Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Perdas e indiferenças - Lya Luft

Enviado por Gilberto Godoy
perdas-e-indiferencas---lya-luft

"Porque entre o sim e o não é só um sopro,
entre o bom e o mau apenas um pensamento,
entre a vida e a morte só um leve sacudir de panos -
e a poeira do tempo,
com todo o tempo que eu perdi,
tudo recobre, tudo apaga, tudo torna simples
e tão indiferente."

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •              Poema do período abolicionista feito por Castro Alves e reproduzido, parte musicalmente, por Caetano Veloso e Maria Bethânia.

    'Stamos em pleno mar... Doudo no espaço
    Brinca o luar — dourada borboleta;
    E as vagas após ele correm... cansam
    Como turba de infantes inquieta.
    (continua)


  • Sophia de Mello Breyner Andresen
    "Para enfrentarmos juntos o terror da morte
    Para ver a verdade para perder o medo
    Ao lado dos teus passos caminhei
    (continua)


  •    Nesse vídeo, a cantora diz o "Poema do menino Jesus", de Fernando Pessoa e, em seguida, canta "O doce mistério da vida". Post em homenagem a data de nascimento do grande poeta português. A dela foi ontem, 18 de junho.   "... a mim ensinou-me tudo. Ensinou-me a olhar para as coisas..."   (continua)


  • "Manhã de outono, noite de inverno:
    duas estações repartem ao meio, o dia.
    O fôlego renovado do vento faz dançar folhas órfãs.
    A força retocada do frio faz tremer nuas árvores.
    E, enquanto a noite suspira neblinas,
    estrelas pendem de cansaço e sono.
    (continua)


  •    Um poema inédito de Fernando Pessoa foi encontrado em um  "livro de autógrafos" com um manuscrito de do poeta na última página. A escritores como Fernando Pessoa, tem-se sempre a ideia de que já não há mais nada a descobrir sobre eles. Afinal, no caso do poeta português, já se passaram mais de 80 anos da morte.   (continua)


  •      Por Assis Ribeiro do site da Revista Bula via blog Luis Nassif Online
       Pedimos a 50 convidados — escritores, críticos, professores, jornalistas — que escolhessem os poemas mais significativos de autores brasileiros em todos os tempos. Cada participante poderia indicar entre um e dez poemas...   (continua)


  • "Os sapatos envelheceram depois de usados
    mas fui por mim mesmo aos mesmos descampados
    E as borboletas pousavam nos dedos de meus pés.
    As coisas estavam mortas, muito mortas,
    Mas a vida tem outras portas, muitas portas..."
    (continua)


  • “Não te amo como se fosse rosa de sal, topázio
    ou flecha de cravos que propagam o fogo:
    Te amo secretamente, entre a sombra e a alma...
    (continua)


  • "A criança que fui chora na estrada.
    Deixei-a ali quando vim ser quem sou;
    Mas hoje, vendo que o que sou é nada,
    Quero ir buscar quem fui onde ficou. 
    (continua)


  • "Amo-te sem saber como, nem quando, nem onde, amo-te simplesmente sem problemas nem orgulho: amo-te assim porque não sei amar de outra maneira."
    "A pessoa certa é a que está ao seu lado nos momentos incertos."
    "A poesia tem comunicação secreta com o sofrimento do homem."
    ​(continua)


  •    O poema "Meus Oito Anos", de Casimiro de Abreu, declamado por Paulo Autran. Lindo!


  • “Tempo voraz, corta as garras do leão,
    E faze a terra devorar sua doce prole;
    Arranca os dentes afiados da feroz mandíbula do tigre,
    E queima a eterna fênix em seu sangue;
    (continua)


Copyright 2011-2018
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília