícil, ainda que graças as novas tecnologias possamos nos sentir bem perto da pessoa amada. E-mails, webcams, celulares... o contato intelectual pode ser constante e muito reconfortante. Mas e a necessidade de contato físico? Em uma universidade fizeram um teste com um macaquinho órfão. Colocaram dois robôs que...   (continua)


  •    Certa tarde, um famoso banqueiro ia para casa em sua "limusine" quando viu dois homens à beira da estrada, comendo grama. Ordenou ao seu motorista que parasse e, saindo, perguntou a um deles: " - Por quê vocês estão comendo grama...? - Não temos dinheiro para comida.., disse o pobre homem, Por isso temos que comer grama. - Bem, então venham à minha casa e eu lhes darei de comer - disse o banqueiro.   (continua)


  •    A maior de todas as técnicas é o amor! Mas se algumas técnicas que se forem bem aprendidas e utilizadas poderão produzir grandes contingências. As vossas companheiras poderão ir às nuvens, ver estrelas e flutuar por horas. O amor merece. Confira!   (continua)


  •    Damien Preston-Booth é, provavelmente, o mais inteligente e engenhoso mendigo do mundo. Toda semana, o homem de 37 anos, de Preston, em Lancashire, viaja até Mayfair, em Londres, para mendigar doações de turistas ricos, via cartão de débito ou crédito. Ele, na verdade, leva um leitor de cartões para se certificar de que...   (continua)


  •   Querido Deus:
    " - Obrigado pelo meu irmãozinho, mas eu orei por um cachorrinho."  Joyce
      Querido Deus:
    " - Você queria mesmo que a girafa se parecesse assim ou foi um acidente?"  Norma
    ​(continua)


Copyright 2011-2021
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília