Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

As implicações de crer no inferno

Enviado por Gilberto Godoy
as-implicacoes-de-crer-no-inferno

    A religião em nossos dias pode ser, em alguns casos, entendida como um terrorismo psicológico cujas ideologias se tornaram compatíveis com a agenda capitalista: a satanização do prazer, a culpa da diversão (e seu oposto: a compulsão de gozar desmedidamente através da utopia consumista), e o lazer equiparado com a vadiagem conformam populações obedientes que preferem trabalhar duro para evitar os terrores do inferno, ainda que para muitos seu lugar de trabalho apresente condições comparáveis ao mundo inferior.


     Os psicólogos Azim F. Shariff e Lara B. Aknin realizaram um estudo, publicado na revista PlosOne sob o título "The Emotional Toll of Hell: Cross-National and Experimental Evidence for the Negative Well-Being Effects of Hell Beliefs", no qual pediram a 400 voluntários que escrevessem algo sobre o Céu, o Inferno ou sobre o que fizeram no dia anterior. Os que escreveram sobre o Inferno tendiam a mostrar maior negatividade emocional comparado com outros grupos (para surpresa de ninguém).

     O interessante é que esta tendência é tão patente em crentes quanto em não crentes: pensar no Inferno torna a pessoa miserável e suspicaz, inclusive apesar de que saibam que não é real. Ironicamente, o verdadeiro inferno manifesta-se com toda sua força nos crentes: a crença subjetiva em uma "malevolência sobrenatural" que dita seus destinos foi associado no estudo com a baixa auto-estima, pouca resistência às doenças e dificuldade para aceitar as mudanças. Crer no inferno, de fato, é um fator de prevenção do crime. O problema chega quando pensar que viver é um crime.

     O aspecto econômico da fé não escapou nem sequer da cobiça dos imperadores romanos: "dar a outra face" significava também ganhar guerras sem necessidade de utilizar exércitos. A evangelização tornou-se uma conquista ideológica que segue operando em nossa programação inconsciente. De fato, Azim e Aknin referem-se a outro estudo realizado em países em desenvolvimento, que demonstra que a crença em massa no Inferno produz populações melhor coordenadas e obedientes.

     A sociedade não poderia funcionar sem certo tipo de leis que mantivessem a ordem; mas se essas leis conformam uma chantagem emocional onde as opções são 1) obedecer ou 2) sofrer castigos sem questionar, não seria tempo de começar a nos preocupar menos pelo que ocorre após a morte e dar um pouco mais de atenção no que ocorre ao nosso redor, todos os dias? Exorcizar crenças limitantes e dolorosas é uma operação de reprogramação que cada um deveria realizar sobre si mesmo.

     Fonte: Reddit.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  • "Que eu tenha a força de ser eu mesmo, sempre
    Que eu possa fazer o bem, sem saber o porquê
    Que eu nunca pense que esse alguém irá me retribuir
    Que eu possa ouvir passarinhos cantando
    (continua)

     


  •      Por volta de 79 a.C. viveu Públio Lentulus Sura, um cônsul, um homem de muito poder e impiedoso. Sura foi contemporâneo de Caio Júlio César, Marco Túlio Cícero, além de aliado político do temível Sérgio Lúcius Catilina. A personalidade do cônsul aparece claramente como a de um homem que se acreditava destinado a governar Roma e que o teria feito se tivesse sido vitorioso na famosa rebelião que participou como figura exponencial.   (continua)


  •    Depois do ataque à revista Charlie Hebdo em Paris, muitas pessoas publicaram artigos e comentários pedindo respeito às religiões. Mas o respeito deveria partir delas, primeiro. Mas não é isso que se vê na prática. Elas não se respeitam entre si. E os casos chegam a ser bem mais graves do que uma caricatura num jornal que pouca gente lia.   (continua)


  •      Como o cientista francês Hippolyte Rivail se tornou, aos 53 anos, Allan Kardec, criador da doutrina espírita e fonte de inspiração do médium brasileiro Chico Xavier.   "A pessoa que estudar a fundo as ciências rirá dos ignorantes. Não mais crerá em fantasmas ou almas do outro mundo.” Era assim que o professor Hippolyte Léon Denizard Rivail, membro de nove sociedades científicas e autor de cerca de 20 livros sobre pedagogia na França do século XIX...   (continua)


  •      Queridos Irmãos,

         Convoquei-vos para este Consistório, não apenas para as três canonizações, mas também para vos comunicar uma decisão de grande importância para a vida da Igreja. Depois de ter examinado a minha consciência repetidas vezes, perante Deus, cheguei à certeza de que as minhas forças, devido à idade avançada, já não são apropriadas a um exercício adequado do ministério Petrino.   (continua)


  •        Philip Pullella - Reuters

          Assis, Itália - O papa Bento 16 reconheceu na quinta-feira, "com grande vergonha", o uso da força pelo cristianismo em sua longa história, mas disse que a violência em nome de Deus não tinha mais lugar no mundo contemporâneo.   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília