Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

A criança que fui chora na estrada - Fernando Pessoa

Enviado por Gilberto Godoy
a-crianca-que-fui-chora-na-estrada---fernando-pessoa

"A criança que fui chora na estrada.
Deixei-a ali quando vim ser quem sou;
Mas hoje, vendo que o que sou é nada,
Quero ir buscar quem fui onde ficou.

Ah, como hei-de encontrá-lo? Quem errou
A vinda tem a regressão errada.
Já não sei de onde vim nem onde estou.
De o não saber, minha alma está parada.

Se ao menos atingir neste lugar
Um alto monte, de onde possa enfim
O que esqueci, olhando-o, relembrar,

Na ausência, ao menos, saberei de mim,
E, ao ver-me tal qual fui ao longe, achar
Em mim um pouco de quando era assim."


A seguir, outra tradução encontrada na internet:

"A criança que fui chora na estrada.
Deixei-a ali quando vim ser quem sou;
Mas hoje, vendo que o que sou é nada,
Quero ir buscar quem fui onde ficou.
Olá, minha criança! Vim buscar quem fui, onde ficou.
Que bom te reencontrar, pois sei que um dia deixei-te na estrada para ser quem sou.
Voltei agora para te buscar.

Perdoe- me por te abandonar.
Enquanto choravas, eu dormia o sono das conquistas passageiras.
Agora estou desperto, vim te buscar.
N
ão te assustes comigo. Eu não te deixei porque desejava.
Não soube como fazer. Agora retorno a te buscar.
Te aceito como és, incondicionalmente.
Tu não és má porque tem imperfeições.
Tu apenas tens imperfeições.
Depois de tanto tempo, descobri que não sou capaz de viver sem teu poder.

Quero brincar, pular e ser feliz. Vem ajuda com tua bondade.
Ajuda-me com tua criatividade e espontaneidade.

Ah! Minha criança de luz, como te amo! Como quero te amar!
Que vontade de sentir a tua espontaneidade, tua riqueza!"

Comentários

  • por: Natalucia Lourenço Medeiros em sábado, 11 de maio de 2013
    Um dia o Ser Humano vai entender que deveria crescer sem crescer... Jamais perder o sorriso, o brilho do olhar da infância. Porque precisamos ser moldados, engessados, tolidos, se a maior riqueza está dentro. Que texto rico.

Também recomendo

  • “Não te amo como se fosse rosa de sal, topázio
    ou flecha de cravos que propagam o fogo:
    Te amo secretamente, entre a sombra e a alma...
    (continua)


  • "Amo-te sem saber como, nem quando, nem onde, amo-te simplesmente sem problemas nem orgulho: amo-te assim porque não sei amar de outra maneira."
    "A pessoa certa é a que está ao seu lado nos momentos incertos."
    "A poesia tem comunicação secreta com o sofrimento do homem."
    ​(continua)


  •    O poema "Meus Oito Anos", de Casimiro de Abreu, declamado por Paulo Autran. Lindo!


  • “Tempo voraz, corta as garras do leão,
    E faze a terra devorar sua doce prole;
    Arranca os dentes afiados da feroz mandíbula do tigre,
    E queima a eterna fênix em seu sangue;
    (continua)


  •    Por vezes posts antigos recebem comentários, que encontramos por mero acaso. Um dos primeiros "posts" deste "blog", justamente sobre "De Rerum Natura", o livro de Lucrécio que lhe dá o nome, originou uma questão de um leitor brasileiro sobre uma tradução do poema de Lucrécio para português. Mandou-nos um extracto, que julgamos apócrifo.   (continua)


  • "Ele esperou…
    Tanto, tanto, tanto…
    E esperou de tal modo,
    como se fora sua sina e o mais íntimo fado,
    que não mais lembrava quantas vezes virara a ampulheta...
    (continua)


  • "Não: devagar.
    Devagar, porque não sei
    Onde quero ir.
    Há entre mim e os meus passos
    Uma divergência instintiva.
    Há entre quem sou e estou
    (continua)


  • "Um anjo desejei ter a meu lado...E o anjo que sonhei achei-o em ti!...
    C. A. de Sá
     
    És um anjo d’amor — um livro d’ouro,
    Onde leio o meu fado
    És estrela brilhante do horizonte
    Do Bardo enamorado...   (continua)

  • "Saberás que não te amo e que te amo posto que de dois modos é a vida,
    A palavra é uma asa do silêncio, o fogo tem uma metade de frio.
    Eu te amo para começar a amar-te, para recomeçar o infinito
    E para não deixar de amar-te nunca: por isso não te amo ainda.
    (continua)


  • "O que penso eu do mundo?
    Sei lá o que penso do mundo!
    Se eu adoecesse pensaria nisso.
    Que idéia tenho eu das cousas?
    Que opinião tenho sobre as causas e os efeitos?
    ​(continua)


  • "Eu vou te contar que você não me conhece
    E eu tenho que gritar isso porque você está surdo e não
    Me ouve
    A sedução me escravisa a você
    Ao fim de tudo você permanece comigo mas prezo ao que
    Eu criei...
    (continua)


  •    “É preciso estar sempre embriagado. Eis aí tudo: é a única questão. Para não sentirdes o horrível fardo do tempo que rompe os vossos ombros e vos inclina para o chão, é preciso embriagar-vos sem trégua. Mas de quê? De vinho, de poesia ou de virtude, à vossa maneira. Mas embriagai-vos...  (continua)


Copyright 2011-2018
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília