Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Papa reconhece história violenta do cristianismo

Enviado por Gilberto Godoy
papa-reconhece-historia-violenta-do-cristianismo


      Philip Pullella - Reuters

     Assis, Itália - O papa Bento 16 reconheceu na quinta-feira, "com grande vergonha", o uso da força pelo cristianismo em sua longa história, mas disse que a violência em nome de Deus não tinha mais lugar no mundo contemporâneo.

     O papa se pronunciou durante um evento ecumênico pela paz, no qual recebeu cerca de 300 líderes religiosos do mundo todo - entre cristãos, judeus, muçulmanos, hindus, zoroastristas, taoistas, xintoístas e budistas.

     "Como cristão, gostaria de dizer neste momento: sim, é verdade, ao longo da história a força foi usada em nome da fé cristã", disse em discurso às delegações reunidas na basílica de Assis, cidade natal de São Francisco.

     "Conhecemos isso com grande vergonha. Mas está muito claro que isso foi um abuso da fé cristã, algo que evidentemente contradiz sua verdadeira natureza", afirmou.

     Essa foi uma das raras vezes em que o papa se desculpou por eventos como as Cruzadas ou o uso da força para difundir a fé no Novo Mundo. O falecido papa João Paulo 2o se desculpou em 2000 pelas falhas históricas do cristianismo.

     Bento 16, que em seu discurso condenou o terrorismo, disse que a história também demonstrou que a negação de Deus pode gerar "um nível de violência que não conhece limites". Ele disse que os campos de concentração da Segunda Guerra Mundial revelavam "com total nitidez as consequências da ausência de Deus".
 

Comentários

  • por: joão carmelino dos santos filho em sábado, 29 de outubro de 2011
    É um avanço significativo o Lider maior da Igreja Católica reconhecer que, em nome da fé cristã, houve abusos e violências praticadas contra seres humanos. Em particular, a escravidão de negros africanos trazidos para o Brasil na época colonial foi realizada com a "benção" de determinados cristãos. Em verdade havia um pensamento consolidado sobre a escarvidão, o que podemos ver no Sermão do Padre Antônio Vieira, quando afirma que “É melhor ser escravo no Brasil e salvar sua alma que viver livre na África e perdê-la”. E mais, segundo o Senador Charles Davidson, do estado do Alabama, mostrando que a Bíblia defende a escravidão “Pessoas que rejeitam a escravidão obviamente rejeitam Deus e sua palavra, porque rejeitam o que Deus diz e preferem escutar o que dizem simples humanos sobre a escravidão. Este pensamento humanístico era típico dos abolicionistas.” Insustentável, portanto, que as instituições históricas não reconhecam suas violências realizadas no passado, especialmente, escravagista.

Também recomendo

  • "Que eu tenha a força de ser eu mesmo, sempre
    Que eu possa fazer o bem, sem saber o porquê
    Que eu nunca pense que esse alguém irá me retribuir
    Que eu possa ouvir passarinhos cantando
    (continua)

     


  •      Por volta de 79 a.C. viveu Públio Lentulus Sura, um cônsul, um homem de muito poder e impiedoso. Sura foi contemporâneo de Caio Júlio César, Marco Túlio Cícero, além de aliado político do temível Sérgio Lúcius Catilina. A personalidade do cônsul aparece claramente como a de um homem que se acreditava destinado a governar Roma e que o teria feito se tivesse sido vitorioso na famosa rebelião que participou como figura exponencial.   (continua)


  •    A religião em nossos dias pode ser, em alguns casos, entendida como um terrorismo psicológico cujas ideologias se tornaram compatíveis com a agenda capitalista: a satanização do prazer, a culpa da diversão (e seu oposto: a compulsão de gozar desmedidamente através da utopia consumista), e o lazer equiparado com a vadiagem conformam populações obedientes que preferem trabalhar duro para evitar os...   (continua)


  •    Depois do ataque à revista Charlie Hebdo em Paris, muitas pessoas publicaram artigos e comentários pedindo respeito às religiões. Mas o respeito deveria partir delas, primeiro. Mas não é isso que se vê na prática. Elas não se respeitam entre si. E os casos chegam a ser bem mais graves do que uma caricatura num jornal que pouca gente lia.   (continua)


  •      Como o cientista francês Hippolyte Rivail se tornou, aos 53 anos, Allan Kardec, criador da doutrina espírita e fonte de inspiração do médium brasileiro Chico Xavier.   "A pessoa que estudar a fundo as ciências rirá dos ignorantes. Não mais crerá em fantasmas ou almas do outro mundo.” Era assim que o professor Hippolyte Léon Denizard Rivail, membro de nove sociedades científicas e autor de cerca de 20 livros sobre pedagogia na França do século XIX...   (continua)


  •      Queridos Irmãos,

         Convoquei-vos para este Consistório, não apenas para as três canonizações, mas também para vos comunicar uma decisão de grande importância para a vida da Igreja. Depois de ter examinado a minha consciência repetidas vezes, perante Deus, cheguei à certeza de que as minhas forças, devido à idade avançada, já não são apropriadas a um exercício adequado do ministério Petrino.   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília